Huntelaar comemora muito o gol (AP Photo/Natacha Pisarenko)

Holanda 2×1 México: Oranje pune recuo mexicano com virada dramática no final

A crônica

O futebol é um jogo imprevisível e a Holanda sentiu o gosto de sair de uma quase eliminação a uma classificação épica em poucos minutos – e os minutos finais. O México fez um grande jogo, mostrava seu valor e um time para lá de bem montado por Miguel Herrera. E, até os minutos finais, tinha 1 a 0 no placar e passava das oitavas de final pela primeira vez desde 1986. Só que o final da partida veio com um gol de Sneijder, que fazia partida apagada, e com um pênalti já nos acréscimos que Huntelaar converteu para marcar 2 a 1.  Os mexicanos deixam a Copa do Mundo.

A partida era muito boa, com o México sendo melhor durante todo o primeiro tempo, mesmo empatando por 0 a 0. Já lembrava a partida contra o Brasil, no mesmo Castelão, em Fortaleza. Só que desta vez, além das boas intervenções de Ochoa no gol, o time ameaçava no ataque. Perdeu algumas boas chances, como em um chute de Herrera de dentro da área, outro de Salcido de longe. É verdade também que a Holanda teve um pênalti não marcado no primeiro tempo, em Robben, mas que era difícil de ser visto.

Na etapa final, Giovani dos Santos colocou o México em vantagem e fazia o melhor time em campo pular na frente. Com o gol, o México passou a controlar o ímpeto, que era intenso até ali. O jogo às 13h é desgastante e o time fazia a Holanda sofrer com a correria. Alguns dos melhores jogadores do time de laranja mal apareceram no jogo, como Robin van Persie, capitão do time, que trotava em campo. Sneijder, o camisa 10, também estava sumido. Robben era o único que aparecia, chamando a responsabilidade. Mas parecia pouco.

A Holanda tentava, especialmente com bolas aéreas, chegar ao gol de empate. Com Van Persie apagado, Huntelaar veio a campo. E o jogo se arrastava, o relógio parecia derreter os minutos e a torcida mexicana já estava prestes a cantar a vitória, tão esperada. Só que veio um lance que a bola pipocou em um rebote de escanteio dentro da área, que Sneijder encheu o pé para empatar, quando faltava menos de cinco minutos para o fim do tempo regulamentar.

O gol animou tanto os holandeses que deu mesmo a impressão que a virada viria. Nos acréscimos, veio o pênalti em cima de Robben, polêmico. Existe o toque de Rafa Márquez no camisa 11 da Holanda, mas Robben, claro, fez um carnaval, ai, ai, ai e tudo mais. O árbitro Pedro Proença apontou a marca da cal e Huntelaar virou o jogo, quando não há mais como se recuperar.

A Holanda vai às quartas de final, esperando o vencedor de Costa Rica e Grécia, e é o grande favorito contra qualquer um dos dois. Robben segue como destaque e tem tudo para continuar sendo. Van Persie e Sneijder podem melhorar, mas são jogadores importantes que devem fazer diferença. Van Gaal merece os méritos por armar um time que sabe ser muito competitivo.

O México volta para casa com uma sensação dúbia. De um lado, frustração por ter deixado escapar a vitória e um time que poderia, claramente, ter ido mais longe. Por outro lado, orgulho por ter feito uma campanha que teve muitos momentos empolgantes. Teve a vitória sobre Camarões, mesmo contra a arbitragem que errou muito, o jogo contra o Brasil, parando os mandantes em casa, a vitória sensacional contra a Croácia e um jogo muito bom com a Holanda. O México tem do que se orgulhar. Ah sim, vale a menção aos mexicanos na torcida. Uma torcida apaixonada, presente, alegre e que transformou cada estádio onde esteve em sua casa. E certamente fará falta.

FICHA TÉCNICA

Holanda 2×1 México

Holanda

Holanda EscudoJasper Cillessen; Stefan de Vrij, Ron Vlaar e Daley Blind; Paul Verhaegh (Memphis Depay, 11′/2T), Geroginio Wijnaldum, Nigel de Jong (Bruno Martins Indi, 9’/1T) e Dirk Kuyt; Wesley Sneijder; Arjen Robben e Robin van Persie (Klaas-Jan Huntelaar, 31′/2T). Técnico: Louis van Gaal

México

Escudo MéxicoGuillermo Ochoa; Francisco Rodríguez, Rafael Márquez e Héctor Moreno (Diego Reyes, intervalo); Paul Aguilar, Héctor Herrera, Carlos Salcido, Andrés Guardado e Miguel Layún; Giovani dos Santos (Javier Aquino, 16′/2T) e Oribe Peralta (Javier Hernández, 30′/2T). Técnico: Miguel Herrera

Local: estádio Castelão, em Fortaleza
Árbitro: Pedro Proença (POR)
Gols: Giovani dos Santos, 3′/2T, Sneijder, 43′/2T, Huntelaar, 47′/2T
Cartões amarelos: Aguilar, Márques, Guardado
Cartões vermelhos: nenhum

O cara

Arjen Robben

Sofreu um pênalti no primeiro tempo, que não foi marcado e era a única peça de ataque que funcionava. O atacante chamou o jogo e participou diretamente dos dois lances mais importantes, os gols holandeses no final. Cobrou o escanteio que acabaria no gol de Sneijder e sofreu o pênalti no final que determinou a vitória da Oranje.

Os gols

3’/2T: GOL DO MÉXICO!

Lançamento longo para o campo de ataque, Peralta ajeitou de cabeça para Giovani dos Santos, que avançou e, de perna esquerda, chutou rasteiro no canto esquerdo do goleiro holandês.

43′/2T: GOL DA HOLANDA!

Cobrança de escanteio pelo lado direito, Robben jogou a bola na área, Huntelaar ajeitou de cabeça e Sneijder pegou de primeira, enchendo o pé. Belo gol do camisa 10.

48′/2T: GOL DA HOLANDA!

Robben fez a jogada pela direita, driblou um, tentou passar por Rafa Márquez e caiu depois de um toque. O árbitro marcou o pênalti, que é discutível. Huntelaar cobrou e marcou.

A Tática

Holanda x México

Os dois times entraram em campo com três zagueiros centrais. Nos dois casos, apostas em alas que possam dar mais força ofensiva. O México conseguiu no começo com Layún, especialmente, pelo lado esquerdo. Já a Holanda não teve um bom desempenho com Verhaegh pelo lado direito e nem com Kuyt do lado esquerdo. Sneijder foi mais importante na marcação do que na criação, embora isso pareça estranho.

A Estatística

11.383

Número de metros que Arjen Robben percorreu durante o jogo. Sim, foram mais de 11 quilômetros percorridos nos pouco mais de 90 minutos que o camisa 11 esteve em campo, o jogador que mais metros percorreu no jogo.