Como chegou

Campeão africano

Campanhas anteriores

2005 (6º), 2006 (3º) , 2008 (6º) e 2013 (4º)

Aonde pode chegar

Fará um confronto duríssimo contra o Guangzhou Evergrande. Possui mais tarimba na competição internacional, mas uma equipe inferior à dos atuais campeões asiáticos. Se passar, dependerá de um milagre contra o Bayern. E, caso a lógica prevaleça a partir de então, tem boas chances de tentar a vingança contra o Monterrey, que o derrotou na decisão do terceiro lugar em 2012.

Destaque

Mohamed Aboutrika. Entra ano, sai ano, mas o camisa 22 continua sendo o grande craque do Al Ahly. A qualidade técnica do melhor jogador egípcio dos últimos 15 anos é evidente. Cadencia o jogo, tem enorme poder de criação e capacidade de decisão. Não à toa, marcou gols nas duas partidas finais da Liga dos Campeões da África deste ano. E, no Mundial, esteve presente nos 10 jogos de seu clube, artilheiro histórico do certame com cinco gols. Tão importante quanto seu papel na organização do time, é sua liderança. O veterano possui voz ativa dentro do grupo, bem como com a torcida, com a qual estreitou laços após o massacre de Al Masry – quando viu uma pessoa morrer em seus braços e protestou por justiça no processo contra os culpados. Diante do anúncio que irá se aposentar após o torneio, o meia de 35 anos deverá se empenhar ainda mais para deixar uma boa última impressão.

Ponto forte

O entrosamento. O Al Ahly possui um elenco bastante rodado e, ao mesmo tempo, bem encaixado. Pelo poderio do futebol egípcio, o clube consegue manter alguns de seus destaques há anos e, por isso, é tão dominante na LC da África. Dos 25 convocados pela seleção egípcia à repescagem das Eliminatórias da Copa, 11 eram dos Diabos Vermelhos. O grupo perdeu alguns de seus destaques em 2013, como Gedo e Ghaly, mas a maior parte dos atletas tem pelo menos três anos de clube – a exemplo de jogadores importantes, como Ekramy, Gomaa e Moteab. Outro fator que pode ajudar é o fato de que o Al Ahly estará praticamente em casa no Marrocos. Considerando seus 40 milhões de torcedores, não é de se duvidar que a maior massa nas arquibancadas durante o torneio seja sua.

Ponto fraco

A falta de ritmo. Em 2012, a forte preparação visando o Mundial ajudou o Al Ahly a eliminar o Sanfrecce Hiroshima e a dar trabalho ao Corinthians. Porém, dois anos seguidos sem disputar jogos com regularidade, diante da suspensão do Campeonato Egípcio e tendo apenas a Liga dos Campeões como desafio, pesam contra o time do técnico Mohamed Youssef. Poupar-se do cansaço é importante para um elenco com média de idade elevada. O problema é que ficar tanto tempo só treinado atrapalha mais do que ajuda. Os erros da defesa no tempo de bola, em especial nas bolas aéreas e nos contragolpes, são sinais disso – e que aparecem com certa constância. Outro entrave será se virar sem dois jogadores importantes: o defensor Sayed Moawad, lesionado, e o centroavante Ahmed Abdul-Zaher, suspenso por fazer gestos políticos na decisão da LC.

Time-base

campo ahly

Elenco
Nome Pos. País Idade
1 Sherif Ekramy G EGI 30
13 Ahmed Adel Abd El-Moneam G EGI 26
16 Mahmoud Abou El-Saoud G EGI 25
2 Raheel Sabri D EGI 26
3 Ramy Rabia D EGI 20
4 Sherif Abdel-Fadil D EGI 30
6 Wael Gomaa D EGI 38
20 Saadeldin Saad D EGI 24
23 Mohamed Nagieb D EGI 30
24 Ahmed Fathy D EGI 29
7 Ahmed Nabil M EGI 21
8 Shehab El-Din Ahmed M EGI 23
10 Ahmed Shokry M EGI 24
11 Walid Soliman M EGI 29
12 Ahmed Kenawi M EGI 27
19 Abdallah Said M EGI 28
22 Mohamed Aboutrika M EGI 35
25 Hossam Ashour M EGI 27
27 Mahmoud “Trezeguet” Hassan M EGI 19
9 Emad Moteab A EGI 30
17 Amir Gamal A EGI 22
18 Al-Sayed Hamdy A EGI 29
26 Dominique da Silva A MAU 24