A Juventus anunciou a contratação de Emre Can, meio-campista alemão de 24 anos, que vem do Liverpool. Ele fica sem contrato a partir do dia 1º de julho e assinou com a Juventus até 30 de junho de 2022. Com o meia, a Juve ganha uma opção interessante, técnica e fisicamente forte sem pagar nada por isso, o que é um feito em um mercado tão inflacionado.

LEIA TAMBÉM: O Arsenal aposta em Leno como uma solução, mas o goleiro também precisa retomar sua ascensão

Can teve altos e baixos no Liverpool. Com o técnico Brendan Rodgers, jogou como um zagueiro em um esquema que mantinha uma linha de três atrás. Com Jürgen Klopp, ganhou mais espaço para atuar onde prefere, no meio-campo. Foi titular a maior parte do tempo, até se machucar na reta final. Na Premier League, fez 29 jogos, sendo 24 como titular. Na Champions League, fez oito jogos, seis deles como titular. Mostra um pouco da sua importância para o técnico alemão, que dirigiu o Liverpool até a final.

Can chega justamente para fazer companhia a Khedira, que foi muito importante para a Juventus ao longo da temporada, ainda que não tenha apresentado o seu melhor futebol. Há rumores da saída de Miralem Pjanic, que deixaria mais um espaço vago naquela posição. Rodrigo Betancur, que está na Copa pelo Uruguai, é um jogador que tem ganhado espaço por ali e ClaudiO Marchisio, de 32 anos, perdeu espaço ao longo da última temporada e é especulado até para deixar o clube. Além deles, há também o ótimo Blaise Matuidi, que jogou muitas vezes. Can chega para reforçar o setor, que quase certamente perderá jogadores.

“Eu vim para cá porque a Juventus é um clube gigante. Eu acompanho o time desde que eu era mais novo e a Juventus é um time que ganha títulos e isso é o que eu quero e por isso que encaixamos bem juntos. Quando eu era mais novo, meu técnico quando eu tinha seis anos de idade me disse que um dia eu jogaria na Juventus e aqui estou eu”, afirmou Can, em entrevista ao canal de TV da Juventus.

Can conta que conversou com Sami Khedira, com quem jogou na seleção alemã, pedindo informações sobre o técnico Massimiliano Allegri. “Ele me disse que é gigantesco e que eu era o tipo de jogador para vir para cá. Sobre Allegri, todo mundo sabe que ele ganha títulos aqui. Ele é realmente um grande, grande técnico. Eu falei com ele e foi uma conversa bem positiva. Eu estou realmente ansioso para trabalhar com ele”, disse.

“Eu acho que a Serie A realmente cresceu novamente e já muitos bons times na Itália. Nunca é fácil ganhar um título de Serie A, mas é esse o nosso objetivo novamente”, disse o meio-campista, que escolheu usar a camisa 23 na Juventus. “Eu queria esse número e eu pedi aos meus empresários que se fosse possível, eu queria a 23 porque eu tive bons momentos com esse número, eu gosto e muitas lendas a vestiram”. Bom, talvez ele esteja falando de basquete, não é? Michael Jordan Lebron James e por aí vai.

Reforços a baixo custo

Não foi a primeira vez que a Juventus conseguiu um reforço pagando pouco. Giuseppe Marotta conseguiu algumas boas contratações como essa nos últimos anos. Um dos primeiros reforços de peso nesse sentido foi Andrea Pirlo, em 2010. Desacreditado, o meio-campista assinou pela Juventus e brilhou intensamente até 2015. O maior exemplo é Paul Pogba, que chegou em 2012, de graça, do Manchester United e voltou ao clube inglês em 2016 por € 105 milhões.

Em 2011 o time trouxe o zagueiro Andrea Barzagli, do Wolfsburg, que chegou só por € 300 mil. Em 2014, a Juventus levou Kingsley Coman de graça vindo do Paris Saint-Germain e o atacante brilhou. Foi para o NBayern por empréstimo e contratado em definitivo por € 21 milhões. Em 2015, levou Sami Khedira do Real Madrid, depois que o volante do Real Madrid ficou sem contrato. Em 2016, o time contratou Daniel Alves, do Barcelona, ao final do contrato do lateral.