Neste domingo, mais uma vez, um membro da família Ferguson conquistou um título com um clube chamado United, mas não foi Sir Alex e nem o Manchester. O aposentado ex-treinador estava nas arquibancadas do Estádio Wembley, mas as glórias do dia ficaram todas com o seu filho Darren, campeão da Johnstone’s Paint – uma Copa com clubes da terceira e da quarta divisão da Inglaterra -, com o Peterborough United.

Ferguson não foi um jogador dos melhores. Meio-campista, jogou pelo pai em Old Trafford no começo da década de 1990, mas teve poucas chances. Pode pelo menos dizer que conquistou um Campeonato Inglês, em 1992/93. O grosso da sua carreira foi no Wolverhampton e no Wrexham pelas divisões inferiores da Inglaterra. Com a prancheta, foi jogador-treinador do próprio Peterborough, em 2007, e levou o time à segunda divisão com dois acessos seguidos. Foi demitido na lanterna da Championship, assumiu o Preston North End e voltou para o time da pequena cidade de 200 mil habitantes ao leste do país em 2011.

Conquistou, com vitória por 3 a 1 sobre o Chesterfield, mesmo com um jogador a menos, o título mais importante da história do Peterborough, fundado em 1934. Bicampeão da quarta divisão, a melhor campanha da história do clube foi na Copa da Inglaterra, em 1964/65, quando chegou às quartas de final depois de eliminar o Arsenal, nas oitavas.

Agora, a missão de Ferguson, 42 anos, é voltar para Wembley para os playoffs da terceira divisão. O clube dele está em sexto lugar, última posição que assegura a classificação, com um ponto a mais que o sétimo colocado Swindon. Tem, pelo menos, dois jogos a menos para consolidar a melhor temporada da sua carreira como técnico e deixar o pai ainda mais orgulhoso.