A segunda passagem de Fernando Torres pelo Atlético de Madrid está chegando ao fim. Na última semana, o atacante confirmou que deixará o clube ao final da temporada. E, desde já, a torcida colchonera trata de se despedir do seu xodó. Explicar a relação do camisa 9 com a massa rojiblanca vai muito além dos gols ou de conquistas. É o caso de um filho querido, que surgiu no seio do clube e eclodiu justamente em um dos momentos mais difíceis, conquistando a segunda divisão. Criou asas e voou, tornando-se protagonista da seleção. Já em 2014, ainda que seu declínio fosse visível, voltou para fazer parte do sucesso do Atleti sob as ordens de Diego Simeone. Teve seus lampejos. No entanto, aos 34 anos, seu rendimento não satisfaz e as aparições entre os titulares se tornam mais raras. Hora, então, de dizer adeus mais uma vez, provavelmente de maneira definitiva.

Neste domingo, Torres disputou aquele que será um de seus últimos jogos no Wanda Metropolitano. O carinho da torcida era visível, entre camisas e cartazes homenageando o centroavante. E mesmo enquanto ainda estava no banco de reservas, teve seu nome gritado. Um ruído que aumentou quando o camisa 9 saiu para o aquecimento, até que explodisse em aplausos no momento em que o ídolo entrou no segundo tempo. O agradecimento de Torres? Em forma de gol, definindo a vitória por 3 a 0 sobre o Levante. Será sempre o “niño”, por mais que, como dizia uma faixa, já tenha se transformado em lenda.

Abaixo, o vídeo do programa El Día Después, relatando essa ligação: