Espanha

Casillas – 3,5

Falhou duas vezes no segundo gol, e talvez pudesse ter evitado o drible que sofreu no primeiro. Além disso, esteve inseguro. Parece ter perdido a confiança depois dos erros contra a Holanda.

Azpilicueta – 4

Alexis Sánchez fez o que quis em cima dele. Atuação muito abaixo da crítica.

Javi Martínez – 4

Perdido em campo, não sabia como parar o ataque chileno. Não fosse o preciosismo dos adversários, poderia sair com uma conta maior.

Sergio Ramos – 5

Foi o defensor mais decente da Espanha. Ficou perdido em um time bagunçado, mas mostrou mais raça para tentar evitar um vexame maior.

Jordi Alba – 4,5

Não seu opções ofensivas pela esquerda, uma de suas virtudes. Além disso, suas costas foram muito exploradas durante a partida. O primeiro gol surgiu por ali.

Busquets – 4,5

Ficou sobrecarregado, e acabou não dando conta. O problema é que acabou perdendo uma oportunidade clara, que recolocaria a Espanha na partida.

Xabi Alonso – 3,5

Horrível, tenebroso. Tudo o que tentava dava errado. Dia para esquecer.

(Koke) – 4

Entrou para dar mais dinamismo para a Espanha, mas ficou sumido e ainda deixou o time mais aberto.

Iniesta – 4,5

É triste ver um jogador como Iniesta dentro de uma equipe tão desestruturada. Ele não tinha com quem jogar, e acabava errando.

David Silva – 4

Omisso em campo, mal apareceu na partida.

Pedro – 4

Uma de suas grandes virtudes é a leitura de jogo que lhe permite encaixar em uma equipe bem montada. Mas, em uma equipe desmontada, ele acabou sem função.

(Cazorla) – 5

Entrou em um momento em que a Espanha já aceitava a derrota. Então, nem teve tempo ou chance de fazer muita coisa. Mas tentou.

Diego Costa – 4,5

Correu muito, lutou, mas ficou isolado. A Espanha não sabe jogar com um centroavante e ele acabou sacrificado.

(Fernando Torres) – 5

Como Cazorla: não foi bem, mas nem teve tempo de abaixar tanto sua nota.

Chile

Bravo – 7

Não precisou fazer defesas espetaculares, mas foi muito exigido pelo excesso de bolas que a Espanha jogou na área do Chile. E foi seguro o tempo todo.

Medel – 7

Esteve sempre bem posicionado, antecipando-se aos atacantes espanhóis e liderando o trio defensivo.

Silva – 6

Foi seguro. Não fez nada de sensacional, mas não comprometeu.

Jara – 5,5

Sofreu um pouco mais com a tentativa de pressão da Espanha.

Isla – 6

Poderia ter avançado mais, mas tem o crédito de ter salvado o Chile de uma grande chance de Diego Costa.

Mena – 6,5

Subiu um pouco mais, ajudou a puxar alguns contra-ataques.

Aránguiz – 7,5

Foi o grande articulador do meio-campo chileno. Era o responsável por ligar a defesa ao meio-campo.

(Gutiérrez) – 6,5

Entrou quando o jogo já estava moralmente decidido, nem teve oportunidade de fazer tanta coisa.

Díaz – 6

Jogador mais discreto do meio-campo chileno.

Vidal – 7,5

O líder da equipe. Distribuía o jogo na frente, formando boa parceria como Aránguiz.

(Carmona) – sem nota

Ficou pouco tempo em campo.

Vargas – 6,5

Apareceu bastante no jogo, mas errou um pouco além da conta no começo. Depois de marcar seu gol, se tranquilizou e cresceu.

(Valdívia) – sem nota

Ficou pouco tempo em campo.

Alexis Sánchez – 7,5

A defesa espanhola está até agora procurando o atacante do Barcelona. Criou muito espaço pelas pontas, teria dado muitas assistências se o Chile tivesse um centroavante no nível de Zamorano ou Salas.

Árbitro

Mark Geiger (Estados Unidos) – 6,5

A Espanha ficou entregue rápido, e o jogo acabou não apresentando grandes dificuldades. Ele cometeu pequenos errinhos, até por relaxamento de um jogo tranquilo.