Uma das famílias mais famosas no futebol na atualidade, os Tourés têm uma peculiaridade interessante. Os três irmãos, Kolo, Yaya e Ibrahim nunca fizeram sucesso ao mesmo tempo e seguiram trajetórias distintas, apesar de terem sido revelados pelo mesmo clube, o tradicional ASEC Mimosas, da Costa do Marfim, que também apresentou outros jogadores importantes do país – Kalou, Gervinho, Romaric, Ya Konnan e Eboué.

Enquanto Kolo deixou sua terra natal para defender o Arsenal, um dos maiores clubes da Inglaterra, em 2002, com apenas 20 anos, Yaya e Ibrahim se aventuraram em ligas menores. Com 18 anos, Yaya começou a trilhar o seu caminho na Europa pelo pequeno Beveren, da Bélgica, em 2001, e se juntou ao Metalurh Donetsk, dois anos depois. Nessa mesma época, o irmão mais novo, Ibrahim, também foi contratado pelo clube ucraniano.Ele era considerado um talento em potencial do futebol marfinense. Afinal, o garoto de apenas 17 anos já estava na Europa e era irmão de Kolo, que começava a despontar no Arsenal, mas não foi assim que aconteceu.

Após dois anos na Ucrânia, Yaya foi para o Olympiakos e em seguida transferiu-se para o Monaco. Apesar de não ter realizado grandes façanhas, o meio-campista teve passagens satisfatórias pelos dois clubes, principalmente no francês. Enquanto seu irmão rodava a Europa, Ibrahim permaneceu no Metalurh e em 2006 resolveu tentar a sorte no Nice. Ele estava no mesmo país que Yaya, mais uma vez, embora em um clube diferente.

Nesse intervalo, o irmão mais velho, Kolo, se consolidou como titular do Arsenal. Com boas exibições, o zagueiro era um dos melhores da Premier League entre 2003 e 2007, e levantou os últimos títulos dos Gunners, que desde 2004 tentam acabar com o incômodo jejum. Kolo fez parte do invicto campeão inglês em 2004, e também ergueu os canecos da Copa da Inglaterra e da Supercopa.

Em 2007, no entanto, a trajetória dos três irmãos sofreu uma reviravolta. Por € 10 milhões, o Barcelona resolveu apostar em Yaya Touré. Muitos cornetaram o Barça na época e não entendiam o motivo de se apostar tão alto em um meio-campista que tinha vivido uma boa temporada pelo Mônaco, mas que não tinha grandes feitos na carreira.

No mesmo ano, Ibrahim também deixou a França. Por conta de uma grave lesão na coluna, o atacante teve poucas oportunidades no Nice, e ao se recuperar, viajou para a Síria. A viagem acabou rendendo num acerto com o Al-Ittihad, de Aleppo, que já estava interessado no jogador desde os tempos de Metalurh.

Nos três anos seguintes, a vida dos irmãos não foi fácil. Kolo ainda era titular na maioria das partidas, mas não tinha o brilho dos anos anteriores pelo Arsenal, sofreu com lesões e um time enfraquecido pela perda de jogadores importantes e ausência de troféus. Apesar de tudo isso, o zagueiro foi para o Manchester City, em 2009. Ao mesmo tempo, Yaya fazia parte de um time histórico e encantador do Barcelona, mas jogou pouco e, quando titular, era mais exigido na defesa. Ibrahim, por sua vez, não fez muita coisa pelo Al-Ittihad e se transferiu para o Misr Lel Makasa, do Egito.

Em 2010, o destino reservou uma mudança de patamar para um dos irmãos. Por € 28 milhões, Yaya Touré deixou o Barça e assumiu a camisa 42 do Manchester City para jogar ao lado do irmão Kolo e viver a melhor fase da sua carreira. Com Roberto Mancini como técnico, foi descoberto um Yaya Touré que pode jogar com mais liberdade, encostando no ataque e mostrando muita qualidade técnica. Gols, belas jogadas criadas, qualidade no passe e a já conhecida força física fizeram do meio-campista um dos melhores da Premier League.

Yaya foi fundamental no fim do jejum de 44 anos e no título do Campeonato Inglês na temporada 2011/12, enquanto Kolo era reserva de Kompany e Lescott, que formaram uma excelente dupla ao longo da campanha. Continuou sendo uma das estrelas do City e da Premier League nos anos seguintes, e, nesta temporada, com Manuel Pellegrini, mostrou mais uma qualidade: as cobranças de falta. Ele foi eleito o melhor jogador da África pelo terceiro ano seguido e, provavelmente, será escolhido pela quarta vez consecutiva.

Kolo, por outro lado, trocou a reserva no Manchester City para ficar no banco do Liverpool. No entanto, a carreira do defensor de 32 anos já está na fase do declínio. A prova mais recente é a falha bizarra e a “assistência” para Anichebe marcar o gol de empate do West Bromwich contra os Reds no fim de semana.

Já o irmão mais novo, Ibrahim, que completará 29 anos em setembro, deixou o Egito no ano passado para voltar à Líbia e defender o campeão nacional, Al-Safa. Mesmo sem o sucesso esperado e a pressão por ser irmão de dois futebolistas consagrados, Ibrahim segue acreditando que ainda terá grandes dias na Europa e vai defender a seleção da Costa do Marfim. Ao contrário dos dois irmãos, Ibrahim ainda não teve chances com a camisa dos Elefantes.

Apesar das trajetórias distintas e a distância, os irmãos mantiveram a ligação e trocam pelo menos três telefonemas por semana. Ainda sonham em, quem sabe um dia, encerrarem as suas carreiras no ASEC Mimosas, juntos, mais uma vez.