Giuliano não se cansou de destruir nesta Liga Europa. O brasileiro consegue ser, ao mesmo tempo, artilheiro e líder em assistências no torneio. Nesta quinta, de novo doutrinou em campo. No entanto, pela última vez na atual edição da competição. O Zenit acabou eliminado, apesar dos dois gols e da assistência do meia. Melhor para o Anderlecht, que balançou as redes aos 45 do segundo tempo e, com a derrota por 3 a 1, se classificou graças ao tento anotado fora de casa, depois de ter vencido a ida em Bruxelas por 2 a 0.

Diante da pressão pelo resultado, Giuliano logo apareceu. Aos 24 minutos, fez grande jogada dentro da área, puxando para tirar o goleiro e zagueiro, antes de fuzilar. Placar aberto em São Petersburgo. Já na segunda etapa, mais lances decisivos do camisa 7. Primeiro, participou da ótima construção coletiva que permitiu a Artem Dzyuba ampliar a diferença, invertendo neste momento o placar da ida. E, aos 33, o brasileiro anotou aquele que ia sendo o gol da classificação, completando dentro da área o cruzamento de Dzyuba.

Entretanto, o Zenit diminuiu o ritmo justamente quando não podia fazer isso. Sofreu o gol da eliminação aos 45 do primeiro tempo. Bola cruzada na área, que Bram Nuytinck escorou e Isaac Thelin cabeceou para o fundo do gol, com enorme liberdade da defesa. Nos acréscimos, os russos ainda tentaram recobrar o prejuízo e até o goleiro Yuri Lodygin subiu ao ataque. Não adiantou, com a dolorida queda quando a vaga nas oitavas parecia certa.

Giuliano se despede da Liga Europa como o melhor jogador da competição, com sobras. Tem oito gols, empatado com Edin Dzeko na artilharia, e seis assistências, duas a mais do que qualquer outro atleta. As atuações individuais, todavia, foram insuficientes quando o coletivo não funcionou tão bem. Melhor para o Anderlecht, que superará os 400 jogos em copas europeias.