Pode parecer estranho, mas Luiz Felipe Scolari, o homem que levou o Brasil ao quinto título mundial de sua história, preferiria repetir a sofrida caminhada rumo ao penta a assumir o time hoje, campeão de tudo, e com uma base formada. “É mais interessante pegar equipes que não tenham obtido grandes participações, com possibilidades de crescer”.

Na entrevista exclusiva concedida à revista Copa’06, nova publicação da Trivela, Felipão revela suas expectativas para Portugal no Mundial da Alemanha, faz uma análise minuciosa de seus adversários na primeira fase e já faz os planos para as oitavas, as quartas… “Como todo português, também quero ser campeão”, afirma o treinador.

Sobre a possível ida para a Inglaterra após a Copa, bastante comentada nas últimas semanas, ele desconversa. “Tenho sondagens de clubes e seleções, mas vou esperar”.

Abaixo, você confere um trecho da entrevista concedida por Felipão. A versão completa você encontra na revista Copa’06, da Trivela, já à venda nas melhores bancas do Brasil. Você também pode clicar aqui para encomendar a revista via Internet.

Confira a entrevista

O que você achou do grupo em que Portugal caiu?
Pegamos um cabeça-de-chave forte e dois adversários com menos tradição do que Portugal. Hipoteticamente nossas condições são boas, mas ninguém avalia o que é, por exemplo, o primeiro jogo contra Angola.

Quais são seus objetivos na Copa?
Os mesmos de todo português. Eles desejam ser campeões. Eu também, embora naturalmente precise ter os pés no chão e saber que tenho um grupo de trabalho no nível das outras seleções.

Você concorda que Portugal tem um grande elenco, mas não tem um atacante à altura do time?
Esse é um problema do futebol português. A maioria dos camisas 9 que jogam no país são brasileiros ou estrangeiros. Não se pode fazer nada.

Se pudesse escolher, você preferiria assumir a Seleção Brasileira hoje, com a moral alta e uma boa base ou repetiria o que fez em 2001 e 2002?
É mais interessante assumir equipes que não tenham obtido grandes participações, com possibilidades de crescer. Estar em seu currículo que você pegou a equipe em décimo e subiu para primeiro marca mais. É melhor do que pegar em primeiro, que você só pode ser primeiro de novo.

Você já tem algum plano para depois do Mundial? Espanha, Inglaterra, voltar para o Brasil…?
Não tenho nada definido. Meu contrato com Portugal vai até julho, mas tenho sondagens de clubes e seleções. Vou esperar.

Além da entrevista com Felipão, a primeira edição da revista Copa’06 traz também bate-papos com Cristiano Ronaldo, o mais promissor jogador da seleção portuguesa, Lothar Matthäus, atual técnico do Atlético-PR e ferrenho crítico de Jürgen Klinsmann, e um furo mundial – a descoberta de um vídeo inédito com imagens da participação brasileira na Copa do Mundo de 1954. Além disso, a revista traz perfis detalhados de Portugal, Togo, Angola, Costa do Marfim, Gana e Tunísia, uma coluna de Mauro Beting e muito mais. Tudo isso com a qualidade que o leitor do site Trivela.com já está acostumado.