Na última entrevista concedida antes de sua morte, o ex-atacante norte-irlandês George Best se disse satisfeito com a vida que levou. “Tive uma vida muito boa”, disse o ídolo inglês, falecido nesta sexta-feira, à revista italiana L’Espresso. A entrevista foi realizada há algumas semanas em Monte Carlo, em Mônaco, pouco antes de seu retorno a Londres para a internação no hospital Cromwell.

“Não poderia ter feito mais nada. Eu talvez pudesse jogar por mais tempo com alguma qualidade, mas fui para os Estados Unidos. Fiquei lá por oito anos e me diverti bastante”, afirmou Best. “Joguei 12 anos pelo Manchester United e ganhei tudo o que podia.”

Ácido como de costume, Best aproveitou para criticar o futebol inglês da atualidade. “Quando comecei, a Inglaterra era um lugar fantástico. As pessoas começaram a usar cabelos compridos – eu inclusive –, a música era fabulosa, a moda era maravilhosa e até mesmo o futebol inglês não era nada mal. Ganhamos a Copa dos Campeões em 1968 e cada ano um time diferente ganhava o campeonato inglês. Hoje só tem o Manchester United, o Chelsea e o Arsenal. Que monótono…”

George Best, ídolo máximo do Manchester United e considerado na Inglaterra o maior jogador da história do país, faleceu nesta sexta-feira, em Londres, por falência múltipla dos órgãos. O ex-jogador estava internado no hospital Cromwell para tentar se livrar dos problemas de saúde decorrentes do alcoolismo.