Mudar a Copa do Mundo do tradicional período em que ela é realizado, em junho e julho, é um problema tão sério que a Fifa não parece disposta a mexer agora. Em anúncio feito na Inglaterra, o chefe da força-tarefa que analisa a possibilidade de fazer a Copa em um outro período do ano, xeique Salman Bin Ibrahim Al Khalifa, disse que a decisão só será tomada no primeiro trimestre de 2015, não mais no final de 2014, como antes. A explicação não foi dada, mas não é difícil entender. A Fifa não tem uma solução para esse que é um grande problema.

Leia mais
>>> As implicações políticas da Copa de 2022 no inverno
>>> Denúncias da Anistia Internacional no Catar constrangem Fifa
>>> Inspetor colocou Catar como “alto risco” para 2022, mas Fifa ignorou

“Há muitos parceiros que precisamos sentar, conversar e encontrar a melhor solução e eu tenho certeza que esta decisão não será tomada antes do primeiro trimestre de 2015”, disse Salman, que é do Barein e, mais do que isso, é presidente da Confederação de Futebol da Ásia (AFC). “A decisão é olhar as possibilidades de momento, enquanto falamos, a data ainda é junho e julho, mas o foco da força-tarefa é olhar para as outras opções e suas preocupações que alguns devem ter”, afirmou ainda o dirigente.

A possibilidade da Copa deixar o Catar é rechaçada pelo presidente da AFC. “Nossa posição é clara. O Catar ganhou a Copa, ele deveria fazê-la. Foi dada com total conhecimento das condições. O caderno de candidatura continha como eles lidariam com essas condições e qual é a situação atual. A campanha inteira foi sobre como lidar com o calor no verão”, justificou Salman.

O dirigente estava no Barein para assinar um acordo de cooperação com a Premier League. Será necessário o apoio de ligas pesadas como a inglesa para qualquer mudança. Por isso, o apoio será fundamental. E dificilmente as ligas aceitarão mudar o período da Copa do fim para o meio da temporada. Esse é um dos nós dessa questão. “Se alguma coisa irá mudar, todo que eu posso dizer é que isso é complicado e complexo, todos os fatores precisam ser olhados e pesados, podemos nos acalmar e olhar para isso apropriadamente?”, declarou ainda o dirigente do Barein.

A questão ainda terá muitos capítulos pela frente.