Benzema foi a estrela do jogo contra Honduras (AP Photo/Jon Super)

França 3×0 Honduras: Se a França precisava de uma estrela, Benzema brilhou

As preocupações que rondaram a França desde que foi anunciado o corte de Franck Ribéry aconteceram, na maior parte das vezes, porque o jogador do Bayern de Munique era o grande nome da seleção comandada por Didier Deschamps e um dos principais jogadores europeus dos últimos dois anos. As preocupações são justificadas e inevitavelmente ele fará falta. Sem ele, cabia a outra estrelar assumir o posto de grande jogador do time. O papel nunca caiu tão bem em Benzema, que viveu bons e maus momentos com a camisa azul. Na sua estreia em Copas do Mundo, o atacante do Real Madrid foi decisivo como se esperava e ajudou a decidir com tranquilidade um jogo que a França era a favorita. Os 3 a 0 contra Honduras tiveram a participação do atacante em todos os gols.

No primeiro tempo, o roteiro pareceu que poderia ser dramático para a França. A começar pelo fato do hino não ter sido executado por um problema técnico no som do Beira-Rio. Um pecado, já que a Marselhesa é um dos hinos mais bonitos de se ouvir. Em campo, a França teve domínio da partida desde o início, chegando ao ataque em muitos momentos. Foram duas bolas na trave no início do jogo, primeiro com Matuidi, em um belo chute, depois em cabeçada de Griezmann. A etapa inicial caminhava para o fim e o gol não saía.

O jogo teve uma faísca de cenas lamentáveis. Wilson Palacios, jogador que parece ter levado o Stoke City, seu clube, para o estádio Beira-Rio, foi violento em uma jogada com Pogba, que reagiu. O que parecia que resultaria em uma expulsão de ambos ficou só no amarelo – um acerto do árbitro Sandro Meira Ricci no jogo, o primeiro de muitos, o que é até estranho dizer. Antes que o drama ganhasse força demais, Palacios ajudou. Fez um pênalti estúpido, bem marcado pelo juiz, que Benzema converteu. E ainda foi expulso pelo segundo amarelo. Uma tranquilidade que no segundo tempo foi confirmada.

Confirmada pela tecnologia na linha do gol, finalmente testada em um lance difícil. Benzema finalizou e o goleiro hondurenho tirou a bola de dentro. A tecnologia sinalizou gol ao árbitro, que validou o gol. No replay já dava para ver que a bola tinha entrado, mas a tecnologia já vale a pena para evitar que houvesse uma discussão enorme em cima de um lance que, no fim, é para ser simples. Gol confirmado, mas não para Benzema: foi dado como gol contra do goleiro Valladares.

A grande atuação de Benzema se confirmou um pouco depois, quando ele marcou o seu segundo gol no jogo e fechou o placar em 3 a 0. A França precisa de um jogador de decisão, aquele a quem os outros jogadores procurarão em um momento que é preciso. Aquele jogador para quem se toca em um momento que a bola está queimando no pé. Benzema tem experiência o suficiente para ser esse cara. A estreia contra Honduras foi boa para dar confiança. O desafio será bem mais difícil contra Equador e Suíça, e mais ainda na próxima fase, que a França deve se classificar. Aí é que veremos se o camisa 10 pode ser o cara que decide os jogos para a França. Pela temporada e pela qualidade que tem, ele pode fazer isso.

FICHA TÉCNICA

FRANÇA 3X0 HONDURAS

FRANÇA

França

Hugo Lloris; Mathieu Debuchy, Raphael Varane, Mamadou Sakho e Patrice Evra; Yohan Cabaye (Rio Mavuba, 20’/2T), Paul Pogba (Moussa Sissoko, 12’/2T) e Blaise Matuidi; Mathieu Valbuena (Oivier Giroud, 33′/2T), Karim Benzema e Antoine Griezmann. Técnico: Didier Deschamps

HONDURAS

Honduras escudoNoel Valladares; Brayan Beckeles, Víctor Bernárdez (Ósman Chávez, intervalo), Maynor Figueroa e Emilio Izaguirre; Andy Najar, Wilson Palacios, Luis Garrido, Roger Espinoza; Carlo Costly e Jerry Bengtson (Óscar García, intervalo). Técnico: Luis Suárez

Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre
Árbitro: Sandro Meira Ricci (BRA)
Gols: Benzema, 45′/1T, Valladares (contra), 3′/2T, Benzema, 27′/2T
Cartões amarelos: Evra, Palacios, Pogba, Cabaye, García, Garrido
Cartões vermelhos: Palacios

OS GOLS

45’/1T: GOL DA FRANÇA!
Wilson Palacios atropelou Pogba com vontade, muita vontade mesmo. A arelo para ele, que já tinha um e, assim, foi expulso. Benzema cobrou com categoria e marcou.

3’/2T: GOL DA FRANÇA!
Em um lance pela esquerda, bola para Benzema, que finalizou, a bola bateu na trave, o goleiro tentou tirar, mas ela entrou. O árbitro Sandro Meira Ricci confirmou o gol, avisado pela tecnologia da linha do gol, usada em um lance polêmico pela primeira vez. O gol, porém, foi dado contra para o goleiro Valladares.

27’/2T: GOL DA FRANÇA!
Depois de uma cobrança de escanteio, chute de fora da área que Evra desviou, a bola sobrou para Benzema, que encheu o pé para, desta vez sim, estufar a rede e sair para comemorar. Fechou a conta em Porto Alegre.

O CARA

Benzema sem dúvida foi o grande nome da França no jogo. A atuação decisiva é o que a França espera do seu camisa 10, que é o centroavante do time e um atacante com muitas qualidades técnicas. Em sua estreia nas Copas do Mundo (sim, ele foi deixado de lado em 2010 pelo técnico Raymond Domenech), marcou dois gols, que poderiam facilmente ser três se a arbitragem desse o segundo gol para ele. Foram sete chutes a gol do atacante, de longe o que mais chutou na partida. Foi perigoso e participativo. É verdade que a defesa de Honduras não parece ser um teste de verdade, mas então a França fez o papel que precisava.

A TÁTICA
Escalações iniciais de França e Honduras

Escalações iniciais de França e Honduras

O esquema com três atacantes da França foi bem usado. Valbuena e, principalmente, Griezmann foram bem no jogo, dando opções de ataque e causando perigo à defesa adversária em jogadas pelos lados do campo. Benzema, centralizado, se aproveitou das boas jogadas criadas pelo time assim. Honduras tentou se fechar com as famosas duas linhas de quatro, mas foi mal nisso. Não conseguiu fechar os espaços nos lados, a grande vantagem desse sistema tático, e viu a França construir boa parte do seu jogo ali.

A ESTATÍSTICA

21

Número de chutes a gol da França na partida. Uma pequena amostra do domínio francês no jogo. Os franceses pressionaram muito e poderiam até ter feito mais gols.