Foi quase, mas está difícil de segurar o Bayern – ainda mais com Schweinsteiger voando

Hoje não, hoje não? Hoje sim. O Mainz parecia ter condições de interromper a série de 17 vitórias consecutivas do Bayern de Munique. Tinha ótima atuação na Coface Arena e chegou até mesmo a carimbar o travessão de Manuel Neuer, em um chutaço de Eric Maxim Choupo-Moting. Mas o sonho só durou até os 37 minutos do segundo tempo. Diante do suado empate por 0 a 0, o Bayern de Munique tirou forças do banco de reservas para vencer por 2 a 0.

Apesar da derrota, o destaque da partida foi o goleiro Loris Karius. Dizer que a escola alemã produz ótimos arqueiros é até clichê, mas o garoto de 20 anos é um bom nome a se observar. Demonstrou personalidade e segurança, realizando quatro defesas sensacionais para segurar o Bayern – em especial, uma em cabeçada de Mario Mandzukic, espalmando para escanteio. Porém, a resistência parou quando Bastian Schweinsteiger apareceu para decidir.

O meio-campista sempre foi essencial no time, mas suas qualidades ofensivas têm sobressaído após seu retorno de lesão, em fevereiro. Desde que retomou a posição entre os titulares, são duas assistências e três gols em cinco partidas – e isso para um meio-campista que está mais encarregado a equilibrar o time do que a atacar. Foi o camisa 31 quem desafogou o Bayern ao abrir o placar, completando de cabeça o cruzamento de Xherdan Shaqiri, que saíra do banco. E foi Mario Götze, que também começou na reserva, quem definiu o placar, aproveitando o passe de Franck Ribéry após bobeira da defesa adversária.

Que nada tira o título do Bayern, isso já é sabido faz tempo. O fato agora é que os bávaros já podem levantar a Salva de Prata no próximo final de semana. Para tanto, basta vencerem o Hertha Berlim no sábado, dentro do Estádio Olímpico, e contarem com um tropeço do Borussia Dortmund, que faz o clássico contra o Schalke 04 no Signal Iduna Park. Nada tão complicado, ainda mais para um time que soma espantosos 94,8% de aproveitamento e pode se sagrar campeão com sete rodadas de antecedência – batendo o próprio recorde da temporada passada, quando se coroou cinco rodadas antes do fim da Bundesliga.