Um domingo qualquer há alguns anos teve uma narração esportiva época. “Hoje não, hoje, não… Hoje sim? Hoje sim…”. Era Cléber Machado narrando o Grande Prêmio da Áustria de 2002, que tinha Rubens Barrichello liderava a corrida até a última volta. Na reta final, a Ferrari mandou inverter de posição com Michael Schumacher, rendendo a narração épica na TV Globo. Neste sábado, em Milão, o clássico entre Internazionale e Juventus poderia ser descrito assim. Depois de sair atrás, a Inter arrancou a virada com um jogador a menos, mas viu seu técnico mexer mal no time e a Inter tomou a virada por 3 a 2. Ficou muito mais próxima do título.

LEIA TAMBÉM: Afiando as espadas: Roma passou por cima do Chievo

Logo no início do jogo, a Juventus conseguiu abrir o placar. Aos 13 minutos, cruzamento de Juan Cuadrado para a área, a bola passou por todo mundo e Douglas Costa recebeu e chutou cruzado para marcar: Juventus 1 a 0. Logo depois, outro lance que complicou muito a vida da Inter. Em uma bola dividida, Matías Vecino pisou em Madzukic. O árbitro primeiro deu cartão amarelo, mas depois de ser alertado pelo VAR, decidiu revistar o lance olhando o replay e mudou o cartão para vermelho. Com um a menos, o jogo que já não era bom para a Juventus ficou ainda pior.

O primeiro chute a gol da Inter só veio aos 24 minutos, em um contra-ataque com Perisic, que fintou para dentro e chutou por cima do gol. Pouco depois, Candreva chutou de longe para defesa de Buffon. A Inter tentava se reorganizar em campo para levar algum perigo, mas tinha dificuldade em manter a posse de bola e se organizar bem no ataque.

Por ter um jogador expulso tão cedo, a Inter passou a pressionar o árbitro Daniele Orsato a cada falta da Juventus. Cuadrado, Pjanic e Barzagli receberam cartões amarelos ainda no primeiro trempo. Pjanic, inclusive, fez uma falta perigosa já com o cartão e o árbitro não quis mostrar o segundo cartão e expulsá-lo.

No final do primeiro tempo, o árbitro ia cometendo um erro grave, mas foi salvo pelo VAR. Depois de validar um gol de Blaise Matuidi, que estava impedido, ele foi avisado pelo VAR e o lance foi anulado, impedindo que o placar fosse a 2 a 0. Considerando como estava o jogo, um placar como esse seria difícil de ser revertido.

No segundo tempo, o jogo mudou. A Inter conseguiu o empate em uma falta cometida por Maduzkic. Cancelo colocou na área e o artilheiro Mauro Icardi subiu livre para cabecear e marcar 1 a 1 no placar, aos sete minutos. Muito melhor a Inter, o time de Luciano Spalletti nem parecia ter um jogador a menos. A Juventus pareceu voltar a campo em um ritmo lento, o que permitiu aos donos da casa tomar o controle do jogo – que foi da Juventus todo o primeiro tempo.

O árbitro Daniele Orsato se envolveu em uma polêmica aos 13 minutos. PJanic acertou Rafinha no rosto e o árbitro deu falta. Os jogadores da Inter reclamaram, porque o bósnio já tinha cartão. No primeiro tempo, ele já tinha cometido uma falta dura já tendo recebido cartão amarelo, mas o juiz deixou passar. Orsato tirou o cartão amarelo do bolso, dando a impressão que expulsaria o jogador da Juventus, mas deu o cartão para o lateral D’Ambrosio, por reclamação.

Em um contra-ataque, uma grande chance da Juventus. Alex Sandro lançou nas costas da defesa interista para Higuaín, que driblou o goleiro e chutou para fora. A punição viria pesada, pouco depois.

Aos 20 minutos, a Inter chegou ao segundo gol. Perisic foi lançado pela esquerda, driblou Cuadrado, que não quis fazer uma falta que o faria ser expulso por segundo cartão amarelo e o croata conseguiu ficar de pé e cruzar. A bola bateu em Barzagli, que corria para trás, e entrou no gol: 2 a 1 para a Inter, de virada. O estádio com maioria interista vibrou muito.

Depois do gol, a Inter diminuiu o ritmo e passou a se defender mais. A Juventus, naturalmente, passou a ocupar mais o campo de ataque. E em uma falta de Brozovic em Cuadrado, Dybala cobrou com perigo e obrigou o goleiro Handanovic a uma grande defesa. A Juventus começou a pressionar, buscando o gol de empate. A Inter se segurava, tirando como podia a bola da defesa.

O técnico Luciano Spalletti, então, tratou de fazer duas alterações no time que mudou o jogo. Tirou o meia Rafinha, que fazia uma grande partida, para colocar Borja Valero. Pouco depois, a alteração mais drástico e que acabou pesando contra. Tirou o artilheiro Icardi para colocar o lateral Davide Santon. E o defensor entrou muito mal em campo.

Aos 41 minutos, Santon marcava Cuadrado, que passou por ele e finalizou cruzado. Handanovic foi mal no lance e a bola entrou, mesmo com o colombiano quase sem ângulo: 2 a 2 em San Siro. O gol, claro, deixou os interistas mais nervosos em campo. E em uma cobrança de falta aos 43 minutos, Dybala cobrou na área onde estava Higuaín, marcado por Santon – ou não marcado – e o camisa 9 não desperdiçou: 3 a 2 para a Juventus, levando a minoria no estádio ao delírio.

A vitória deixa a Juventus em uma ótima situação na tabela. Mesmo que o Napoli vença neste domingo a Fiorentina, fora de casa, permanecerá um ponto atrás. A Juventus joga contra o Bologna, em casa, e depois enfrenta a Roma, fora de casa, e por fim, enfrenta o Verona em casa. O Napoli, por sua vez, joga com a Fiorentina neste domingo, depois recebe o Torino em Nápoles, visita a Sampdoria em Gênova e fecha a sua participação na Serie A contra o Crotone.

Para a Inter, a situação fica difícil pensando na briga por uma vaga na Champions League. Os quatro primeiros colocados da Serie A vão ao principal torneio continental da Europa. Além de Juventus e Napoli, os dois primeiros colocados, a Roma está em ótima posição depois de vencer neste sábado e chegar a 70 pontos. A Lazio joga no domingo e, com 67 pontos, pode chegar aos mesmos 70. A Inter permanece com 66 e torcendo contra os times da capital.

A Inter joga contra a Udinese, fora de casa, na próxima rodada, antes de enfrentar o Sassuolo em casa e fechar a sua participação em um confronto direto com a Lazio – se a distância ainda for suficiente para ser tirada. A Lazio joga contra o Torino neste domingo, antes de receber a Atalanta em Roma e enfrentar também o Crotone fora de casa, antes de fechar a participação contra a Inter.

Ficha técnica

Internazionale 2×3 Juventus

Local: San Siro, em Milão (ITA)
Árbitro: Daniele Orsato (ITA)
Gols: Douglas Costa aos 13’/1T, Cuadrado aos 41’/2T, Higuaín aos 43’/2T (Juventus), Icardi aos 7’/2T, Barzagli, contra, aos 20’/2T (Inter)
Cartões amarelos: Cuadrado, Barzagli, Pjanic, Manduzkic, Alex Sandro (Juventus), D’Ambrosio, Brozovic (Inter)
Cartões vermelhos: Vecino (Inter)

Internazionale

Samir Handanovic; João Cancelo, João Miranda, Milan Skriniar e Danilo D’Ambrosio (Yann Karamoh aos 48’/2T); Marcelo Brozovic e Matías Vecino; Antonio Candreva, Rafinha (Borja Valero aos 36’/2T) e Ivan Perisic; Mauro Icardi (Davide Santon aos 40’/2T). Técnico: Luciano Spalletti

Juventus

Gianluigi Buffon; Juan Cuadrado, Daniele Rugani, Andrea Barzagli e Alex Sandro; Sami Khedira (Paulo Dybala aos 16’/2T), Miralem Pjanic (Rodrigo Betancur aos 35’/2T) e Blaisi Matuidi; Douglas Costa, Gonzalo Higuaín e Mario Madzukic (Federico Bernardeschi aos 21’/2T). Técnico: Massimiliano Allegri