Há poucas rodadas, havia um certo temor que o Cruzeiro reinasse sozinho no Campeonato Brasileiro. Uma preocupação compreensível para todos os outros 19 times, porque o time azul de Minas vinha vencendo seguidamente e os adversários ainda pareciam pisar em tomates. Mas decretar o fim do campeonato com mais de 20 rodadas parece sempre uma precipitação. O Fluminense também tropeçou, mas Internacional e Corinthians venceram jogos duros, clássicos, e agora a diferença para o líder já está pequena e a disputa está se acirrando. A força do Cruzeiro é grande, mas os concorrentes estão se esforçando para não deixar que a Raposa dispare.

LEIA TAMBÉM: Tropeços de Cruzeiro e Fluminense indicam que a briga em cima está aberta

No Beira Rio, muita disputa, poucas chances e um Gre-Nal. O Grêmio, estreando Felipão no banco, parecia prestes a causar uma surpresa no Inter, jogando melhor no primeiro tempo. Só que o Colorado é um time mais pronto e, no segundo tempo, fez os gols para levar os três pontos. Aproveitou a ótima jogada de Alex, o cruzamento preciso de Fabrício e o ótimo posicionamento de Aránguiz, que tocou de cabeça.

A vantagem foi responsável pelo segundo gol, em um contra-ataque vindo de um escanteio a favor do Grêmio. Aránguiz tocou para D’Alessandro, que escapou do carrinho, virou para Cláudio Winck, que fintou Pará e mandou a bola para a rede e o Grêmio para as cordas. Os três pontos estavam garantidos.

Na Vila Belmiro, a expectativa era pela estreia de Robinho. O atacante justificou a espera com uma boa atuação pelo Peixe, criando boas jogadas e levando muito perigo à defesa corinthiana. Aliás, se uma das grandes qualidades do time de Mano Menezes é a defesa, que quase não sofre gols no Brasileiro – foram só seis nos 14 jogos até aqui -, neste jogo as falhas foram mais frequentes que o normal. Guilherme Andrade quase entregou a rapadura em um lance dentro da área nos pés de Robinho, que não aproveitou.

LEIA TAMBÉM: Brasil precisa rediscutir os pontos corridos, sobretudo o que quer dele

Jogando fora de casa, o Corinthians tentava tranquilizar o jogo, teve até mais posse de bola que o Santos, mas via o time da casa ter chances mais perigosas. A expulsão de Alison no fim do primeiro tempo tornou as coisas difíceis para o Santos, mas o time ainda conseguiu atacar o gol de Cássio. Robinho era o nome mais perigoso, mas os demais jogadores de ataque não ajudavam. O Corinthians melhorou com as alterações de Mano Menezes, especialmente com Ferrugem no lugar de Guilherme Andrade. Quando o jogo já parecia que não teria mais nenhum gol, veio o escanteio pelo lado esquerdo que Renato Augusto que Gil desviou de cabeça para marcar e dar a vitória ao alvinegro da capital paulista.

Chegamos a 14 rodadas do Campeonato Brasileiro com o Cruzeiro na liderança e ainda sendo o melhor time, com 30 pontos. Mas o Internacional se candidata a levantar o troféu, com 28, assim como o Corinthians, com 27, e o Fluminense, logo atrás com 26. Antes, o Cruzeiro parecia o time que não tropeçava, mas as duas últimas rodadas mostraram que eventualmente a raposa também perderá pontos. Inter e Corinthians parecem ter aprendido a estancar a sangria de pontos que os dois já mostraram em alguns momentos do Brasileiro. O Fluminense perdeu pontos, mas ainda está próximo. O Brasileirão esquenta. Possivelmente a disputa esquentará ainda mais nos próximos jogos.