Pode ter sido a velocidade de Yilmaz, a presença de área de Drogba ou os passes de Sneijder, mas alguma coisa assustou José Mourinho. O Chelsea entrou em campo na Turquia, contra um Galatasaray que não trata a bola tão bem quanto ele, com uma vontade louca de empatar. E conseguiu. Levou para Londres o placar de 1 a 1. Para avançar às quartas de final, basta não sofrer gols em Stamford Bridge.

Talvez tenha sido apenas o hábito que o técnico português tem de  encarar o futebol de forma pragmática. A sua primeira passagem pela Inglaterra foi assim. Vitórias magras, jogos amarrados, defesas fortes e dois títulos nacionais seguidos. No Real Madrid, Pepe virou volante porque era necessário marcar Messi. Na Inter de Milão, Eto’o virou quase um segundo lateral porque era necessário marcar o time inteiro do Barcelona.

Qual o sentido de correr riscos, em um jogo eliminatório, na casa do adversário, seja ele quem for? Mourinho avaliou que era melhor deixar a bola nos pés do Galatasaray porque, francamente, quando não é Sneijder que toca nela, pouca coisa acontece com o time de Roberto Mancini. O meio-campo estava formatado para o contra-ataque. Hazard voaria pela esquerda, Ramires e Willian pela direita, e Schürrle encostaria em Torres pelo meio.

Ainda dava para apostar em Fernando Muslera. O goleiro, todo atrapalhado, saiu do gol para cortar um lançamento e chutou fraco, nos pés de Willian, que quase o encobriu. Pouco depois, outra vez, o uruguaio não conseguiu ficar parado e, estabanado, tentou fechar o ângulo de Azpilicueta. O lateral simplesmente rolou a bola para Fernando Torres, que desta vez não conseguiu perder o gol.

A proposta, que já era jogar nos contra-ataques, ficou ainda mais clara depois que o espanhol abriu o placar. O Galatasaray ficou tocando a bola de um lado para o outro e não conseguia achar os espaços. O Chelsea não permitia. As duas linhas estavam muito próximas, e Schürrle e Torres também recompunham. Drogba mal tocou na bola, deu um único chute a gol e ainda foi substituído no segundo tempo.

O time da casa ameaçava em chutes de longa e média distância, mas Petr Cech não deixou os torcedores ingleses ficarem sobressaltados. Sempre seguro, fez boas defesas, encaixou foguetes que vieram do além, e mostrou que os reflexos estão em dia. Vacilou um pouco no gol de Chedjou, não que tenha sido uma falha. Chegou a sair do gol, mas hesitou. Se estivesse debaixo das traves, poderia ter executado um milagre, mas a culpa fica com John Terry, que não acompanhou o zagueiro e o deixou livre dentro da pequena área.

Em uma rodada de oitavas de final em que todos os confrontos estão praticamente definidos, este segue aberto. Mourinho foi para a Turquia em busca de um empate e voltou com a missão cumprida. Ainda precisa vencer em Stamford Bridge ou empatar sem gols. Não conte com um jogo aberto na perna de volta. O Chelsea vai, provavelmente, entrar em campo para fazer o que é necessário.

Formações iniciais

campinho galatasaray e chelsea

Destaque do jogo

Torres foi o atacante que mais tentou fazer gol, tanto que conseguiu um, o que deu ao Chelsea a tranquilidade de se defender sem grandes problemas. Segurou a bola na frente quando precisou e ainda ajudou na marcação. Boa atuação do centroavante.

Momento chave

O gol de Torres permitiu que o Chelsea reforçasse a sua proposta de explorar os contra-ataques. A partir dos 9 minutos, ficou ainda mais difícil para o Galatasaray furar a defesa inglesa.

Os gols

9′/1T – GOL DO CHELSEA!  Contra-ataque rápido do Chelsea, Azpilicueta cai pela esquerda e cruza rasteiro para Torres empurrar para as redes

19′/2T – GOL DO GALATASARAY! Sneijder cobrou escanteio dentro da área, Terry não acompanhou Chedjou, e o zagueiro empurrou para as redes

Ficha técnica

GALATASARAY 1 X 1 CHELSEA

Galatasaray_escudo Galatasaray
Fernando Muslera; Emmanuel Eboué, Aurelien Chedjou, Hakan Kadir Balta (Semih Kaya, 1′/2T) e Alex Telles; Felipe Melo, Selcuk Inan, Izek Hajrovic (Yekta Kurtulus, 31′/1T) e Wesley Sneijder; Burak Yilmaz e Didier Drogba (Umut Bulut, 35′/2T). Técnico: Roberto Mancini
Chelsea Chelsea
Petr Cech; Branislav Ivanovic, Gary Cahill, John Terry e César Azpilicueta; Ramires, Frank Lampard, Andre Schürrle (John Obi Mikel, 22′/2T), Eden Hazard (Oscar, 45′/2T) e Willian; Fernando Torres (23′/2T). Técnico: José Mourinho
Local: Turk Telekom Arena, em Istambul (TUR)
Árbitro: Carlos Velasco Carballo (ESP)
Gols: Fernando Torres, aos 9′/1T; Aurelien Chedjou, aos 19′/2T
Cartões amarelos: John Terry, Andre Schürrle, Ramires e Petr Cech (Chelsea); Selcuk Inan (Galatasaray)
Cartões vermelhos: não houve