O duelo entre Alemanha e Noruega em Stuttgart, pelas Eliminatórias da Copa, era especial para alguns jogadores do Nationalelf. Sete convocados jogaram pelo Stuttgart em momentos anteriores da carreira e fizeram da Mercedes-Benz Arena a sua casa: Sami Khedira, Mario Gómez, Bernd Leno, Joshua Kimmich, Antonio Rüdiger, Sebastian Rudy e Timo Werner. Dentre estes, poucos tiveram uma relação tão forte com os alvirrubros quanto Khedira. Nascido na cidade, o meio-campista chegou às categorias de base aos oito anos e se transformou em ídolo da torcida, um dos pilares na conquista da Bundesliga 2006/07. Graças ao clube, se projetou à seleção e disputou sua primeira Copa do Mundo, antes de encontrar novos rumos. Mas a gratidão permanece.

Na volta para a sua cidade, Khedira foi capaz de um grande gesto. O jogador da Juventus bancou ingressos para 1,2 mil crianças da região, que fazem parte de projetos sociais. A ação acontece junto a 15 instituições de caridade, que trabalham em prol de jovens carentes ou que lutam contra o câncer. Todos eles terão uma oportunidade de se alegrarem e assistirem à seleção, por benevolência de Khedira.

“Queríamos fazer algo bom para a região, dois anos depois de termos realizado um jogo de caridade por aqui. A partida da seleção oferece o cenário ideal para isso. Com a ajuda da minha família, ajudaremos crianças que não poderiam ir ao jogo se não fossem os ingressos doados”, afirmou Khedira, em entrevista ao site oficial da federação alemã. “Será uma partida especial para mim. Eu não jogo no estádio desde 2010. Será definitivamente uma partida que mexerá com as minhas emoções”. Optou dividir estas emoções com outras centenas de pessoas que não se esquecerão do momento e nem da boa ação.

Nas arquibancadas, faixas agradeceram o filho ilustre da cidade: ‘Danke, Sami’. Voltando de lesão, Khedira foi aplaudidíssimo ao sair do banco de reservas e entrar no jogo durante o segundo tempo. A partida seguia em andamento durante a publicação desta nota, com vitória parcial do Nationalelf por 5 a 0.