Quis o destino – e o presidente tricolor Francisco Horta – que a estreia de Rivellino com a camisa do Fluminense fosse justamente contra o Corinthians, onde escrevera sua história nos dez anos anteriores. O último capítulo do Reizinho no clube paulista havia sido dos mais frustrantes: uma derrota para o Palmeiras na final do Paulistão de 1974. O resultado da estreia não poderia ter sido mais icônico. No dia 8 de fevereiro de 1975, com três gols de Riva, o Flu batia o Corinthians por 4 a 1.

VEJA TAMBÉM: Excluir torcida visitante é prova de como autoridades não gostam de lidar com pessoas

A história da transferência de Rivellino para o Fluminense começara justamente com a derrota do Corinthians para o Palmeiras. Revoltada com o resultado, a torcida corintiana vilanizou o craque pelo fim do sonho de quebra de jejum de títulos, que já durava 20 anos. Presidente do Flu à época, Horta viu aí a possibilidade de levar o jogador para as Laranjeiras.

Com a grande contratação da época, o mandatário queria que o capítulo inicial de Rivellino no Fluminense fosse grandioso. Arranjou para que acontecesse em um amistoso contra o próprio Corinthians, num sábado de Carnaval. Diante de mais de 40 mil torcedores, aquele que viria a ser o maior expoente do time que ficou conhecido como “Máquina Tricolor” só não fez chover.

“O que nos diz a história do futebol é que nunca houve uma estreia como a de Rivellino. Se Riva marcasse um gol, um cínico e escasso gol, tricolores vivos ou mortos estariam bebendo champanhe pelo gargalo. Se fizesse dois gols, a nossa euforia seria maior. Vejam bem: a galera tricolor se daria por satisfeita com um gol, mais com dois. E o craque fez, não um, nem dois, mas três. Por isso, repito que nunca se viu uma estreia assim.” – Nelson Rodrigues

Logo no primeiro tempo, Rivellino colocou o Fluminense à frente com dois gols. O Corinthians diminuiu com Lance. No segundo tempo, para ampliar, Riva completou sua atuação grandiosa com um golaço de cobertura, fazendo 3 a 1. Gil então fechou o placar da primeira grande atuação do time que seria bicampeão carioca em 1975 e 1976.

Rivellino nunca escondeu a mágoa pela forma como sua saída do Corinthians aconteceu. A gratidão ao Fluminense por tê-lo acolhido também esteve sempre presente nos discursos do Reizinho. Após todo esse tempo, é lembrado com carinho por ambas as torcidas, mas naquele sábado de Carnaval o sentimento que proporcionou ao corintiano foi de profundo arrependimento por terem o escurraçado do Parque São Jorge. Quanto aos tricolores, um belo prenúncio do que viria nos dois anos seguintes.

Confira os gols do jogo, com narração do grande Luciano do Valle: