Um atacante que marca sete gols em um só tempo sempre chama a atenção, mesmo que seja contra um adversário bastante fraco. Há 16 anos, um jogador famoso na Europa por fazer gols em profusão DEITAVA em cima de um pequeno clube em uma partida de copa do país. Foram sete gols em 45 minutos, em um jogo que terminou 9 a 1. NOVE. Sendo SETE de um jogador só. E esse jogador não era Ronaldo, o fenômeno, que naquela temporada brilhante pelo Barcelona foi o chuteira de ouro da Europa, nem Cantona, estrela do Manchester United, ou Kluivert, jovem artilheiro do Ajax. Quem conseguiu isso foi o homem, o mito: Mário Jardel.

No dia 17 de dezembro de 1997, há 17 anos, Jardel foi o grande protagonista da vitória de 9 a 1 do Porto sobre o pequeno Juventude de Évora. O clube era inexpressivo, é verdade, mas Jardel fez tantos gols que não se contentou com gols simples, ou só de cabeça, a sua especialidade. Tem golaço de letra passando pela defesa e tudo (ok, é a defesa do Juventude de Évora, que é, digamos, um pouco frágil). GOL DE LETRA DO JARDEL. Só pode ser algo épico. Confira aí o gol (no 1:27):

Vale lembrar que Jardel fez muitos, mas muitos gols mesmo pela Europa. Ele foi chuteira de ouro em 2001/02, já pelo rival dos portistas, o Sporting, com 42 gols. Fazer gol é uma marca dele. Sempre soube fazer. E muitos.