A Alemanha enfrentará o Brasil em amistoso na próxima terça-feira, em Berlim, no primeiro reencontro depois do 7 a 1 na semifinal da Copa do Mundo de 2014. Um dos protagonistas daquele jogo, o meio-campista Toni Kroos, foi perguntado sobre a comparação entre o time que enfrentou em 2014 com o atual. Para ele, os dois times são bem diferentes e o atual é bem superior ao que foi semifinalista em casa – e tomou a maior goleada que um time da casa em Copa já sofreu.

LEIA MAIS:
– Apesar da vitória, dificuldade contra defesa da Rússia com cinco jogadores é alerta para o Brasil
– Alemanha e Espanha nos brindaram com um amistoso excepcional, sublinhando o favoritismo à Copa

“Quando olho o time atual em comparação a 2014, eles estão dois degraus acima. Eles têm pessoas muito boas, meu companheiro Casemiro está indo muito bem, eles se juntaram bem. O Brasil é definitivamente um dos favoritos à Copa do Mundo”, afirmou Kroos, em entrevista coletiva. A Alemanha terá o segundo teste forte nesta data Fifa, depois de encarar a Espanha. E os jogadores perceberam que há muito trabalho a ser feito nos atuais campeões do mundo.

A Alemanha empatou em casa com a Espanha em Dusseldorf por 1 a 1, o que, para o técnico Joachim Löw, serviu para o time aprender lições importantes. Alguns dos principais jogadores do time não ficaram satisfeitos com a atuação. “Tudo deu errado nos primeiros 20 minutos”, afirmou o zagueiro Jerome Boateng.

“Nossa pressão não funcionou, eles brincaram de gato e rato conosco”, disse o jogador do Bayern. “Nós queremos jogar melhor vindo de trás, aproveitar nossas chances, passar bem, não perder a bola tão rápido. Nosso jogo de contra-ataque tem que ser melhor, nós fomos pegos duas ou três vezes no contra-ataque, não podemos ter isso”, continuou o zagueiro. “Não está de todo ruim, mas nós temos muito trabalho e precisamos nos unir como time”. “Nos primeiros 20 minutos, nós estávamos apenas correndo atrás deles”, concordou Kroos.

Thomas Müller e Mesut Özil foram liberados para descansarem, assim como Emre Can, este machucado. O time de Löw deve ter cinco mudanças na escalação titular. O lateral esquerdo Marvin Plattenhardt deve ser titular no lugar de Jonas Hector, habitual naquela posição. Plattenhardt é do Hertha Berlim e, portanto, jogará em casa no estádio Olímpico de Berlim.

No meio-campo, Ilkay Gündogan deve ser titular do time, substituindo Sami Khedira – outro que se destacou na vitória sobre o Brasil na semifinal da Copa 2014. Ele sofreu uma pancada nas costas e ficará fora do jogo contra o Brasil, embora, segundo o próprio meio-campista tenha dito, não é nada sério.

Löw acredita que o teste contra a Espanha e o próximo, contra o Brasil, são importantes para o time. “Valeu o risco, mesmo que nós não tenhamos sempre conseguido colocar pressão neles mais à frente”, afirmou o técnico da Alemanha. “Estes são os times que querem e podem ter um papel decisivo na Copa do Mundo”.

Os alemães vêm de três empates nos últimos jogos: 0 a 0 com a Inglaterra, 2 a 2 com a França e 1 a 1 com a Espanha.