O Burnley até ensaiou uma surpresa. Contra um mistão do Manchester City, os visitantes silenciaram a torcida no Estádio Etihad e terminaram o primeiro tempo em vantagem. Mas tudo não passou de um mero susto. Os Citizens, que jogaram muito abaixo de seu potencial nos 45 minutos iniciais, conseguiram exibir seu futebol avassalador na etapa final. De maneira repentina, buscaram a virada. E terminaram a noite com goleada, por 4 a 1, para avançar à próxima fase da Copa da Inglaterra. Não foi desta vez que o time de Pep Guardiola saiu derrotado nas competições domésticas em 2017/18.

Embora o Manchester City poupasse alguns jogadores, não dava para considerar exatamente um time frágil. Mas faltou agressividade aos celestes durante o primeiro tempo, com raras chances claras. E o Burnley se aproveitou disso. Depois de um lance bastante perigoso aos 17, os visitantes saíram em vantagem aos 23, em sequência de erros da defesa da casa. John Stones furou na tentativa de afastar a jogada e entregou o ouro para Ashley Barnes. Diante da indecisão de Claudio Bravo, o atacante não perdoou.

O City até tentou vez ou outra o empate antes do intervalo, mas era pouco efetivo. E só teve a postura esperada na etapa complementar. A igualdade aconteceu aos nove minutos, em lance que gerou reclamação do Burnley. A partir de uma cobrança de falta rápida, quando a zaga adversária ainda se arrumava, Ilkay Gündogan deixou Sergio Agüero de frente para o gol e o argentino arrematou. Dois minutos depois, a dobradinha rendeu a virada. Em jogada envolvente, Gündogan deu um passe magistral de calcanhar e mais uma vez facilitou o serviço de Agüero.

Depois disso, o jogo se abriu ao Manchester City, que passou a criar bem mais. Leroy Sané perdeu chance claríssima de fazer o terceiro, antes de realmente balançar as redes, aos 25, a partir de uma enfiada de bola de David Silva. Já o quarto gol foi uma cortesia do banco de reservas. Kevin de Bruyne, que entrou no segundo tempo, deu um lançamento perfeito a Sané. Então, o alemão passou pelo goleiro e serviu Bernardo Silva, outro substituto, que mandou para dentro, aos 36. A goleada talvez tenha sido exagerada por aquilo que foi o jogo. Ainda assim, os Citizens tiveram os seus méritos ao construí-la em tão pouco tempo.

Dentre os destaques, menção especial a Gündogan. Diante de todos os problemas físicos que enfrentou nos últimos anos, o meio-campista tem buscado recuperar o seu espaço nesta temporada. E se ainda não se equiparou ao auge atravessado no Borussia Dortmund, ao menos vem sendo bastante útil na rotação de Pep Guardiola. Neste sábado, sobretudo, mostrou o seu valor e ajudou o clube a buscar um resultado importante, diante das dificuldades. O adversário dos celestes nos 16-avos de final será definido por sorteio, nesta segunda.