ARGENTINA

Romero – 7,5

O goleiro pode ser bastante contestado, mas salvou a Argentina em três momentos essenciais. A principal foi em uma bola no alto de Dejagah, que foi buscar no alto.

Zabaleta – 5,5

Foi menos ativo no apoio do que se esperava, ainda que tenha ameaçado em um chute de fora da área. Deixou muito espaço por seu lado esquerdo.

Federico Fernández – 5,5

Não se demonstrou confiável por todo o tempo, especialmente no jogo pelo alto. Ao menos se redimiu em um desarme fundamental dentro da área.

Ezequiel Garay – 6

Não foi tão bem nas jogadas de velocidade, mesmo se mantendo como o ponto de segurança da defesa. Pelo alto, foi sempre bem.

Marcos Rojo – 6,5

Apontados por muitos como o ponto fraco do time, fez outra boa partida. Participou bastante na defesa e se apresentou no apoio, arriscando a gol e também servindo os companheiros.

Mascherano – 6

Não foi tão brilhante quanto no jogo contra a Bósnia, mas fez seu papel. Foi um cão de guarda para não deixar os iranianos atacarem pela faixa central e foi eficaz na saída de bola.

Gago – 6

O principal homem na distribuição de jogo dos argentinos, cumpriu bem sua função, mesmo sem ser tão brilhante. Criou oportunidades de gol e, quando precisou, também marcou.

Di María – 7,5

Quando o Irã estava mais fechado e a Argentina precisava de respiro no setor ofensivo, que garantia era Di María. Sua movimentação pelo lado esquerdo foi fundamental, ameaçando a meta iraniana. Também abriu espaços não aproveitados pelos companheiros.

(Lucas Biglia) – sem nota

Entrou apenas no final, mal teve tempo de jogar.

Lionel Messi – 7

É o cara do time. Messi está distante de repetir as suas atuações mais assombrosas, mas continua muitíssimo eficiente. Arriscou principalmente em cobranças de falta. Com a bola rolando, foram só dois lampejos: o gol e a outra jogada mais perigosa.

Gonzalo Higuaín – 5

Até se movimentou no ataque, mas ficou encaixotado em meio à força defensiva do Irã. Foi mais eficiente ao abrir espaços para os companheiros do que finalizando.

(Palacio) – 5,5

Entrou com a defesa do Irã um pouco mais aberta e tentou aproveitar esse desgaste, mas não fez nada muito digno de exaltação.

Agüero – 4,5

Muito mal nesta Copa do Mundo. O principal parceiro de Messi não demonstra a agilidade comum e também não tem sido efetivo nas aparições ofensivas. Bem marcado, desapareceu.

(Lavezzi) – 6

Entrou bem melhor que Agüero. Conseguiu alguns dribles e achou brechas na muralha do Irã. Uma delas virou assistência graças à finalização cirúrgica de Messi.

IRÃ

Haghighi – 7

Não foi tão exigido assim pelos argentinos, mas fez algumas intervenções importantes durante a partida. Não teve culpa alguma no gol.

Montazeri – 6

Responsável por fechar o lado direito do Irã, teve trabalho em segurar Di María. Compensou com boas aparições no ataque de vez em quando, com cruzamentos precisos.

Hosseini – 6,5

O líder da defesa, foi muito bem para conter os passes mais longos da Argentina e as bolas cruzadas na área. Demonstrou firmeza o jogo todo.

Sadeqi – 6

Não apareceu tanto quanto o seu companheiro de zaga, mas conseguiu manter o setor tranquilo. Não economizou nos chutões.

Pooladi – 5,5

Conseguiu trancar o lado esquerdo da defesa do Irã, muito bem nos combates e na cobertura. Em compensação, parou nisso, nulo ofensivamente.

Andranik – 6,5

Foi um cão de guarda para a defesa iraniana, roubando muitas bolas e atrapalhando a progressão pelo centro da defesa. Poderia ter ido melhor, se acertasse mais passes.

Nekounam – 5,5

Um dos jogadores mais experientes do Irã, se dedicou, mas não sobressaiu naquilo que mais precisava, na distribuição do jogo.

Shojaei – 5

Limitadíssimo pelo lado direito, não conseguiu acertar a cobertura pelo seu setor e deixou muitos espaços. Pior, não contribuiu com seu ataque.

(Heydari) – 4,5

Mal foi percebido em campo. Foram 13 minutos em campo só para fazer número na defesa.

Hajsafi – 4,5

Mal apareceu em campo, mesmo ficando até o final do segundo tempo. Protagonizou algumas tentativas no ataque e ajudou no início do combate, mas nada digno de nota.

(Alireza) – sem nota

Jogou muito pouco, mas foi mais brilhante do que seu titular ao arranjar um lindo lançamento para Reza, em um dos melhores lances do Irã.

Dejagah – 7,5

O melhor de sua equipe, com sobras. Chamou a responsabilidade e se dedicou como poucos, atrapalhando a saída de bola com cinco desarmes. Também foi o protagonista na maioria dos lances de perigo, inclusive em cabeçada defendida por Romero.

(Reza Haghighi) – sem nota

Entrou no fim, mal teve tempo de pegar na bola.

Reza – 7

Mesmo por vezes isolado demais no ataque, foi uma ameaça constante à defesa argentina. Quando se livrou da marcação, só parou em Romero.

ÁRBITRO

Milorad Mazic – 6

Mal foi percebido. Ainda bem.