Imagine Conca, Elkeson e o esforçado – e desprovido de técnica – Muriqui em seus melhores momentos na carreira. Adicione oito chineses e coloque-os para enfrentar o Bayern Munique. Era evidente que o Guangzhou não poderia superar o gigante alemão nas semifinais do Mundial de Clubes da Fifa. Até Marcello Lippi sabia disso e por esta razão posicionou seu time no campo de defesa, quase dentro da própria meta.

A estratégia do Guangzhou não era nenhum atestado de pequenez, não havia outro jeito de ir para o jogo. Os alemães acertaram a trave chinesa em três oportunidades, mas parecia que o Bayern nem queria golear o adversário, somente vencer o jogo e disputar a final. Entretanto, a equipe europeia, mesmo desfalcada, se aproximava do gol no toque de bola e teve tranquilidade depois de colocar a primeira bola nas redes, já aos 40 minutos da etapa inicial.

O Guangzhou poderia ir para o intervalo com o empate sem gols, mas o goleiro chinês Cheng Zeng, de 26 anos, aceitou o chute rasteiro de Ribéry e pôs tudo a perder. Uma falha grotesca que atrapalhou a estratégia de Lippi… Apesar de ser mais jovem que seus companheiros de posição, Zeng é o titular absoluto no Guangzhou, tendo atuado 43 vezes na temporada – os três jogos restantes tiveram Li Shuai, 31, como dono da camisa número 1.

Zeng é o goleiro do elenco do Guangzhou com mais experiência na seleção (26 partidas), mas não parece dar tranquilidade à boa defesa armada pelo técnico italiano. Talvez fosse a posição de goleiro um bom investimento para a temporada 2014, para que o setor defensivo esteja à altura. Dificilmente o Guangzhou encontrará outro meia da qualidade Conca, enquanto Elkeson tem possibilidade de evoluir.

O clube chinês também pode aproveitar a importância de Marcello Lippi no cenário internacional. Dentro de campo já é possível ver algo de positivo, mas porque o italiano de 65 anos não poderia utilizar sua influência para o Guangzhou disputar torneios amistosos com grandes clubes europeus? Só assim o clube da China deixará para trás o nível do futebol asiático e poderá sonhar com embates menos desiguais com as equipes europeias/sul-americanas.

Faltando pouco mais de um ano para o atual vínculo de Lippi findar (31 de dezembro/2014), o Guangzhou precisar ir além do que mostrou na partida contra o Bayern… Dois míseros chutes a gol, ambos para fora, contra 13 no alvo por parte do time alemão, em 27 oportunidades. Da próxima vez, quem sabe o time chinês não se aproxima mais dos 50% de posse de bola (o Bayern teve 72% de domínio)?

O confronto de terceiro lugar, no próximo sábado, contra o cabisbaixo Atlético Mineiro, é importante para os chineses, mas o clube tem duras decisões a tomar visando à próxima temporada. O objetivo é não cair de patamar.

Orgulho nacional

O Auckland City não conseguiu avançar na fase preliminar do torneio da Fifa, mas a derrota para o Raja Casablanca, no último dia 11, com um gol dos marroquinos aos 47 minutos do segundo tempo (2 a 1), mostrou que os neozelandeses evoluíram. O autor do gol de honra do Auckland, o atacante fijiano Roy Krishna, é a grata surpresa do elenco e pode se dar bem num time profissional da Ásia, caso haja alguém disposto a investir no atleta de 26 anos.

Esta não foi a melhor campanha do Auckland na história do torneio. Em 2009, a equipe venceu o Al Ahli (Emirados Árabes) na fase preliminar, não teve chances diante do Atlante (México) nas quartas de final, mas garantiu o quinto lugar do Mundial de Clubes com um triunfo de 3 a 2 sobre o Mazembe.

Como já acontece com o time da Nova Zelândia, o Auckland receberá atletas do exterior, como espanhóis, argentinos e ingleses, caso se classifique novamente para a competição interclubes. Acaba sendo uma vitrine para eles conseguirem contratos em times profissionais. O saldo do Auckland em 2013 é positivo e digno de orgulho para o país.

A League

- Harry Kewell jogou três das dez partidas do Melbourne Heart, apenas uma como titular. Sua última aparição foi em 15 de dezembro, na derrota de 2 a 1 para o Sydney, com um dos gols anotados por Del Piero. São apenas 119 minutos em campo, pouca ajuda para o clube, que ocupa a laterna da competição, com quatro pontos, atrás do Wellington Phoenix.

- Del Piero, por outro lado, começa bem a temporada, com quatro gols em nove jogos disputados – ficou fora de uma partida. Ainda é pouco para superar Adam Taggart e James Troisi, ambos com seis tentos e líderes na artilharia, mas a fase do atleta de 39 anos é positiva. O Sydney é o terceiro, com 18 pontos, seis a menos que o líder Brisbane Roar.

Iran Pro League

- Com o perdão do trocadilho, a liga iraniana está definitivamente bombástica! Persepolis, Tractor Sazi e Naft Tehran lideram o certame com 33 pontos, separados pelos critérios de desempate – ocupam as três vagas do país na Liga dos Campeões da Ásia 2015. Esteghlal e Foolad aparecem logo atrás, com 32 pontos. O Sepahan, que liderou as três primeiras rodadas, despencou  para o sexto lugar, com 27.

- O pequeno Foolad, campeão uma vez da liga (2004-05), conta com os gols do atacante brasileiro Chimba, 30 anos, ex-Linense. Já são sete, um atrás dos artilheiros, Karim Ansafarid (Tractor Sazi) e Reza Enayati (Saba Qom).

Saudi Pro League

- O Al Fateh levantou a taça inédita na Arábia Saudita em 2012-13, mas passa dificuldades na atual temporada. A equipe está na nona posição, dentre 14 times, com 14 pontos, quatro acima da degola. O único que ainda não venceu é o lanterna Al Nahda, com cinco pontos.

- Jóbson parece estar agradando ao técnico do Al Ittihad, o espanhol Beñat San José. Dos 13 jogos do time, o polêmico atacante jogou dez, oito como titular, sendo três atuando os 90 minutos. Jóbson marcou cinco gols e ficou 671 minutos em campo até agora. O experiente Fernando Baiano, no mesmo time, jogou cinco vezes, enquanto o meia Leandro Bonfim também participou de dez (687 minutos no gramado).

Liga dos Campeões

- Parece que a confederação asiática leu o texto da coluna sobre o Kuwait na Liga dos Campeões. A entidade apresentou mudanças importantes. Na LC, times de Jordânia (Shabab Al Ordon), Omã (Al Suwaiq), Bahrein (Al Hidd), Iraque (Al Shorta), Índia (Pune FC), Cingapura (Tampines Rovers), Hong Kong (South China), Vietnã (Hà Nôi T&T) vão jogar a fase de playoffs, além do Kuwait, com campeão e vice da AFC Cup 2013. Já é alguma coisa.

AFC Cup

- Na segunda divisão da Ásia também tem surpresa. Numa rápida evolução, a confederação asiática permitiu que a Palestina tivesse uma vaga nos playoffs do torneio, ocupada pelo campeão nacional, Shabab Al Dhahiriya. Quirguistão, com o Alay Osh, e Iêmen, com Al Yarmuk  Al Rawda também estão presentes pela primeira vez.

President’s Cup

- Até na última divisão continental tem boa notícia! Pela primeira vez na história, um time da obscura liga da Coreia do Norte jogará um torneio internacional. Ainda não foi definido o campeão – ou pelo menos o mundo ainda não sabe –, mas é um passo sensacional para os comunistas. A triste notícia é que a confederação asiática tem planos de acabar com a competição a partir de 2015…