James Rodríguez foi o grande construtor das jogadas colombianas e deixou Jackson Martínez duas vezes na Copa do Mundo  (AP Photo/Felipe Dana)

Japão 1×4 Colômbia: talento de James destroça samurais

A crônica

A Colômbia estava classificada e poupou alguns dos seus principais jogadores. O Japão, precisando da classificação, poderia aproveitar para tentar uma difícil vitória para classificar. Não deu pinta disso em nenhum momento. Mesmo recheada de reservas, os Cafeteros fizeram de Cuiabá novamente a sua casa no Brasil, com muitos colombianos no estádio, e contaram com o talento de James Rodríguez para aplicar um 4 a 1. Com isso, a Colômbia termina a primeira fase com três vitórias e nove gols marcados.

Jackson Martínez e Adrian Ramos formaram o ataque e tiveram sua chance de provar o seu valor na disputa por um lugar no time para as oitavas de final. Jackson Martínez foi quem melhor aproveitou, com dois gols marcados e uma gama de boas jogadas. Os gols são importantes para dar confiança a um jogador que vem de boas temporadas no Porto e pode ser uma arma importante como centroavante, caso o time precise. Até porque Téo Gutierrez, que assumiu a camisa 9 com a ausência de Falcao García, não é exatamente um jogador da posição, embora esteja atuando assim.

Quintero, meia talentoso que entrou bem no jogo contra a Costa do Marfim, teve a chance de, desta vez, começar jogando. Não aproveitou. Seus 45 minutos em campo foram burocráticos e pouco criativos, diferente do que se espera dele. James Rodríguez, ao entrar, mudou o jogo. Levou a Colômbia do empate a uma goleada, participando dos três gols, em três grandes jogadas do camisa 10.

O Japão, sem conseguir reagir, tinha em Honda o seu único ponto que se salvava. A defesa, dando espaços, e o goleiro Kawashima, inseguro, não deram ao time o que era necessário para ter tranquilidade na frente. No ataque, Okazaki marcou, mas o time não teve novamente um bom número de chances.

A Colômbia termina a fase de grupos como um dos times de melhor futebol. Isso vale, e dá confiança e uma equipe que não jogava um Mundial desde 1998, na França. É importante também que o time saiba que o mata-mata será outra competição, completamente diferente, onde o bom futebol dos três primeiros jogos não influencia em nada e não traz nenhuma vantagem. É claro que é bom jogar melhor, o time chega mais confiante, mas o adversário dos colombianos será o Uruguai, que além do enorme peso na camisa, tem uma equipe que se caracteriza por lutar até a última gota de suor.

Vale mencionar que o goleiro Faryd Mondragón entrou em campo no final, em uma homenagem justa feita por Pekerman ao goleiro. Aos 43 anos, ele se tornou o mais velho jogador a entrar em campo em uma Copa do Mundo. Um jogador que esteve na Copa de 1994 e 1998, quando a Colômbia tinha uma geração de talentos liderada pelo seu camisa 10, Carlos Valderrama. Em 2014, 20 anos depois daquela primeira Copa, o camisa 10 colombiano é novamente o maior talento do time. James Rodríguez, 22 anos, pode levar a Colômbia longe, se o time souber como enfrentar seus adversários.

FICHA TÉCNICA

Japão x Colômbia

Japão

Eije Kawashima; Atsuto Uchida, Maya Yoshida, Yasuyuki Konno e Yuto Nagatomo; Toshihiro Aoyama (Hotaru Yamaguchi 17′/2T) e Makoto Hasebe; Yoshito Okubo, Keisuke Honda e Shinji Kagawa (Hiroshi Kiyotake, 40′/2T); Shinji Okazaki (Yoishiro Kakitani, 24′/2T). Técnico: Alberto Zaccheroni

Colômbia

David Ospina (Faryd Mondragón, 40′/2T); Santiago Arias, Carlos Valdés, Eder Balanta, Pablo Armero; Juan Cuadrado (Juan Carbonero, intervalo), Freddy Guarín, Alexander Mejía e Juan Quintero (James Rodríguez, intervalo); Adrian Ramos e Jackson Martínez. Técnico: José Pekerman

Local: Arena Pantanal, em Cuiabá
Árbitro: Pedro Proença (POR)
Gols: Cuadrado (pen), 17′/1T, Okazaki, 45′/1T, Martínez, 10′/1T, Martínez 37′/2T, James Rodríguez, 44′/2T
Cartões amarelos: Konno, Guarín
Cartões vermelhos: nenhum

O cara

James Rodríguez

Foi um craque, entrou comendo a bola e mostrou a Quintero que um pouco de vontade é necessário para jogar. O camisa 10 foi poupado no início do jogo, entrou na etapa final e simplesmente destruiu. Foi dele a jogada do segundo gol, foi dele o passe para o terceiro gol e foi dele o quarto gol. Todas em jogadas fantásticas. James é um dos destaques da Copa do Mundo até aqui e vai confirmando as expectativas que foram criadas sobre ele. E já tem três gols na Copa.

Os gols

17′/1T: GOL DA COLÔMBIA!

Adrian Ramos foi lançado e derrubado por Konno dentro da área. Pênalti bem marcado pelo árbitro. Cuadrado cobrou e marcou 1 a 0.

46′/2T: GOL DO JAPÃO!

Cruzamento para a área que Okazaki, de peixinho, conseguiu completar para o gol e marcar.

10′/2T: GOL DA COLÔMBIA!

Jogadaça de James Rodríguez, que tocou na esquerda para Jackson Martínez finalizar de pé esquerdo e marcar. A zaga e o goleiro japonês ajudaram.

44′/2T: GOL DA COLÔMBIA!

O maior golaço do jogo. James Rodríguez recebeu a bola pela esquerda, partiu em velocidade para cima de Yushida, deixou o zagueiro japonês no chão e tocou com uma cavadinha por cima do goleiro. Um golaço para fechar a conta em Cuiabá.

A Tática

Japão x Colômbia

O Japão manteve o seu esquema base, desta vez voltando com Kagawa ao time titular. Honda foi o armador central, com Kagawa caindo pela esquerda e Okubo e Okazaki revezando suas posições como atacante pela direita e centroavante, respectivamente. Na Colômbia, desta vez o time jogou com dois atacantes mais centralizados.

A Estatística

43

Aos 43 anos e 3 dias, Mondragón se tornou o jogador mais velho a entrar em campo na história das Copas do Mundo. Bate o recorde de Roger Milla, que jogou com 42 anos e 39 dias em 1994. Um momento histórico para o futebol, com um jogador que disputou as Copas do Mundo de 1994 e 1998 antes de atuar neste ano.