A Juventus segue com uma série impressionante no Campeonato Italiano. Enfrentou o perigoso time da Fiorentina neste domingo, em casa, e conseguiu vencer mais uma, desta vez por 1 a 0, a 14ª vitória consecutiva no seu estádio. Com isso, iguala a melhor marca da história da Serie A. Em 1975/76, o Torino, rival local da Juventus, também venceu seus primeiros 14 jogos em casa no campeonato. Mesmo com um recorde como esse, o time de Antonio Conte não convenceu no futebol apresentado.

Asamoah marcou um golaço na vitória por 1 a 0, mas o futebol ficou bem aquém de um time tão dominante na liga local. Mas não será necessário mais do que isso para ficar com o scudetto. A Juventus é, de longe, o time mais competente da Itália e essa ampla série de vitórias em casa mostra isso. Assim como na seleção italiana, o problema é a falta de um meia que possa dar criatividade à equipe. Vidal, Marchisio e Pogba, que estiveram em campo contra a Fiorentina – Pirlo estava suspenso – são jogadores de muita qualidade técnica e ótima chegada ao ataque. Preenchem bem os espaços no meio-campo, o que torna bem difícil a vida do adversário nesse setor.

Só que falta um jogador que se aproxime e dê mais opção para dar a bola aos atacantes Tevez e Llorente. Às vezes Vidal e Pogba, especialmente, conseguem fazer isso. Falta uma opção, ao menos no banco, para ser essa veia criativa. Eventualmente, Tevez volta para buscar a bola, mas ele rende mais como atacante,  chegando mais perto do gol. O elenco da Juventus é bom, especialmente para a liga italiana, mas parece sofrer muito com a falta de variação de jogadas e esquema tático. Em um dia que o plano A não dá certo, o plano B não existe. Para a Itália, tem sido suficiente, como foi neste domingo. Porque, mesmo com problemas, é um time muito forte e o melhor da Itália.

Como a Fiorentina também não teve criatividade e sofreu para superar o meio-campo da Juventus, não causou muitos problemas ao time da casa. Nem Anderson, nem Pizarro, nem Aquilani foram capazes de tornar a Fiorentina mais insinuante. Mario Gomez quase não teve chances. As coisas melhoraram para o time de Florença quando entrou em campo o brasileiro Ryder Matos entrou em campo. Apesar de não ser um centroavante, ele deu mais movimentação ao ataque e levou perigo ao menos duas vezes. As entradas de Matias Fernández e Rafal Wolski também ajudaram a melhorar um pouco o time. Ryder chegou a cabecear uma bola na trave e chutar uma bola perigosa, ameaçando a Juventus. Os donos da casa seguraram o resultado no final, com a experiência de quem sabe somar muitos pontos.

A Juventus  tem um potencial muito grande, mas parece cumprir só uma parte disso e se satisfaz. São muitos os jogadores capazes de apresentar um futebol acima da média, especialmente no meio-campo, mas o futebol tem sido para o gasto. Talvez pela eliminação precoce na Liga dos Campeões, talvez por saber que é o suficiente para ganhar o Campeonato Italiano. Mas a sensação é que o time joga menos do que poderia.

Com a vitória, a Juventus chegou a 72 pontos na tabela, 14 pontos à frente da Roma, que tem 58 dois jogos a menos – um deles disputa ainda neste domingo. O terceiro colocado é o Napoli, com 52. O título para a Juventus está praticamente garantido. O que o time precisa se preocupar é em saber variar o jogo e ser mais criativo no setor de ataque. Ao menos se o time quiser ir mais longe nas competições europeias na próxima temporada.

A Fiorentina, por sua vez, pode ver a Internazionale encostar na tabela, caso o time de Milão vença o Torino neste domingo. Os quatro pontos de vantagem, 45 a 41, podem diminuir para um com uma vitória nerazzurri. Os três primeiros colocados do italiano vão para a Liga dos Campeões, enquanto o quarto e quinto vão para a Liga Europa. Tanto Fiorentina quanto Inter ainda sonham com a Liga dos Campeões, mas parece cada vez mais improvável. Os dois times deverão se contentar em brigar por uma vaga na Liga Europa.