Uma classificação difícil. Emocionante, como tantas vezes se vivenciou na Arena Condá durante os últimos anos. A Chapecoense foi, novamente, aquela Chapecoense que se acostumou a desafiar o impossível na Copa Sul-Americana. De volta ao torneio marcado em sua história, após a eliminação determinada pelos tribunais na Libertadores, o Verdão do Oeste provou sua força contra o Defensa y Justicia. Reverteu a derrota no jogo de ida, devolvendo o placar por 1 a 0 contra os argentinos. E, na disputa por pênaltis, Jandrei brilhou como o novo herói de luvas dos catarinenses. O goleiro voou para defender duas cobranças, selando a classificação para as oitavas de final do torneio continental. Na próxima etapa, o time enfrentará Flamengo ou Palestino, com os rubro-negros um passo à frente após o triunfo por 5 a 2 no Chile.

O jogo em Chapecó começou bastante movimentado. Os dois times criavam chances de gol, mas pecavam demais na hora de arrematar, errando o alvo. De qualquer maneira, a Chapecoense era melhor. Pressionava no campo de ataque, cavando os espaços na sólida defesa adversária. Merecidamente, abriu o placar aos 24 minutos. Após cobrança de escanteio de Reinaldo, Túlio de Melo saltou mais que a defesa e cabeceou com firmeza, balançando as redes dos argentinos. Com a vantagem, o Verdão do Oeste diminuiu o ritmo. Já o Defensa y Justicia tentou sair mais para o jogo, mas não ameaçou de maneira tão concreta.

Durante o segundo tempo, a Chapecoense bem que poderia ter ampliado. Por mais que faltasse ímpeto de ambos os lados, os melhores lances eram dos anfitriões, principalmente nas bolas paradas. Já aos 26, Arthur Caike saiu de cara para o gol, mas errou o alvo ao tirar do alcance do goleiro. Os argentinos responderam do outro lado, em finalização que passou por Jandrei, mas foi para fora. Os dois times não primavam na criação, em disputa intensa pela bola. A classificação estava mesmo fadada aos pênaltis.

Na marca da cal, a competência prevaleceu no início. Luiz Antônio, Luis Jérez, Wellington Paulista, Hernán Fredes e Fabrício Bruno converteram. Já na terceira cobrança do Defensa y Justicia, Jandrei começou a brilhar. Mariano Bareiro bateu mal e o goleiro espalmou. Na sequência, Lourency deixou a classificação nas mãos da Chape. Nas mãos de Jandrei. O camisa 24 buscou o chute de Daniel González no outro canto e correu para o abraço. Assim como Danilo fez há um ano, contra o Independiente, o arqueiro decidiu. Na mesma meta onde o eterno ídolo viveu grandes momentos na campanha da Sul-Americana de 2016.

A Chapecoense sai revigorada do duelo contra o Defensa y Justicia. Em recuperação no Campeonato Brasileiro, avança na Copa Sul-Americana, o torneio que ocupou os sonhos de sua torcida ao longo dos últimos dois anos. Que engrandeceu os saudosos heróis da Arena Condá. O objetivo na temporada segue claro, com a permanência na Série A devendo ditar o planejamento dos catarinenses. Independentemente disso, é bom celebrar o sucesso na competição continental. Não apenas por marcar mais uma etapa na reconstrução do Verdão do Oeste, como também para honrar a memória de tudo o que se viveu no clube.