Não é raro ver clássicos amarrados. Até é algo bastante compreensível. Partidas que significam demais para clubes e torcedores, nas quais às vezes não vale a pena se expor muito para buscar o gol. O Dérbi de Roma, no entanto, foge dessa escrita. Ou, ao menos, fugia. Desde 1989, com os dois estabilizados na Serie A, os rivais se enfrentaram ao menos uma vez por ano. E em somente sete das 59 partidas, o placar não saiu do 0 a 0. A exemplo do clássico do confronto deste domingo, que relembrou um jejum de gols que não acontecia desde 2007.

É bem verdade que a Roma tentou escrever uma história diferente no jogo de hoje. Os giallorossi dominaram as ações da partida. Gervinho teve um gol corretamente anulado pela arbitragem, enquanto Miralem Pjanic desperdiçou a melhor oportunidade da equipe. Pior do outro lado, com a Lazio dando míseros três chutes o jogo inteiro, nenhum deles que fizesse o goleiro Morgan De Sanctis trabalhar.

A média de gols do dérbi não é das mais altas, com apenas 2,23 tentos por partida. Mesmo assim, quem assistiu ao jogo do Estádio Olímpico ficou decepcionado. Os laziali, por lotarem as arquibancadas e fazerem uma festa linda à toa. E os romanistas, por perderem uma ótima oportunidade de diminuir a diferença para a Juventus no topo da Serie A, que é de nove pontos – tanto que o lance mais comemorado do jogo foi o gol que o Verona fez para empatar contra os bianconeri. Um 0 a 0 também no estado de espírito.