SUÍÇA

Diego Benaglio – 6

Não teve culpa no gol do Equador e se saiu bem quando foi exigido. Falhou apenas em uma saída de gol, que acabou salva pela zaga.

Stefan Lichtsteiner – 6,5

Muito bem no apoio do lado direito, não apareceu tanto durante o segundo tempo. Teve trabalho contra o rápido ataque equatoriano, mas conseguiu se safar.

Johan Djourou – 6

Bastante sólido na defesa, o zagueiro foi bem nos lances mano a mano, que não costumam ser seu forte. Entretanto, alguns deslizes quase entregaram o ouro a La Tri.

Steve von Bergen – 5,5

Não foi tão bem quanto o seu parceiro de zaga, mas conseguiu frear o ataque equatoriano na medida do possível.

Ricardo Rodríguez – 7,5

O melhor em campo. Bloqueou muito bem o lado esquerdo da defesa, onde os equatorianos não se criaram tanto e foi excelente no apoio. Os dois gols nasceram a partir de seus cruzamentos.

Gökhan Inler – 6,5

Ajudou a controlar o meio-campo e criou espaços aos seus companheiros mais à frente. Mas, na marcação, por vezes deixou muitos espaços às suas costas.

Valon Behrami – 7

Foi discreto o jogo todo, mas o esteio da equipe. Foi quem mais distribuiu o jogo e o segundo com mais desarmes. No final, sua roubada de bola foi capital para a virada.

Xherdan Shaqiri – 7

Diante da responsabilidade de ser o craque do time, chamou bastante a responsabilidade. Serviu bem os companheiros e arriscou muito a gol. Faltou calibrar mais o pé.

Granit Xhaka – 6,5

Centralizado à frente dos volantes, não foi um jogador criativo, mas participou bastante dos ataques e ajudou a dar liberdade aos homens de lado do campo.

Valentin Stocker – 5

Pouco efetivo durante o primeiro tempo, acabou substituído no intervalo

(Admir Mehmedi) – 6

Saiu do banco e, logo na primeira vez em que pegou na bola, já marcou o gol. Mas não foi tão bem assim na sequência e desperdiçou contra-ataques.

Josip Drmic – 5,5

Nulo durante quase todo o tempo em que esteve em campo, teve um gol mal anulado.

(Haris Seferovic) – 6

Mesmo com apenas 15 minutos em campo, mostrou mais mobilidade e presença de área do que Drmic. Marcou o gol da virada.

EQUADOR

Alexander Domínguez – 4,5

Não falhou nos gols, mas não transmitiu confiança nenhuma. Suas saídas atrapalhadas do gol foram muitas.

Juan Carlos Paredes – 6

Fechou bem o lado direito do Equador e demonstrou vigor em suas subidas ao ataque. Foi importante também nos cruzamentos.

Jorge Guagua – 6

Foi importante para afastar as bolas alçadas contra a área do Equador e realizou desarmes importantes.

Frickson Erazo – 5,5

Não comprometeu tanto, embora pudesse ter feito melhor no segundo gol da Suíça. Apesar disso, não foi o zagueiro que os flamenguistas costumam execrar.

Walter Ayoví – 6,5

Principal responsável pelo desafogo do time pelo lado esquerdo, apareceu muito bem no ataque, para aproveitar os espaços deixados por Jefferson Montero e fez bom duelo contra Lichtsteiner. O passe para o gol de Enner Valencia foi seu.

Antonio Valencia – 6

Não foi o que se espera do principal nome do time. Mesmo assim, por pouco não criou o lance que decidiu a partida. Foi perfeito no contra-ataque e na bola que meteu para Arroyo desperdiçar.

Carlos Gruezo – 5

Mais encarregado das funções defensivas e da saída de bola, não comprometeu tanto, mas esteve longe de ser brilhante.

Christian Noboa – 6

Discreto em campo, ajudou com desarmes e quase fez a falta decisiva em Behrami. Não ajudou tanto no ataque e errou muitos passes.

Jefferson Montero – 7

Muito bem nas arrancadas pelo lado direito do ataque, criou problemas à defesa suíça e obrigou Benaglio a boas defesas. Também abriu espaços aos companheiros.

(João Rojas) – 5,5

Entrou em campo no final, quando Montero já estava cansado, e não manteve o mesmo ritmo da equipe no ataque.

Felipe Caicedo – 4,5

Não honrou a 11 de Chucho Benítez. Foi pouquíssimo efetivo no ataque e, por isso mesmo, acabou substituído.

(Michael Arroyo) – 4,5

Foi mais participativo que Caicedo, mesmo jogando só 20 minutos. Cobrou uma falta que deu trabalho para Benaglio. O problema é que demorou demais no lance que poderia ter dado a vitória ao Equador – e que permitiu a virada da Suíça.

Enner Valencia – 7

Foi um azougue no ataque de La Tri e, por vezes, teve que carregar o setor ofensivo sozinho. O gol foi um prêmio pela bela atuação.

ÁRBITRO

Ravshan Irmatov – 6,5

Houve um gol mal anulado da Suíça, mas o lance era difícil. Compensou pela excelente interpretação na falta sobre Behrami, deixando o jogo seguir no lance que culminou na virada.