O Grêmio teve todas as condições de estrear na campanha em que tenta defender o título da Libertadores com uma vitória, mas demorou muito para furar o bloqueio do Defensor e, em um vacilo imperdoável da sua própria defesa, permitiu o empate logo em seguida. Retorna do Uruguai com o empate por 1 a 1. Ponto importante em um grupo que se desenha tranquilo para o atual campeão sul-americano e que, ao mesmo tempo, carrega um sabor de decepção pelo que foi o jogo.

LEIA MAIS: Os 60 anos de Hugo de León, o zagueiro lendário que virou emblema da Libertadores

Os gaúchos tiveram 70% de posse de bola, índice alto até mesmo para uma equipe, como a de Renato Gaúcho, que sabe tocar a bola e gosta de jogar desta maneira. Mas faltaram criatividade e infiltração para transformar o domínio em grandes chances de gol ao longo da partida. Tanto que o Grêmio acertou sete finalizações a gol, apenas duas no primeiro tempo: um chute sem perigo de Ramiro e uma cabeçada de Cícero, ambas defendidas com tranquilidade por Reyes. Um dos raros momentos em que Grohe precisou trabalhar foi aos 7 minutos, em um sem pulo de Rivero da intermediária.

Geromel vacilou no começo do segundo tempo, em uma saída de bola, e foi desarmado. No espaço deixado pelo zagueiro, Cougo se projetou e Grohe interveio para salvar o Grêmio. Os visitantes descobriram o recurso do chute de longa distância e exigiram defesas de Reyes, com Alisson e Cícero, um atrás do outro. Enfim, aos 35 minutos, abriram o placar com Maicon.

O capitão gremista começou a jogada da entrada da área com um passe por elevação para Jael, instrumento para buscar a tal da infiltração que estava faltando. O atacante foi derrubado, mas a bola sobrou para Everton, que marcaria se a zaga do Defensor não tivesse cortado em cima da linha. De qualquer maneira, o rebote caiu com Maicon, que fez 1 a 0.

 

A dez minutos do fim da partida, a vitória do Grêmio estava encaminhada, principalmente porque o Defensor havia ameaçado muito pouco, geralmente em lapsos de concentração dos gaúchos. Em mais um deles, em um imperdoável deles, Maulella ficou completamente livre para cabecear a cobrança de escanteio aberta e acertar o cantinho de Grohe. Geromel quase conseguiu o corte.

 

A outra partida do grupo deu a lógica, com o Cerro Porteño derrotando o Monagas, do Equador. Os paraguaios lideram a chave, com três pontos, contra um do Grêmio e do Defensor. Claro que estamos ainda na primeira rodada, e os brasileiros ainda são favoritos a terminarem a chave como líderes. Mas, nesta terça-feira, perderam a oportunidade de um início um pouco melhor.

MAIS LIBERTADORES

Cinco times além de Brasil e Argentina que podem incomodar nesta Libertadores

Os cinco desafios: Argentinos entram com força e serão barreiras ao Brasil na Libertadores 2018

Que viva la amistad! As alianças fraternais entre clubes da América do Sul

Como chegam os sete clubes brasileiros à fase de grupos da Libertadores 2018

De estudantes a operários, a história de fundação dos 32 clubes da Libertadores 2018