No jogo de ida das quartas de final da Liga dos Campeões, o Sevilla chegou a sonhar em começar bem contra o Bayern de Munique, como fizera com o Manchester United nas oitavas. Durante o primeiro tempo, o time da casa criou chances, abriu o placar, foi francamente superior. Aí entrou a capacidade do grupo bávaro de jogadores: algumas mudanças aqui, uma postura mais ofensiva e segura ali, e no segundo tempo se restabeleceu o domínio. Expresso definitivamente na virada para 2 a 1, que coloca os Vermelhos à beira de mais uma semifinal de Champions League.

Quando o primeiro tempo começou, mesmo com a defesa do Sevilla bem fechada, o Bayern tentava como podia. Logo aos dois minutos, Juan Bernat veio pela esquerda, cruzou, e o desvio de Franck Ribéry foi mandado para fora. No escanteio da sequência, Mats Hummels cabeceou à esquerda do goleiro David Soria (estreante pelo torneio continental). Aos cinco minutos, o cruzamento foi da direita, por Joshua Kimmich. E Soria teve certa dificuldade, precisando socar a bola para afastá-la. Aos 10 minutos, mesmo com dores musculares, Arturo Vidal seguia jogando. Tanto que foi dele o passe para Thomas Müller chutar a bola, por cima do gol.

Depois, porém, o jogo ficou mais truncado, com mais divididas do que jogadas. E até com ameaças de “cenas lamentáveis” – como aos 13 minutos, quando Wissam Ben Yedder cometeu falta que o juiz Daniele Orsato deixou passar, Ribéry derrubou Franco Vázquez (esta, marcada) e ainda partiu para cima do atacante francês, tomando as dores da falta anterior. Foi como um ponto de virada: a partir de então, os sevillistas cresceram de produção. Até que, aos 20, enfim veio uma chance digna de nota: Sergio Escudero cruzou da esquerda, Hummels afastou mal, e Sarabia ficou com a bola, sozinho em frente ao gol. Porém, chutou errado: para fora, à esquerda de Ulreich, perdendo chance valiosa.

O Bayern até tentou aos 26, quando Thiago Alcântara recebeu, e arriscou mesmo de fora da área. Mas David Soria – estreante em Liga dos Campeões – defendeu com firmeza. Mas o time anfitrião, melhor em campo, era mais ofensivo e tinha mais espaço. Aos 31, Sarabia arriscou novamente – desta vez, de fora da área. Mas Ulreich teve de trabalhar, rebatendo a bola. E da terceira vez em que teve a chance para o gol, no minuto seguinte, Sarabia aproveitou. Escudero novamente cruzou a bola da esquerda, e o espanhol dominou na área, novamente livre, tocando colocado, no canto direito, na saída de Ulreich, marcando o 1 a 0 que o Sevilla já fazia por merecer.

A coisa pareceu piorar para os bávaros, quando Vidal sucumbiu às dores e deu lugar a James Rodríguez, aos 35 minutos. Mas foi justamente o colombiano que iniciou a jogada do gol de empate, aos 37, dois minutos após sua entrada: veio pelo meio e deixou a bola com Ribéry. O francês completou em diagonal, a bola desviou em Jesús Navas e foi devagar até passar da linha, mesmo com Soria voltando rápido para evitar o gol. Não conseguiu: 1 a 1 – com crédito para Jesús Navas, contra.

Na volta para o segundo tempo, o Bayern ficou mais protegido na lateral esquerda, com a entrada de Rafinha no lugar de um Bernat que já tinha cartão amarelo. Já serviu para uma chance aos três minutos. Thomas Müller cruzou da direita, e Ribéry chutou de fora da área. Todavia, a bola bateu em Robert Lewandowski, e a defesa do Sevilla pôde afastar. Não obstante, outra falha da marcação rendeu a primeira chance dos mandantes na etapa complementar, no minuto seguinte. Ben Yedder superou Boateng no meio-campo, no jogo aéreo, e chegou perto da área. Ali, passou a bola a Correa. Da esquerda, este cruzou, mas Javi Martínez salvou o Bayern, interceptando a bola antes que ela chegasse a Franco Vázquez.

Mesmo sem tanta ofensividade, o Bayern conseguia o que lhe faltara no primeiro tempo: posse de bola com domínio do jogo. A imposição vinha aos poucos, como aos 10 minutos, quando James Rodríguez aproveitou uma sobra, mas seu chute a mandou sobre a meta de Soria. Depois, aos 21: em nova jogada pela esquerda, Müller cruzou para a área. E Javi Martínez mandou de voleio para ótima defesa de Soria, espalmando por cima do gol.

E de bola alçada em bola alçada, veio a virada que o Bayern buscava, aos 23 minutos. Só que foi da esquerda, num cruzamento de Ribéry. No lado oposto, na área, Thiago Alcântara cabeceou. A bola ainda desviou em Escudero, tirando as chances de um Soria que já caía para o lado. E foi consumado o 2 a 1 que dá vantagem fundamental aos bávaros. O desafio na Allianz Arena será daqueles hercúleos para o Sevilla, enquanto o virtual campeão alemão jogará tranquilo. Nada mal para o time abatido dos tempos de Carlo Ancelotti.

Sevilla 1×2 Bayern de Munique

Local: Ramón Sánchez Pizjuan, em Sevilha (ESP)
Árbitro: Daniele Orsato (ITA)
Gols: Pablo Sarabia aos 31’/1ºT (Sevilla); Jesús Navas (contra), aos 37’/1ºT, e Thiago Alcântara, aos 23’/2ºT (Bayern de Munique)
Cartões amarelos: Joaquín Correa (Sevilla); Franck Ribéry, Juan Bernat e Thomas Müller (Bayern de Munique)

Sevilla
David Soria; Jesús Navas, Simon Kjaer, Clément Lenglet e Sergio Escudero; Steven N’Zonzi e Guido Pizarro; Pablo Sarabia, Franco Vázquez e Joaquín Correa (Sandro Ramírez aos 33’/2ºT); Wissam Ben Yedder (Luis Muriel aos 35’/2ºT). Técnico: Vincenzo Montella

Bayern de Munique
Sven Ulreich; Joshua Kimmich, Jérôme Boateng, Mats Hummels e Juan Bernat (Rafinha, no intervalo); Arturo Vidal (James Rodríguez, aos 36’/1ºT), Javi Martínez e Thiago Alcântara; Thomas Müller, Robert Lewandowski e Franck Ribéry (Arjen Robben aos 34’/2ºT). Técnico: Jupp Heynckes