Por Thiago Wagner da Silva, especial para a Trivela

FORTALEZA - Pela grandeza e importância do evento, é natural que a Fifa tenha suas regras para promover a Copa do Mundo. Algumas questões são até compreensíveis dentro de um plano de valorizar o espetáculo e proteger a marca ‘Copa’ comercialmente. No entanto, o excesso do padrão Fifa muitas vezes é chato, para não dizer exagerado. É como se o órgão máximo do futebol esquecesse que quem faz a competição ser tão bonita e empolgante é o torcedor. O Mundial não pertence à Fifa e sim ao povo.

Nesse sábado, na Arena Castelão, em Fortaleza, durante o jogo entre Alemanha e Gana, tivemos um bom exemplo da falta de bom senso da Fifa. Com a chegada da hora da partida, o estádio começou a ficar lotado de alemães, que trouxeram muitas bandeiras de suas respectivas cidades e clubes. O Castelão começou a ficar com as cores da torcida e teria ficado muito mais bonito do que já é. Teria, porque a Fifa veio e estragou parte da festa pedindo a retirada de todas as bandeiras. Observei bem para analisar se algum patrocinador da Copa não estava encoberto e não era o caso. As mensagens nas bandeiras alemãs também não eram ofensivas. Ou seja, faltou jogo de cintura para contornar a situação.

O pior de tudo isso: só foram pedir a retirada das bandeiras com a bola rolando. Os alemães ficaram cerca de dez minutos ‘brigando’ para manter os objetos no estádio ao invés de assistirem ao espetáculo. Revoltados, mandaram uma mensagem que todo o estádio conseguiu ouvir: “Fifa out!!!” Não precisou nem de tradução para entender que os torcedores da Alemanha não queriam a Fifa na festa. E acredito que não são só eles.

Uma pena que tal episódio tenha ocorrido em um jogo tão bom de se ver. O detalhe é que depois de toda a confusão as bandeiras ficaram no estádio. Prova que faltou reflexão na hora de agir. Fica a lição para a próxima: deixa a festa da Copa com a gente, Fifa, que o espetáculo está garantido.

* Thiago Wagner é jornalista do Recife-PE.