Dirk Kuyt teve uma das aposentadorias mais gloriosas possíveis a um jogador de futebol. Voltou para o Feyenoord, clube de seu coração, e capitaneou a reconquista do Campeonato Holandês após um hiato de 18 anos – como capitão e absoluto protagonista na campanha. O futuro do veterano continuará ligado à agremiação, com uma partida de despedida marcada para o Estádio De Kuip e a confirmação de que ele trabalhará como técnico das categorias de base. Mas, antes disso, Kuyt resolveu calçar as chuteiras mais uma vez. Por uma causa nobríssima: quer auxiliar o Quick Boys Katwijk, seu primeiro time, a conquistar o acesso na quarta divisão da Holanda.

Nascido em Katwijk, Kuyt chegou aos Quick Boys quando tinha apenas cinco anos. Passou toda a sua formação no clube e estreou no time principal em 1998, aos 17 anos. Precisou de apenas seis partidas nas divisões de acesso para atrair atenção do Utrecht e ser vendido à elite do Campeonato Holandês. No entanto, a ligação com a antiga casa permaneceu e o atacante seguia visitando o clube. Não à toa, nesta temporada voltou a trabalhar com os alviazuis, atuando como assistente técnico. E agora, diante das necessidades, reaparece como salvador aos nanicos.

Nos últimos dias, o Quick Boys suspendeu Yordi Teijsse, uma das referências de seu ataque. O motivo? O jogador se desentendeu com o assistente técnico Dirk Kuyt. Então, o veterano se prontificou a voltar aos gramados e jogar novamente pelo clube de infância até o final da temporada. Aos 37 anos, o velho ídolo já vinha treinando nas últimas semanas, o que ajuda em suas condições físicas.

Restam oito rodadas para o fim da quarta divisão e o Quick Boys ocupa a segunda colocação, a cinco pontos do líder Spakenburg. Apenas o vencedor do grupo regional assegura o acesso direto à terceirona, mas, depois disso, ainda será possível buscar a promoção através dos playoffs. Seria fantástico se o fim da carreira de Kuyt, além de tudo, contasse com mais este capítulo.