O técnico Jupp Heynckes está próximo de voltar à aposentadoria, depois de oito meses de muito trabalho intenso e, dá para dizer, de muito sucesso. O veterano alemão levou o Bayern à conquista da Bundesliga, com a taça sendo entregue neste sábado depois de sofrer uma goleada em casa para o Stuttgart por 4 a 1, algo bem incomum. Em uma análise desse período no comando no time, Heynckes contou ao site do Bayern de Munique sobre a experiência na sua história e os planos para depois de acabar a temporada. O time ainda joga a final da Copa da Alemanha, no próximo sábado em Berlim, contra o Eintracht Frankfurt.

LEIA TAMBÉM: Ano zero: Pela primeira vez na história, o Hamburgo é rebaixado na Bundesliga

“Quando eu comecei, eu não pensava em ganhar a liga ou avançar à final da Copa e chegar às semifinais da Champions League. Primeiro eu considerei como abordar a tarefa, como gerenciar a carga de treinamento. Então, jogadores como Thomas Müller e Franck Ribéry estavam indisponíveis. Foi um período difícil. Então houve o jogo de Copa em Leipzig no final de outubro. Nós passamos nos pênaltis, Sven Ulreich defendeu o último pênalti. Esse foi o ponto crucial quando o time recuperou força e confiança”, disse o técnico.

“Foi uma tarefa gigantesca. Quando eu assumi com Peter Hermann e Hermann Gerland, não deixamos nenhuma pedra sem levantar. Nós introduzimos a nossa filosofia, nosso método, nossa meticulosidade – e conseguimos muito. Se você olhar em como o Bayern jogava em outubro e como eles jogaram no Bernabéu, são dois mundos separados”, afirmou o o treinador.

“Bastian Schweinsteiger me disse por WhatsApp que ele nunca viu ninguém mudar tanto quanto nós mudamos desde outubro. Ele disse que nós fizemos uma grande partida no Bernabéu. Eu recebi muitas mensagens assim. Esse grande desenvolvimento é uma conquista do time, da comissão técnica e de todos os dirigentes”, afirmou Heynckes.

“Nós estávamos em data Fifa, os jogadores voltaram ao Säbener Strasse [centro de treinamentos] um por um, então eu dei um total de três discursos iniciais no vestiário (risos). Eu disse aos jogadores que nós os guiaríamos da maneira ideal”, contou o veterano. “Eu citei Usain Bolt porque eu tinha acabado de ler a biografia dele quando eu vim para Munique. Quando ele comemorava seus grandes sucessos, ele disse algo como: ‘É claro que eu sou abençoado com meu talento excepcional, mas eu não poderia jamais alcançar os grandes triunfos sem o meu time’. Eu queria dizer ao meu time: vocês não irão conseguir nada no futebol sem espírito de equipe e trabalho de equipe. É por isso que você não pode comprar um time para ganhar a Champions League. Eles têm que crescer juntos”, afirmou Heynckes.

“Eu nunca planejei esses oito meses, eles foram um capítulo adicional à minha biografia, embora muito excepcional”, declarou o treinador. “Assumir um clube como o Bayern aos 72 anos, virar tudo de baixo para cima e voltar aos dias de vitória: eu não posso nem dizer o quanto será emocionante para mim”, contou.

Perguntado se estava ansioso para estar em casa, o treinador falou sobre o desejo de uma vida simples. “Principalmente o estado de realmente estar em casa. Com a minha esposa, com minha família, com meus bichos. Eu gostaria de descansar e limpar a minha mente com coisas que eu gosto, como ler livros, atividades esportivas, ligar para amigos, ir a um restaurante ou teatro. E assistir a futebol como um torcedor, relaxado, não com uma finalidade. Não houve tempo o bastante para isso e é, na verdade, absurdo: você vive em uma cidade maravilhosa como Munique e não tem vida social. Mas frequentemente eu estava apenas muito cansado quando voltava para o meu quarto de hotel à noite, depois do trabalho. Eu estou ansioso para voltar à minha vida normal”.