Itália

Gianluigi Buffon – 6,5

Fez boas defesas, como no chute forte de Bolaños no primeiro tempo, e não teve culpa no gol da Costa Rica.

Ignazio Abate – 4,5

Não foi na bola no cruzamento que resultou no gol costarriquenho, mesmo sem ter outro adversário com o qual se preocupar. Também não apoiou o ataque italiano.

Andrea Barzagli - 5,5

No geral, foi bem nas interceptações. No gol da Costa Rica, não era sua responsabilidade marcar Ruiz dentro da área, então não há nenhuma possibilidade de responsabilizá-lo de alguma forma pelo resultado.

Giorgio Chiellini - 6

Foi bem na partida, mas poderia ter evitado o lance-chave do jogo. No momento do gol, deixou Ruiz passar às suas costas. Além disso, foi quem cometeu o pênalti legítimo não marcado em Campbell.

Matteo Darmian - 5

Foi o lateral italiano que mais apoiou no ataque, chegando a quase empatar o jogo em uma boa jogada individual no começo do segundo tempo. Poderia ter sido melhor defensivamente, como no gol de Ruiz, que estava do seu lado no momento.

Daniele De Rossi – 6,5

Foi o melhor no meio de campo da Itália. Marcou bem e fez seu papel de começar as jogadas italianos. Foi o que mais deu passes no jogo e com muita precisão (90% de 106). Não teve culpa que a Azzurra não soube o que fazer na frente.

Antonio Candreva – 4,5

Muito abaixo da primeira partida. Foi praticamente inexistente no setor ofensivo italiano e errou muitos passes (apenas 65% de acerto).

(Lorenzo Insigne) – 4,5

Teve alguns minutos a menos que Cassano, mas, como o jogador do Parma, não fez nada aberto pela esquerda.

Thiago Motta – 6

Nos 45 minutos que jogou, foi bem. Não comprometeu no meio do campo, acertou todos os 34 passes que deu e fez interceptações quando precisou.

(Antonio Cassano) – 4,5

Entrou no intervalo para deixar o ataque mais incisivo, mas não mudou a partida para a Itália. Participou pouco do jogo.

Andrea Pirlo – 6

Deu um belo lançamento de primeira do meio do campo para Balotelli quase marcar um golaço por cobertura. Acertou boa parte de seus passes, como esperado, mas não conseguiu conduzir a Itália ao domínio do jogo.

Claudio Marchisio – 5

Um dos responsáveis por armar os ataques da Itália, Marchisio não fez diferença no jogo, foi basicamente anulado por Gamboa e não criou chances boas de gol para os companheiros.

(Alessio Cerci) – 5

Concentrou as jogadas ofensivas em seu lado quando entrou, mas não foi capaz de alguma jogada criativa que ajudasse a Itália a buscar o empate.

Mario Balotelli – 6

Teve as melhores chances da Itália, mas foi parado por Keylor Navas. Poderia ter se movimentado mais para receber a bola dos companheiros.

Costa Rica

Keylor Navas – 7,5

A Itália não foi bem ofensivamente, mas Navas foi ótimo quando exigido. Fez uma bela defesa em um sem-pulo de Balotelli, espalmou para escanteio uma bomba de Darmian e fez defesa difícil em cobrança de falta de Pirlo.

Cristian Gamboa – 6

Parte do motivo pelo qual Marchisio não jogou foi a boa marcação de Gamboa. Foi o que menos atacou, portanto, sendo importante defensivamente.

Óscar Duarte – 6

Fez partida segura, embora seja verdade que a criação de jogadas italiana esteve longe do seu melhor.

Giancarlo González - 6,5

Fez a festa nos desarmes contra os italianos, aproveitando-se da insistência da Itália na mesma jogada. Foram seis interceptações no jogo e quatro desarmes.

Michael Umaña – 6

Com três desarmes e três interceptações, foi o segundo melhor da zaga costarriquenha. Como Díaz apoiava o ataque, precisava se desdobrar no canto esquerdo da defesa para compensar isso e o fez bem.

Júnior Díaz – 7

Muito bem defensivamente, não deixou Candreva e Cerci jogarem. Nos lances ofensivos, também foi bem, apoiando bastante pela esquerda e acertando o cruzamento super preciso para o gol de Ruiz.

Bryan Ruiz – 7

Jogando aberto pela ponta, foi importante para os lances ofensivos da Costa Rica. Decidiu o jogo com o gol da vitória, ao aparecer na segunda trave para cabecear para a rede.

(Randall Brenes) – Sem nota

Celso Borges – 6

Fez o meio de campo da Costa Rica funcionar. Foi o que mais deu passes na equipe e acertou boa parte deles. Além disso, acertou todas as bolas longas que tentou para o ataque.

Yeltsin Tejeda – 6

Apesar de não ter sido o mais preciso nos passes, foi quem mais fez a bola se movimentar no meio de campo costarriquenho no período em que esteve em campo, dando 39 toques para companheiros.

(José Cubero) – 5

Não manteve o nível de Tejeda e levou um cartão amarelo apenas três minutos após entrar em campo. De seis passes, errou metade.

Christian Bolaños – 6,5

Foi importante na criação de jogadas, com passes-chave. Buscou finalizar de longe e acertou os dois chutes que tentou. Com Díaz, deu trabalho a Darmian.

Joel Campbell – 6

Foi ágil no ataque, se apresentava bem para os lances e foi constante ameaça à defesa italiana, mesmo sem ter finalizado a gol.  Sofreu o pênalti não marcado por Osses no final do primeiro tempo.

(Marcos Ureña) – 5

Participou muito pouco do jogo, já que entrou em um momento em que a Costa Rica não buscava muito o ataque.

Árbitro

Enrique Osses – 4,5

Apitava relativamente longe dos lances, o que resultou na péssima decisão de não marcar o pênalti claro de Chielli em Campbell, no final do primeiro tempo.