Gael García Bernal é um dos atores latinos mais notáveis em Hollywood. Assim como um dos que mais expõem sua paixão por futebol. Em ‘Diários de Motocicleta’, um de seus filmes mais notáveis, o mexicano chega até a bater uma bolinha na pele de Che Guevara. Mais do que isso, ele é figurinha carimbada nos jogos do Pumas UNAM nos jogos do Campeonato Mexicano. E também tem uma tese relacionada com futebol para explicar algumas particularidades do cinema: “A teoria Cristiano Ronaldo da interpretação”.

Bernal explicou sua visão em entrevista dada ao jornal espanhol El País: “Há atores muito, muito bons, que se interessam unicamente pelo personagem. Fazem filmes que não terão essa relevância, que não vão perdurar; soa mal, mas sim, para mim é a parte mais superficial de uma interpretação. Não tem nada de ruim, mas, no final das contas, você não está contribuindo para ser participante de tudo. Eu me inclino mais por fazer bons filmes. Ofereceram-me personagens excelentes que recusei fazer por não estar convencido de que o filme seria tão bom. Cristiano Ronaldo é esse tipo de jogador, prefere fazer o gol em vez de pensar no resultado final do time”.

Não é um tipo de afirmação que agrade muito os fãs de Cristiano Ronaldo ou os torcedores do Real Madrid. E que, analisando friamente, não condiz mais tanto com a realidade do camisa 7. O craque teve suas rusgas e crises de individualismo no Santiago Bernabéu, mas já parece assunto superado. Afinal, somando Liga dos Campeões e Campeonato Espanhol, é o terceiro com mais assistências, 11 no total, atrás apenas de Ángel Di María e Gareth Bale. Além disso, não dá para culpá-lo por ser “fominha” quando se tem um poder de definição igual o dele. E, pelo menos na Champions, são exatamente os gols de Ronaldo que vão fazendo os resultados do time.

E cabe lembrar: o próprio Gael García Bernal já atuou como Cristiano Ronaldo em uma peça de publicidade. Foi em um comercial da Nike às vésperas da Copa de 2010, ‘Escreva o futuro’, no qual o gajo aparecia na estreia de seu próprio filme no cinema, com o mexicano sendo protagonista. Será que nesse caso Bernal aceitou o papel pela importância do personagem ou pelo resultado final?