Aleks Meiklejohn não experimentou a alegria que esperava em sua primeira Copa do Mundo. O garotinho escocês de seis anos acompanhou o pai e a mãe à Rússia. Ele torciam para a Polônia, país natal de Iwona, a mãe de Aleks. E, bem, o desempenho da seleção polonesa passou distante do que se esperava no Grupo H. A eliminação acabou consumada logo na segunda rodada, na derrota diante da Colômbia. Com o revés, o garoto caiu em prantos nas arquibancadas em Kazan. Foi quando o espírito de fraternidade, que domina os estádios durante o Mundial, proporcionou uma cena belíssima: torcedores colombianos próximos ao pequeno escocês passaram a gritar por ‘Polska!’, tentando fazê-lo sorrir.

As imagens do apoio dos cafeteros viralizaram pelas redes sociais. E o guri de seis anos, nesta semana, recebeu uma notícia para se animar: ele e seus pais poderão assistir à final da Copa do Mundo, em Moscou. A Fifa lançou um concurso chamado “RivalHug”, em que a melhor cena de irmandade entre torcidas poderia render as entradas. Iain Meiklejohn inscreveu o vídeo e o choro do garoto sensibilizou os avaliadores. A família, que já havia voltado à Escócia, viajará novamente à Rússia com tudo pago, para ver o campeão de consagrar no gramado do Luzhniki.

“A coisa toda se transformou. É incrível. Aleks ficou chateado com a eliminação na Copa, mas os torcedores colombianos começaram a se reunir ao nosso redor, gritando ‘Polônia’, nos dando chapéus, cachecóis, tapinhas nas nossas costas. Eles são fantásticos, a melhor torcida que eu já vi. Minha esposa pegou o celular e fez o vídeo. Durante a noite, ele explodiu e se transformou em viral. É surreal”, contou Iain, em entrevista à BBC Scotland.

Aleks estava no mercado com a mãe quando recebeu a notícia. “Aparentemente ele ficou maluco, estava correndo para cima e para baixo nos corredores, dizendo a todos que vai à final da Copa. Isso torna tudo ainda mais especial”, relata o pai. Uma pena que os colombianos também não possam desfrutar deste prazer, depois de tudo o que fizeram. Mas merecem o reconhecimento pela solidariedade muito acima dos estereótipos. O futebol ajuda a escancarar estes bons sentimentos.