Perto de completar dois meses na Internazionale, Luís Figo comentou a respeito do novo ambiente, em entrevista publicada hoje no jornal Gazzetta dello Sport. Porém, o destaque foi para suas críticas ao seu ex-clube.

Figo afirmou que o clube espanhol se preocupa mais com o aspecto econômico do que com o desempenho dentro de campo. “Em Madri, a filosofia mais importante provavelmente não é vencer, mas levar para fora o nome do Real. Por isso, eles criaram algo astronômico, quase monstruoso”.

Para o meia, o marketing em cima do clube merengue assusta. O clube faz com freqüência excursões pela Ásia em sua pré-temporada. “O marketing funciona se o time vence. Se ele ficar três ou quatro anos sem ganhar, a demanda diminui também no Japão e na China”. Na Inter, ao contrário, ele “encontrou um ambiente fantástico. Normalmente, quando o time não conquista títulos há alguns anos, é mais fácil encontrar problemas e tensões”.

O português também reclamou de Luxemburgo, com quem passou maus momentos. “A um jogador de 32 anos, no mínimo você deve explicar porque não o coloca em campo. Ele me pediu para jogar de qualquer maneira, depois me colocou no banco sem dar nenhuma explicação. Naquele momento nossa relação ficou comprometida”. Um dos motivos mais fortes pelos quais Figo decidiu sair do Real Madrid foi o relacionamento com o treinador.

Questionado se ele sente saudades de Madri, Figo foi breve: “Foram anos belos, mas agora sou feliz aqui”.