Raramente a terceira divisão escocesa recebeu tantos olhares como agora. O motivo disso chama-se Gretna, que é o líder do campeonato, com o melhor ataque e a defesa menos vazada. Mas o maior feito do time, recentemente, não tem nada a ver com o que já falamos. No dia 25 de fevereiro, o Gretna derrotou o St. Mirren, pela contagem mínima, e garantiu uma vaga na semifinal da Copa da Escócia. Desde 1982 um representante da terceira divisão não alcançava tal façanha.

Nada mal para um clube que até o fim do século XX nem fazia parte da liga escocesa. Como ficava muito perto da fronteira com a Inglaterra, o clube disputava a Unibond League, uma das ligas semiprofissionais inglesas, correspondente à sétima divisão.

Agora, em 2006, o próximo que tentará impedir o avanço do Gretna é o Dundee. Quem for adiante, permanecerá sonhando com o troféu e, conseqüentemente, com um lugar na Copa UEFA. O confronto será realizado no estádio Hampden Park, localizado em Glasgow. Porém, mesmo que o Gretna seja vice-campeão, existe a possibilidade de o vermos disputando a Copa UEFA. Para isso, é necessário que o outro finalista – Hearts ou Hibernian -, seja um dos dois primeiros colocados da primeira divisão.

O Abramovich escocês

Um dos principais responsáveis pela boa fase da equipe tem sido o goleiro Alan Main, de 35 anos. Aliás, ele tem a palavra ‘principal’ no próprio nome. Contratado em abril do ano passado, o experiente camisa 1 atuou em todas as partidas que o Gretna disputou na atual temporada.

Outros que se destacam são Kenny Deuchar e James Grady. Ambos dividem a artilharia da terceira divisão, com 14 gols cada. Deuchar foi o autor do gol inesquecível diante do St. Mirren. Seu companheiro Grady impressiona, assim como Main, pela idade avançada: no dia 14 de março, completou 35 anos.

Todo o elenco é formado por jogadores nascidos no Reino Unido. São escoceses e ingleses. O manager é Rowan Alexander. Atrás deles, ainda há uma outra pessoa de enorme destaque. Brooks Mileson, chamado de Roman Abramovich escocês, é um homem de negócios que comprou o Gretna, em 2002. De lá para cá, Mileson já acompanhou vários feitos dos atletas. No entanto, será difícil que ele veja um placar tão elástico como aquele aplicado em cima do Silloth, no início da década de 60. O Gretna fez simplesmente 20 a 0.

Coleção de recordes

O título da quarta divisão, faturado em 2005, foi, provavelmente, uma das melhores coisas que ocorreram no clube, em todos os tempos. Não bastasse a conquista do troféu e os 100% de aproveitamento como mandante, o Gretna ainda bateu vários recordes da história da competição. As 13 vitórias consecutivas superaram as 11 do Inverness Caledonian Thistle. O já citado Kenny Deuchar se tornou o maior artilheiro de uma só edição, com 24 gols. E os feitos não param por aí. Nenhum time havia somado tantos pontos (98) e marcado tantos gols (130), numa edição.

Até se iniciar a temporada 2004/5, o Gretna vinha passando por um período de ascensão. A arrancada começou quando a equipe ainda participava da Liga Unibond, que reúne clubes do norte… da Inglaterra. É isso mesmo! A pequena cidade de Gretna (aproximadamente 3 mil habitantes) fica muito próxima da fronteira com a Inglaterra e, para economizar com viagens, o time jogou durante décadas em competições inglesas.

O retorno ao futebol escocês foi curioso. A extinção do Airdrie, causada por problemas financeiros, abriu uma vaga na quarta divisão. Então, foi feita uma eleição, para que se decidisse o substituto. Sete eram os candidatos, incluindo o Airdrie United, originado a partir do extinto Airdrie. Os membros da Liga de Futebol Escocesa escolheram o Gretna, que, logo em sua primeira temporada, terminou no 6º lugar. Um ano depois, ficou atrás apenas do Stranraer e do Stirling Albion. O ápice, o leitor já conhece.