Torcida do CRB se empolgou com vitória sobre o São Paulo (Divulgação)

Um roteiro para você acompanhar a Série C

Neste final de semana tem início a disputa da Série C do Campeonato Brasileiro. Por motivos evidentes, a competição não tem a mesma atenção que a primeira divisão ou até mesmo a Segundona. Mas isso não significa que faltem boas histórias, personagens e times a se acompanhar. Durante a semana, relembramos alguns times históricos, apontamos os refugos que estarão nesta edição da Terceira e até apontamos motivos pelos quais cada um dos times merece sua atenção. Desta vez, fizemos um roteiro sintético de cada chave da competição, mostrando para você algumas equipes, jogadores e confrontos para os quais dirigir sua atenção.

>>> Tema da semana: Por que você precisa acompanhar a Série C

Daqui para o final da Série C, é claro que muita coisa nova irá acontecer, novos personagens irão surgir e diferentes times irão se destacar. E, conforme isso for acontecendo, a Trivela trará para você as principais histórias. De qualquer maneira, no modo como o torneio começa, esses são os jogadores e clubes aos quais deverá valer a pena ficar atento.

GRUPO A
O clássico

Botafogo da Paraíba  x Treze

As últimas edições do Campeonato Brasileiro programaram partidas entre rivais e times das mesmas regiões para as rodadas finais do torneio. A Série C pensou no inverso. Começa sua disputa com um final de semana cheio de bons jogos. Logo no início, podemos ter o gostinho de apreciar o Clássico Tradição. Se você é daqueles ligados a superstição, o último confronto entre os dois em uma Terceirona aconteceu há exatos 13 anos. Apesar da coincidência contar para o lado do Treze, a vantagem histórica em competições fora do âmbito estadual é mesmo do Botafogo, mas mínima: sete vitórias contra seis, além de sete empates.

Em meio a toda a confusão do Paraibanão, que teve seu início adiado por problemas com estádios e alguns jogos remarcados ao decorrer da disputa pela mesma razão, ambas as equipes fazem boa campanha. A três rodadas do fim do segundo turno, que garante duas vagas para as semifinais do Estadual, Botafogo aparece na terceira colocação (16 pontos), enquanto o Treze é o quarto (com 15). No entanto, os dois têm uma partida a menos que Campinense (21 pontos)  e Sousa (18 pontos), que lideram. Como a disputa nesta reta final será embolada, o clássico entre os dois na primeira rodada da Série C terá importância tripla: largar bem na disputa, ganhar ânimo para os últimos jogos do Paraibano e, claro, vencer um rival.

O momento, sobretudo regionalmente, é mais favorável ao Treze. O Bota estava na quarta divisão e, embora tenha conseguido o acesso com o título, não pode ser comparado ao time de Campina Grande, que, em 2013, foi o quinto colocado da Terceirona. Mas isso baseando-se apenas no que os dois fizeram no ano passado. Assim como o clássico na primeira rodada pode ser um combustível para os dois no Paraibanão, uma boa reta final no estadual também pode mudar algumas coisas para a disputa da Série C.

O cara

Robert (Fortaleza)

Quem é o jogador com mais gols no Brasil em 2014? Luis Fabiano, com sua média incrível no Paulistão, ou Hernán Barcos, que finalmente desandou a balançar a rede no Grêmio? Nenhum dos dois. Aliás, eles estão relativamente longe do verdadeiro artilheiro do país neste semestre. Robert, do Fortaleza, já comemorou gols em 21 oportunidades neste ano, ajudando o Leão na boa campanha feita no Estadual. O Fortaleza acabou derrotado pelo Ceará na final, mas o desempenho do time e de Robert não podem ser esquecidos. O candidato à artilharia da Terceira deve ser um dos principais trunfos do time cearense no Grupo A da competição.

O favorito

Fortaleza

Em um campeonato estadual que contava com duas equipes da Série B, o Fortaleza foi o que mais se destacou. É verdade que não terminou com o título, mas o desempenho da equipe ao longo do torneio foi superior a qualquer outro time. Na primeira fase, não foi derrotado uma vez sequer e conseguiu 13 vitórias em 16 jogos. No hexagonal final, que também tinha Ceará e Icasa na briga, foi derrotado apenas uma vez em dez partidas, justamente pelo maior rival, e foi também o líder. É bom ressaltar que, apesar de ficar com o vice, não foi derrotado na decisão. Os dois jogos contra o Vozão terminaram em empates sem gols.

Some essa bela campanha ao desempenho de Robert, artilheiro do Brasil no ano, e à ótima fase de Marcelinho Paraíba, que, mesmo jogando mais recuado já balançou as redes 12 vezes em 2014, e você tem o time teoricamente mais forte do Grupo A da Terceirona. A média de gols do Leão na primeira fase foi de três gols por jogo, o que já deve estar deixando preocupadas algumas das defesas adversárias. Desde 2010 na Série C, talvez esta seja a melhor oportunidade para o Fortaleza retornar à segunda divisão.

Torcida do Fortaleza (Marília Camelo/arquivo)

Torcida do Fortaleza (Marília Camelo/Diário do Nordeste)

Fique de olho

CRB

O CRB foi líder de seu grupo na fase regular do Campeonato Alagoano, com seis vitórias e apenas uma derrota em dez jogos. Na semifinal da competição, passou pelo ASA de Arapiraca e agora decidirá o torneio contra o Coruripe, a partir deste final de semana. Apesar de não ser o favorito em sua chave na Série C, está entre os mais fortes. Sua maior prova de poder foi a vitória sobre o São Paulo no meio desta semana, pela Copa do Brasil. Apesar de o Tricolor ter tido um desempenho aquém do esperado, o desempenho do time alagoano precisa ser destacado.

O CRB está sempre atento aos atalhos que se apresentam em um jogo duro. Apesar da fragilidade técnica em comparação ao São Paulo, soube aproveitar as desatenções dos paulistas e buscou os gols que deram a virada por 2 a 1. Esse tipo de virtude é vital para uma boa campanha em um campeonato de tiro longo. A questão é se conseguirá manter esse perfil durante toda a Série C.

>>> Quer adotar um time na Terceirona? A gente dá o caminho

Salgueiro

O Náutico precisou de uma decisão por pênaltis para conseguir despachar o Salgueiro na semifinal do Campeonato Pernambucano. O Carcará ficou fora da decisão contra o Sport por muito pouco. Na disputa pelo terceiro lugar, o Salgueiro não quis nem saber da boa campanha e do acesso do Santa Cruz na terceirona passada. Despachou o Santinha com um empate e uma vitória.

Pelo trabalho apresentado no Pernambucano, cuja primeira fase liderou, tendo apenas duas derrotas em 16 jogos e vencendo em outras 11 oportunidades, o Salgueiro é um dos que deverão pleitear as primeiras posições no Grupo A da Série C.

O reencontro

Marcelinho Paraíba contra o Treze

Aos 38 anos e contribuindo bastante com o Fortaleza, Marcelinho Paraíba terá a oportunidade de enfrentar pela primeira vez um time de seu estado em competições nacionais desde que deixou o Campinense, em 1993. Na sétima rodada desta Série C, o Leão pega o Treze, justamente um antigo rival local do veterano. Com o bom momento que vive Marcelinho e o ânimo natural de se enfrentar um adversário de longa data, não seria nenhum absurdo imaginar o jogador fazendo uma grande partida. Torcedor do Campinense, marque aí no calendário: 19 de julho, no Amigão, o Treze recebe o Fortaleza.

O estrangeiro

Yerien (Salgueiro)

O nigeriano Yerien Richmind Esukusiede ganhou pequena projeção no início do ano passado ao marcar o primeiro gol da Copa do Nordeste de 2013, logo em sua estreia oficial. Aquele gol não significou apenas a vitória do Salgueiro sobre o ASA, mas um triunfo particular do jogador. Yerien chegou ao Brasil em 2008, vindo de Lagos, e teve a cidade de Fortaleza como seu primeiro destino. Sem documentos, não pode jogar, mas superou as dificuldades indo para onde tivesse oportunidade. O primeiro contrato profissional que firmou foi com o Treze, e, hoje, aos 21 anos, já se encaminha para a metade de sua segunda temporada com o Salgueiro.

>>> Seis esquadrões da história da Série C

GRUPO B
O clássico

Caxias x Juventude

Nenhuma dupla de times no Grupo B da Terceira tem rivalidade próxima da compartilhada por Caxias e Juventude. Como os dois caíram de lados opostos no mata-mata do Gauchão, só poderiam se enfrentar em uma eventual final, praticamente impossível de acontecer. Sem nenhum encontro este ano, ambos entram com muita motivação na Série C, com um Clássico Ca-Ju logo na primeira rodada.

Desde 2006 disputando a terceira divisão, o Caxias quer sair do quase e usar a experiência para conseguir o acesso neste ano. Já o Juventude, depois de um período de decadência nos últimos anos, conseguiu o acesso para a Terceirona e, mesmo com os insucessos das temporadas anteriores, não visa apenas a manutenção na Série C, mas, sim, uma vaga na Série B. A campanha do Caxias no Gauchão foi melhor que a do Juventude, e a equipe Grená larga na frente não só pelo time atual, mas também pelo que apresentou nos últimos anos em comparação ao Juve.

O cara

Fumagalli (Guarani)

Veterano, rodado e capitão do Guarani, Fumagalli, aos 37 anos, ainda tem o que mostrar. Nunca foi um artilheiro-nato,  mas com tanta experiência pode contribuir muito para os objetivos do Bugre na Terceira. E se engana quem pensa que a idade avançada pode ser um grande problema para o jogador. Dos 19 jogos dos bugrinos na Série A2 deste ano, Fumagalli, que acumula passagens por Santos, Corinthians e Vasco, entre tantas outras equipes, foi titular em 17 delas, todas como capitão.

O atleta não deverá ser o maior responsável pelos gols do Guarani, mas orientação não faltará ao restante do elenco. Em jogos em que os ânimos precisem ser acalmados e o time organizado, o técnico Evaristo Piza terá no gramado  alguém que poderá lhe poupar muitos gritos à beira do campo.

O favorito

Caxias

Karl, ao centro, comemora gol pelo Caxias (Divulgação)

Karl, ao centro, comemora gol pelo Caxias (Divulgação)

Em um campeonato previsivelmente dominado por Internacional e Grêmio, o Caxias conseguiu se destacar. Não chegou à final, já que pegou o forte Colorado na semifinal, mas isso não anula o que fez durante todo o Gauchão. Tirando a dupla Gre-Nal, o time foi o que teve o melhor aproveitamento na fase de pontos corridos do estadual. No mesmo grupo em que o Grêmio, terminou a fase a apenas dois pontos do Tricolor.

O Caxias não teve números inacreditáveis no Campeonato Gaúcho ou coisa do tipo para que fosse apontado como o favorito. No entanto, em comparação com o Grupo A, o B é mais fraco tecnicamente, a disputa não conta com tantos times fortes, e dos dez clubes nesta segunda-chave, a campanha de maior destaque até agora neste ano é, de fato, a do time gaúcho. Depois de bater na trave por alguns anos na Terceira, o Caxias tem chances de subir em 2014.

Fique de olho

Guaratinguetá

O Audax fez uma boa campanha no Campeonato Paulista, surpreendendo a todos com um futebol de toque de bola e às vezes dando algum trabalho a um grande. Com a parceria firmada entre o time de Osasco e o Guaratinguetá, que busca satisfazer diferentes necessidades de ambos, o Guará disputará a Série C com o elenco do Audax. Vale a pena conferir como será essa experiência. O nível apresentado no Paulistão se estenderá para a Terceira e será suficiente para uma boa campanha?

>>> Lembra-se deles? Veja 15 refugos mais ilustres da Série C

O decadente

São Caetano

Depois de uma primeira metade de década passada com bons times, campanhas e título, o São Caetano, desde 2006, vive um período de decadência ininterrupta. Em 2006, disputou pela última vez a elite do Brasileirão. Passou, então, sete temporadas na segunda divisão, da qual conseguiu sair, mas não pelo lado que a torcida queria. A última vez que havia disputado a Série C havia sido em 1998. Regionalmente, a situação não é muito melhor. Em 2013, foi rebaixado para a Série A2 do estadual e por muito pouco, neste ano, não caiu para a terceira divisão paulista.

O estrangeiro

Arzayus (Duque de Caxias)

O jovem colombiano Victor Arzayus chegou ao Duque de Caxias no final do ano passado. Até agora teve pouquíssimas chances no time titular, e não dá para garantir que tenha muito mais oportunidades durante esta Série C. O atacante, de apenas 21 anos, atuava pelo pequeno Cerrito, da Colômbia, antes de vir tentar a sorte no Duque. Com um campeonato de tiro longo como a Terceira, é possível que Arzayus ganhe uma chance ou outra. Então é melhor que o garoto saiba aproveitar, para não fazer de sua vinda para o Rio de Janeiro apenas um intercâmbio cultural.

VOCÊ PODE SE INTERESSAR TAMBÉM:

A emoção e a paixão prevaleceram acima de qualquer outra coisa na decisão da Copa Verde
Graças a Juninho e Doriva, o título do Ituano foi comemorado até na Inglaterra
- Aidar escancara a crise de identidade do São Paulo