Zlatan Ibrahimovic teve a estreia mais apoteótica possível no Los Angeles Galaxy. Ou simplesmente uma estreia à Zlatan. Chegou aos Estados Unidos na véspera do primeiro dérbi contra o recém-criado Los Angeles FC. Começou no banco e viu seu time tomar três gols até o início do segundo tempo. Então, depois que os seus companheiros diminuíram duas vezes, o camisa 9 assumiu o show, entrando em campo para os 20 minutos finais. Primeiro, empatou a peleja com um gol completamente espetacular. Arriscou do meio da rua, encobrindo o goleiro, com curva maravilhosa. E reapareceu aos 46 do segundo tempo, balançando as redes novamente para decretar a vitória por 4 a 3. Depois da aparição estelar, as entrevistas do sueco foram dignas do seu egocentrismo carismático.

“Eu apenas queria entrar. Ouvi os torcedores pedindo ‘queremos Zlatan, queremos Zlatan’, então eu dei a eles Zlatan. Foi um apoio fantástico, eles estavam me empurrando e eu devolvi”, comentou. “Eu vinha de trás, vi o goleiro fora do gol e pensei em encobri-lo. Estava pensando em economizar energia, porque não sabia quanto eu tinha, então decidi ‘bom, vamos chutar essa’ e aconteceu. Quando você vê a bola entrando, a adrenalina toma conta. Você tira a camisa e quer comemorar com os torcedores. Queria sentir a energia que vem do estádio”.

Mas se engana quem pensa que a tarde foi fácil para Ibrahimovic. Ele disse ter sentido os efeitos do calor da Califórnia. Além disso, a semana intensa, de quem desembarcou nos Estados Unidos menos de 48 horas antes da partida, também pesou: “Senti como se aqueles 20 minutos valessem por 40 partidas. Estava sentindo tudo: o jet lag, o tempo sem atuar. Dei a primeira arrancada e comecei a ofegar imediatamente. Quando a segunda bola veio, eu pensei em chutar para me poupar”.

Ibrahimovic também confessou que, antes de executar o chute do primeiro gol, se lembrou do joelho recém-operado: “Quando a bola veio, disse a mim mesmo: ‘Meu joelho está bom, não tem com que me preocupar’. Então chutei. Eu me sinto bem. Depois de um gol como esse, não tenho o que reclamar”.

Por fim, perguntado se esperava um início tão estrondoso com o Galaxy, Zlatan demonstrou a confiança de sempre: “No meu passado, sempre marquei no primeiro jogo oficial a cada nova equipe. Não ia decepcionar desta vez, estava pronto para marcar. Foi um ótimo início. Continuo faminto”. Ninguém duvida que continue. “Faço meu melhor”, finalizou. E o melhor de Zlatan impressiona, invariavelmente.