Mohammed Bin Hammam, ex-presidente da confederação asiática (Foto: AP)

A Fifa tem argumentos de sobra para tirar a Copa do Catar. Basta querer

Não precisava, já havia mais do que o bastante, mas o presidente da Fifa, Joseph Blatter, ganhou mais um forte argumento para tirar a Copa do Mundo de 2022 do Catar. O jornal Sunday Times publicou neste domingo uma reportagem em que acusa Mohammed bin Hammam de gastar mais de R$ 11 milhões em propinas para garantir a vitória do pequeno país do Oriente Médio.

Leia mais: Com FBI e suborno de ex-vice-presidente da Fifa, Copa no Catar fica cada vez mais improvável

Segundo a reportagem, que teve acesso a milhares de e-mails, que também foram vistos pela emissora de televisão britânica BBC, Bin Hammam fez depósitos de até R$ 450 mil para 30 presidentes de federações da África que pressionaram os quatro africanos do comitê executivo a votarem no Catar, derrotando as candidaturas de Estados Unidos, Austrália, Japão e Coreia do Sul.

Também menciona um pagamento de R$ 2,2 milhões para uma conta controlada por Jack Warner, o ex-presidente da Concacaf, que renunciou depois de um escândalo de compra de votos nas eleições presidenciais da Fifa de 2011. Isso corrobora uma informação do Telegraph, que também acusou Warner de receber propina para ajudar a candidatura do Catar.

O investigador independente Michael Garcia já estava investigando as eleições do Catar – e também da Rússia, em 2018 – e agora deve intensificar o seu trabalho. Caso encontre provas substanciais, terá a atenção da Fifa e uma nova votação é muito provável. “Não teria nenhum problema se a recomendação fosse uma nova eleição”, disse o vice-presidente da entidade Jim Boyce à BBC. “O comitê executivo da Fifa está apoiando Garcia 100%. Ele vai conversar com qualquer um ao redor do mundo para completar a sua missão”.

As suspeitas de corrupção existem desde que o Catar foi escolhido como sede. Se a Fifa fosse uma entidade realmente séria, teria iniciado uma investigação profunda e criteriosa no momento em que baniu Bin Hammam do futebol, depois que ele tentou se eleger presidente comprando votos. Outra deixa foi quando e-mails entre o secretário-geral Jérôme Valcke e Jack Warner foram divulgados, nos quais o francês diz que “Bin Hammam pensa que pode comprar a Fifa como comprou a Copa”.

>>>> Jack Warner diz que Qatar comprou a Copa do Mundo
>>>> Jack Warner diz que “tsunami” atingirá Fifa nos próximos dias
>>>> Valcke afirma que e-mail a Warner foi “mal interpretado”
>>>> Fifa diz ter provas contra Bin Hammam e Warner

Blatter já admitiu que dar a Copa para o Catar foi um erro. Não se referia aos problemas de corrupção, mas principalmente ao duro e quente verão catariano, bem na época do torneio. Transportá-la para o inverno do hemisfério norte seria um problema talvez maior do que fazer outra eleição. Mexeria no calendário de várias competições e irritaria mutas federações nacionais.

Calor, corrupção, e trabalho escravo. O jornal The Guardian publicou também que as obras do Mundial têm centenas de operários do Nepal em condições análogas à escravidão. Estima-se que cerca de 200 imigrantes desse país morreram ano passado por causa das obras.

Blatter e o comitê executivo provavelmente vão tomar uma decisão apenas depois da Copa do Mundo de 2014. Nos bastidores, fala-se que o suíço votou nos Estados Unidos e nunca foi muito entusiasta de uma Copa do Mundo no Catar. Só que realizar novas eleições colocaria em xeque o processo de escolha de sedes da Fifa. Por outro lado, a favor do suíço, seria um golpe duro no francês Michel Platini, presidente da Uefa e principal adversário de Blatter no próximo pleito da Fifa.

Os argumentos existem, são mais do que o suficiente. Basta Blatter avaliar as vantagens políticas e ter vontade que a Copa do Mundo sai do Catar.

Atualizada às 15h14: Em nota, os organizadores da Copa do Mundo do Catar voltaram a negar qualquer irregularidade na candidatura e disseram que Bim Hammam nunca teve um papel, oficial ou não oficial, na tentativa do país de sediar o Mundial de 2022.

Você também pode se interessar por:

>>>> Fifa investiga escolha das sedes das Copas de 2018/2022
>>>> Blatter jogou semente para tirar Copa de 2022 do Catar
>>>> Acusação de trabalho escravo põe Catar-2022 em risco
>>>> As implicações políticas da Copa de 2022 no inverno