Gabi comemora gol do Atlético de Madrid sobre o Real pelo Campeonato Espanhol (AP Photo/Andres Kudacki)

Jogador por jogador, com quem o Atlético de Madrid conta para conquistar a Europa

GOLEIROS

1- Daniel Aranzubia
Goleiro, 34 anos, espanhol

Chegou ao Atlético de Madrid nesta temporada para ser o reserva de Courtois. Nascido no País Basco, em Logroño, fez a sua carreira especialmente em dois clubes: Athletic Bilbao e Deportivo La Coruña. Defendeu o primeiro de 2000 a 2008 e o segundo de 2008 a 2013. Começou a carreira no time B do Athletic Bilbao, em 1996, e chegou a defender o Baskonia, clube menor da região do País Basco em uma temporada. Jogou também por seleções de base da Espanha, especialmente a sub-21, entre 1999 e 2001. Deverá ser banco de reservas, só entrará mesmo se Courtois tiver algum problema.

13 – Thibaut Courtois
Goleiro, 22 anos, belga

Ainda muito jovem, surgiu como uma promessa do futebol belga em 2009, no Genk. Ficou lá até 2011, quando o Chelsea tratou de contratá-lo. Naquele mesmo ano, o time azul de Londres o repassou, por empréstimo, ao Atlético de Madrid, onde ele está até hoje. Tornou-se titular da seleção belga e um dos destaques da tão falada geração do país. Tem sido destaque do time desde que chegou, fazendo grandes partidas. Nesta temporada, é um dos responsáveis pelo enorme sucesso do time de Diego Simeone, fazendo grandes defesas. Tanto que seu futuro já é especulado como uma séria ameaça à posição de Petr Cech, um dos maiores goleiros do mundo e uma lenda do Chelsea. O futuro não se sabe, mas o presente é que Courtois pode ser crucial na final contra o Real Madrid.

DEFENSORES

2 – Diego Godín
Zagueiro, 28 anos, uruguaio

O uruguaio chegou ao Atlético de Madrid em 2010, vindo do Villarreal. No começo, não foi tão bem quando esperado, mas conseguiu se recuperar e foi muito bem. Em um time que depende tanto do poder de marcação, é importante que os zagueiros sejam seguros, e isso Godín foi. Formou, ao lado de Miranda, a última linha defensiva do Atlético e com muita competência. Seja pelo alto, seja por baixo, o zagueiro uruguaio mostrou por que tem que ser titular da seleção uruguaia na Copa do Mundo.

3 – Filipe Luís
Lateral esquerdo, 28 anos, brasileiro

Contratado junto ao Deportivo em 2010, Filipe chegou para ser titular e desde então tem sido um ponto positivo do time. Depois de surgir no Figueirense, em 2003, foi para o Ajax em 2004. Curiosamente, passou pelo Real Madrid B em 2005/06, antes de chegar ao Deportivo La Coruña em 2006. Foi um jogador importante para o time e, ao contrário da maioria dos laterais brasileiros, tem boa capacidade de marcação e sabe se posicionar para marcar. Tem força ofensiva para chegar bem à frente, a ponto de José Mourinho se preocupar a ponto de colocar dois laterais em campo, só para bloquear esse seu lado. Pode ser uma arma importante do Atlético na final, certamente obrigando que Bale, que provavelmente ficará pelo seu lado, volte para marcá-lo em alguns momentos.

12 – Toby Alderweireld
Zagueiro, 25 anos, belga

Contratado nesta temporada, o zagueiro surgiu no Ajax, em 2008. Foi trazido ao Atlético por Simeone por € 7 milhões, com contrato de quatro anos. Chegou para ser um reserva e entrou na ausência dos zagueiros titulares. Embora seja um bom zagueiro, tem momentos de bastante insegurança, como na partida contra o Málaga, na penúltima rodada do Campeonato Espanhol, quando falhou e quase comprometeu. No mesmo jogo, ele mesmo marcou o gol de empate. Além de zagueiro, pode jogar também como lateral direito. Será opção de Simeone precise.

18 – José María Giménez
Zagueiro/Lateral direito, 19 anos, uruguaio

Chegou nesta temporada do Danubio, do Uruguai, e ainda é uma promessa. Estreou pelo time no dia 14 de setembro, mas jogou pouco na temporada e é uma opção apenas em último caso. Como é jovem, é um jogador mais para o futuro do Atlético. Se destacou antes pela seleção sub-20 do Uruguai e pode acabar fora até do banco de reservas para a final.

20 – Juanfran
Lateral direito, 29 anos, espanhol

Um destaque do Atlético na temporada, chegou ao clube em 2011, contratado junto ao Osasuna. Passou por seleções de base do país e já esteve na seleção espanhola em seis jogos, sendo a primeira em 2012. Tem boa condição de apoio, seu principal destaque, mas é importante também na marcação. Está na pré-lista de Vicente Del Bosque para a seleção espanhola para a Copa do Mundo e pode vir para o Brasil, inclusive disputando posição no time titular com Carvajal, que será seu rival pelo Real Madrid nesta final.

Juanfran e Miranda fecham o espaço de Messi (AP Photo/Paul White)

Juanfran e Miranda fecham o espaço de Messi (AP Photo/Paul White)

22 – Emiliano Insúa
Lateral esquerdo, 25 anos, argentino

Depois de surgir como um destaque no Boca Juniors em 2007, foi contratado pelo Liverpool, mas não conseguiu ir bem no clube inglês. Chegou a jogar pelo Galatasaray e pelo Sporting, antes de chegar ao Atlético nesta temporada, por € 3,5 milhões. É um lateral promissor, tem boa capacidade ofensiva, mas não oferece tanta segurança defensiva. Chegou a jogar pela seleção de base argentina no sub-20 e no sub-23 e foi para a seleção principal em 2009. É o reserva de Filipe Luís e deve ser opção no banco de reservas.

23 – Miranda
Zagueiro, 29 anos, brasileiro

Um dos destaques da temporada europeia. O zagueiro brasileiro, ex-São Paulo, ganhou destaque com Diego Simeone no comando do time e foi um dos melhores, se não o melhor, na sua posição nesta temporada. Foi destaque pelo alto, especialmente defensivamente, mas também aparecendo no ataque eventualmente. A principal característica do zagueiro é o bom posicionamento e se tornou jogador de confiança do técnico. Enfrentando um ataque tão forte como o do Real Madrid, uma boa atuação do brasileiro será importante.

MEIO-CAMPISTAS

4 – Mario Suárez
Volante, 27 anos, espanhol

Revelado pelo Atlético de Madrid em 2004, jogou pelo time B do clube antes de subir ao elenco principal em 2005. Foi emprestado ao Valladolid e ao Celta antes de ser vendido ao Mallorca, em 2008. Contratado novamente pelos Colchoneros em 2010, é reserva, mas é importante e joga com bastante frequência. Tanto que o volante esteve em campo em 22 jogos na temporada. Considerando o desgaste do Atlético de Madrid na temporada, é possível que entre em campo durante a final para substituir um dos titulares, caso o jogo esteja muito desgastante, até pelo papel dos volantes do time.

5 – Tiago
Volante, 33 anos, português

Jogador experiente, chegou ao Atlético de Madrid em 2010, por empréstimo da Juventus, e ficou. Depois de começar a carreira no Braga, em 1999, passou pelo Benfica, Chelsea, Lyon e Juventus antes de chegar aos Colchoneros. É um jogador importante para o time na marcação e fez grandes partidas pelo time na temporada, inclusive no jogo contra o Barcelona, nas quartas de final, que decidiu a classificação da equipe para a semifinal. Na final, deve ser titular e formar a dupla de volantes ao lado do capitão Gabi. Como a final será em Lisboa e já jogou pelo Benfica, jogará em casa na Luz.

6 – Koke
Meia, 22 anos, espanhol

Fruto das categorias de base do Atlético, jogou pelo time B da equipe desde 2008. A partir de 2009, passou a integrar o elenco principal de forma eventual, antes de ser incorporado definitivamente ao time de cima. Jogou nas categorias de base das seleções espanholas e passou a ser chamado também para a seleção principal da Espanha em 2013. É um jogador versátil, que pode atuar tanto pelo meio quanto pelos lados do campo, onde ele atua normalmente. É um jogador de passe, sua principal característica, e até por isso é cotado como um potencial substituto de Xavi na Roja. É um dos principais jogadores do Atlético de Madrid e passa por ele grande parte da criação ofensiva do time, mas também faz seus gols, tanto que foi dele o gol da vitória e da classificação contra o Barcelona, nas quartas de final.

8 – Raúl García
Meia, 27 anos, espanhol

Surgiu no Osasuna, em 2004, e chegou ao Atlético de Madrid em 2007. Não conseguiu se firmar e acabou emprestado ao seu clube original, o Osasuna, na temporada 2011/12, e foi bem, atuando ofensivamente e marcando 11 gols. Mas foi quando ele voltou que, já com Simeone no comando, passou a ser um jogador importante do time. Originalmente, jogava de volante, foi adiantado para o meio-campo ofensivo e no Atlético atua muitas vezes também como atacante. Aliás, é uma possibilidade para a final, com a provável ausência de Diego Costa. É um dos melhores do time pelo alto e deve ser uma arma nesse sentido também.

10 – Arda Turan
Meia, 27 anos, turco

Turan chegou ao Atlético em 2011 e ganhou espaço aos poucos no time. Era um dos destaques do Galatasaray e, não por acaso, custou € 12 milhões aos cofres do clube. Tornou-se uma peça-chave do time nesta temporada, incorporando como pouco o espírito que tanto Simeone quer no time. É muito técnico, tem boa finalização e visão de jogo e tem uma raça acima do normal. O visual de Rei Leônidas, personagem do filme “300”, e o fato de não falar espanhol ajudam a criar o mito. Apesar de ter saído do jogo contra o Barcelona machucado, deverá jogar a final e é importante para que o Atlético consiga atacar e criar problemas ao Real Madrid.

Arda Turan, do Atlético de Madrid, festeja gol contra o Chelsea (AP Photo/Kirsty Wigglesworth)

Arda Turan, do Atlético de Madrid, festeja gol contra o Chelsea (AP Photo/Kirsty Wigglesworth)

11 – Cristián Rodríguez
Meia, 28 anos, uruguaio

Chegou ao Atlético de Madrid vindo do Porto, em 2012, mas sempre foi reserva. Nascido no Peñarol em 2002, passou por Paris Saint-Germain (antes dos anos de ouro, entre 2005 e 2008), Benfica, na temporada 2007/08, de 2008 a 2012 no Porto e desde então no Atlético de Madrid. Pode atuar pelos dois lados do campo, onde normalmente entra. É jogador da seleção uruguaia e deve ir à Copa do Mundo. Provavelmente irá compor o banco de reservas da final.

14 – Gabi
Volante, 30 anos, espanhol

Capitão do time, Gabi é a personalização de Simeone em campo. Primeiro, pelas coincidências: ele usa o número 14, é volante e é um líder, exatamente como o técnico. Muito embora Simeone tenha ganhado fama especialmente no fim da carreira por ser violento, era também um jogador de muita capacidade técnica. Gabi não é um jogador violento, mas é muito técnico e organiza o time a partir do meio-campo. Sua principal função é a marcação, mas é importante para a saída de bola também, ainda mais em um jogo que o time pode ser pressionado. É também o jogador da bola parada, cobra escanteios e faltas, uma das maiores armas do time.

24 – José Sosa
Meia, 28 anos, argentino

Contratado no meio da temporada junto ao Metalist, da Ucrânia, chegou para compor elenco e dar opção a um time que tem um elenco curto. É meia e pode atuar tanto pelo meio quanto pelos lados, até fazendo o papel de segundo atacante, se for preciso. O jogador, ex-Estudiantes, Bayern de Munique e Napoli, está emprestado pelo Metalist até o final da temporada. Entrou bem em muitos jogos e sua contratação seria um acerto para um time que precisa manter um elenco mais recheado para a próxima temporada, que deve ser também muito pesada. Na final, deve ser uma opção para o banco de reservas.

26 – Diego
Meia, 29 anos, brasileiro

Diego surgiu como promessa de craque em 2002 como camisa 10 do Santos, campeão brasileiro daquele ano. Desde então, alternou bons e maus momentos, mas nunca se confirmou como o craque pareceu. Mesmo assim, teve uma carreira boa na Europa, atuado primeiro pelo Porto, onde foi muito bem, Werder Bremen, onde foi ídolo, uma temporada sem sucesso na Juventus e depois quatro anos no Wolfsburg, onde alternou momentos bons e ruins. Ultimamente, vinha bem, mas como seu contrato ia terminar, acertou com o Atlético até o final da temporada, por empréstimo, em janeiro. Assim como Sosa, chegou para dar opções a um elenco curto. Deve continuar no clube, até pelo papel importante que desempenha entrando no time, como reserva, como deve ser também na final.

ATACANTES

7 – Adrián
Atacante, 26 anos, espanhol

Depois de se destacar muito na temporada passada, começou no banco de reservas nesta. Aos poucos, porém, mostrou como pode ser útil e ganhou também a confiança de Simeone. Começou a carreira no Oviedo, passou pelo Deportivo La Coruña, Alavés, Málaga e chegou ao Atlético em 2011. Foi reserva na maior parte desta temporada, com 10 jogos como titular na temporada e outros 20 vindo do banco. É uma opção para tentar mudar o jogo e, sem Diego Costa, é candidato até mesmo a começar a partida como titular, ao lado de David Villa.

9 – David Villa
Atacante, 32 anos, espanhol

Atacante consagrado do futebol espanhol, fez sucesso no Sporting Gijón, entre 2001 e 2003, jogou pelo Zaragoza até 2005 antes de brilhar pelo Valencia até 2010. Foi para o Barcelona depois da Copa do Mundo da África do Sul e foi crucial no sucesso do time, que já era bem sucedido sem ele. Perdeu espaço na última temporada e trocou Barcelona por Madri, para jogar pelo Atlético. O negócio foi um sucesso, já que ele foi bem, marcando 13 gols na temporada. Depois do bom início de temporada, teve uma queda de rendimento e figurou no banco de reservas em alguns jogos. É titular do time e, sem Diego Costa, deverá começar jogando contra o Real Madrid.

19 – Diego Costa
Atacante, 25 anos, brasileiro/espanhol

Brasileiro de nascimento, Diego Costa chegou a jogar dois amistosos pelo Brasil em 2013, já sob o comando de Felipão, mas não agradou. Já tinha feito uma grande temporada ao lado de Falcao García, tanto que ganhou a sua posição no time mesmo com o colombiano fazendo chover. Com a saída dele, assumiu o protagonista e tornou-se um artilheiro nato. São 35 gols na temporada em 43 jogos e é, sem dúvida, o principal jogador do time. Lesionado, deve ficar fora da final, mas não dá para duvidar que tentará se recuperar a todo custo para a partida.

Diego Costa em partida contra o Barcelona (AP Photo/Manu Fernandez)

Diego Costa em partida contra o Barcelona (AP Photo/Manu Fernandez)

TÉCNICO

Diego Simeone
44 anos, argentino

Começou a carreira como técnico no Racing, em 2006, e teve sucesso no Estudiantes, em 2006 a 2007. Foi para o River Plate, onde ainda conseguiu conquistar o título, mas deixou o clube depois de uma péssima campanha no torneio seguinte. Passou também pelo San Lorenzo, entre 2008 a 2010, mas novamente não foi bem. Foi para o Catania em 2011, salvou o time do rebaixamento em seis meses e deixou o clube em seguida. Ficou no Racing por um semestre, mas em dezembro de 2011 assumiu como técnico do Atlético de Madrid, onde foi ídolo como jogador, substituindo Gregorio Manzano. Desde então, mudou a sua história e a do Atlético.

Levou o título da Liga Europa em 2011/12, da Supercopa da Europa em 2012 e da Copa do Rei em 2012/13. Levou o time de volta à Liga dos Campeões sob o seu comando e, nesta temporada, chegou ao ápice: a conquista do título do Campeonato Espanhol no último sábado, contra o Barcelona, no Camp Nou, na última rodada. Além disso, faz campanha histórica na Liga dos Campeões, passando por Milan, Barcelona e Chelsea no mata-mata. Na final, encara o Real Madrid, grande rival da cidade, e chega em uma situação que parecia impossível há alguns anos: em pé de igualdade dentro de campo – ainda que fora dele a diferença continue gigantesca. O mérito é, em grande parte, do treinador, que armou um time dentro das possibilidades do elenco.