Foi um massacre. Com uma facilidade incomum num confronto entre dois tricampeões mundiais, a Itália goleou a Alemanha por 4 a 1, em Florença. Em apenas 39 minutos de jogo, os donos da casa já venciam por três gols de diferença.

Essa foi a maior derrota dos alemães sobre o comando de Klinsmann, que ainda não conseguiu quebrar o tabu de não vencer seleções “do primeiro escalão” desde outubro de 2000, quando bateu a Inglaterra em Wembley.

Numa tentativa (fracassada) de armar uma linha de impedimento contra o ataque italiano, o Nationalelf levou dois gols com apenas 7 minutos de jogo. Aos 4, depois de uma cobrança de falta, Alberto Gilardino aproveitou o rebote de Jens Lehmann para abrir o placar. Três minutos depois, Luca Toni aproveitou a bobeira da zaga e ampliou. Aos 39, Camoranesi subiu sozinho e, de cabeça, fez ótima assistência para De Rossi deixar os italianos com ampla vantagem ainda no primeiro tempo.

Nos primeiros 45 minutos de jogo, a única chance alemã nasceu dos pés de Sebastian Deisler, cujo chute foi defendido com maestria por Gianluigi Buffon.

Mesmo após diversas substituições, a Alemanha continuou ineficiente apesar de começar na pressão. Depois de 20 minutos sem um chute a gol, Del Piero definiu a goleada azzurra. Gilardino cobrou lateral, Camoranesi desviou de cabeça e o juventino mergulhou para fazer o quarto gol do jogo.

Os alemães só diminuíram aos 37 minutos. Deisler cobrou escanteio da direita e o zagueiro Robert Huth, mesmo marcado, acertou um belo chute de direita.

A sorte de Jürgen Klinsmann é que sua seleção ainda terá mais um amistoso neste mês (contra os Estados Unidos, dia 22) antes da definição dos 23 jogadores que disputarão o Mundial.