O polêmico Radja Nainggolan é o novo jogador da Internazionale. O meia belga, de 30 anos, assinou contrato com o clube de Milão até 2022. O valor total da transferência é de € 38 milhões, mas isso porque inclui dois jogadores, David Santon, Nicolò Zanilo, avaliados em € 14 milhões. O jogador chega para ser um meia ofensivo e voltar a ser comandado por Luciano Spalletti, com quem teve ótimos momentos na Roma.

LEIA TAMBÉM: A Roma terá um talento para se empolgar com a contratação de Justin Kluivert

“Eu não esperava uma recepção tão calorosa”, disse Nainggolan à Inter TV. “Estou feliz, agora depende de mim ter mais aplausos. A afeição dos torcedores é importante para qualquer jogador, isso significa que há entusiasmo. Eu estou empolgado também, eu espero que possamos alcançar a satisfação”.

“Minha melhor temporada foi com ele [Luciano Spalletti], eu espero que possa repetir isso. Eu estou à sua disposição e eu estou feliz por trabalhar com ele novamente. É importante sentir a confiança do treinador e de [Javier] Zanetti. Eles me fizeram me sentir importante, algo que eu perdi na Roma. Minha escolha foi simples, mesmo que você não possa esquecer o passado. Eu estou feliz e motivado para essa nova aventura”, disse ainda o meia.

“Eu ainda não conheço os torcedores muito bem, mas dado como eles me recepcionaram, eu espero ter uma temporada realmente muito boa e ir bem na Champions League também. A Inter tem que voltar a ser importante na Europa”, afirmou ainda o meio-campista belga.

A saída de Nainggolan da Roma tem a ver com uma diminuição da folha salarial e uma aposta do diretor esportivo, Monchi, em um time renovado. Zaniolo é um jogador jovem, enquanto Santon é um jogador mais experiente, mas ainda com bons anos pela frente.

Apesar da ótima recepção na Inter, Nainggolan deixou claro que a opção por deixar a Roma não foi dele, e sim do clube. “O que eu posso dizer? Tudo que posso dizer é que tudo que eu fiz, fiz com o meu coração e dando o melhor de mim mesmo. Infelizmente, contos de fadas acabam e nem sempre por sua própria escolha”, escreveu o belga no seu Instagram.

“Uma história bonita termina, uma que sempre estará no meu coração. Eu agradeço a todos os meus antigos companheiros, técnicos e diretores que me acompanharam nessa bonita realidade. Eu agradeço todos os torcedores com muito carinho e lembro de cada um dos momentos que nós vivemos juntos. Agora uma nova aventura começa e eu estou feliz por isso. Eu darei o meu melhor como eu sempre fiz. Eu sentirei falta de vocês e os saúdo com muita afeição. RN4”, escreveu ainda o jogador.

Na Roma, chega Pastore

Quem chega para o lugar de Nainggolan é Javier Pastore, que chega por € 25 milhões do Paris Saint-Germain. Aos 29 anos, o argentino volta a um lugar onde despontou como um grande jogador. Formado pelo Talleres, brilhou pelo Huracán e foi vendido ao Palermo em 2009. Foi destaque do time do sul da Itália até 2011, quando se tornou um dos principais jogadores do time. Foi vendido, então, ao PSG, onde se tornou a primeira grande estrela após a compra do clube francês pelo grupo catariano QSI.

“As razões são simples, este é um grande time, que está crescendo muito”, afirmou Pastore na sua apresentação. “Monchi e eu estivemos falando por alguns meses e a escolha foi fácil. É um grande time, uma grande cidade e eu queria voltar à Itália. Eu sei que os torcedores são muito apaixonados, mas mesmo então eu não esperava que houvesse tantas pessoas no aeroporto”.

“Minha posição no time? O técnico irá decidir, eu apenas quero estar ali no treinamento e estar disponível. Eu falei com o técnico e eu acho que ele quer que eu jogue em uma posição mais aberta. Eu estou disponível. Em Paris, eu às vezes jogada como trequartista, às vezes na ponta e às vezes na esquerda de um ataque de três jogadores. Foram as decisões do técnico. É verdade que no meu primeiro ano eu joguei como trequartista, então no segundo eu joguei na esquerda em um meio-campo com três jogadores”, analisou o jogador.

“Na minha última temporada eu era mais um atacante, mas na minha carreira eu joguei como mezzala [meio-campista central mais pelo lado], um trequartista e atacante, eu irei adaptar à formação do técnico. Se Di Francesco disse que eu jogaria na ponta? Não, como mezzala”, afirmou Pastore.

Ele terá o desafio de manter o nível alto de Nainggolan, que já era visto pela direção romanista como um potencial problema no longo prazo. A opção por Pastore é também econômica, já que em idade o argentino é apenas um ano mais novo. Resta saber se Pastore consegue retomar o nível técnico que alcançou no Palermo, há sete anos. Porque o desempenho no PSG foi irregular, assim como o seu número de atuações.