No próximo dia 25 de fevereiro, vai começar a fase principal da maior competição do continente asiático. São 32 times de dez países brigando pelo título da Liga dos Campeões da Ásia e vaga no Mundial de Clubes da FIFA 2014. Quase todos os times dos oito grupos contam com pelo menos um brasileiro em seus quadros. Vamos conhecê-los?

A fase de grupos começa em 25 de fevereiro, mas bola já rolou, na etapa preliminar da LC da Ásia.  A Confederação Asiática decidiu permitir que times de países médios da Ásia pudessem participar do torneio, começando na fase classificatória, em mata-mata e com jogo único, com o time melhor ranqueado atuando em casa. Assim, mesmo sem cumprir todos os critérios estabelecidos, equipes de Índia, Jordânia, Omã, Bahrein, Iraque, Kuwait, Cingapura, Hong Kong e Vietnã tiveram a honra de brigar por uma vaga na fase de grupos.

Como era de se esperar, nenhum deles conseguiu o objetivo, nem mesmo o campeão (Al Kuwait) e vice (Al Qadsia) da AFC Cup 2013, espécie de segunda divisão asiática. Ambos chegaram à última fase dos playoffs do Oeste, mas perderam de goleada para Lekhwiya (4 a 1) e El Jaish (3 a 0), respectivamente – os vencedores são do Catar.

No Leste, os tailandeses Chonburi e Muangthong United alcançaram a fase final da etapa eliminatória, mas o primeiro levou de 4 a 0 do Beijing Guoan (China), enquanto o segundo vendeu caro a derrota para o Melbourne Victory (Austrália), que precisou virar o placar (2 a 1) para se estabelecer na fase de grupos. Conheça os brasileiros que vão jogar a edição 2014.

Grupo A

Al Jazira (Emirados Árabes)

Jucilei, do Al Jazira (Emirados Árabes): o volante finalmente abandonou o Anzhi Makhachkala rumo aos Emirados Árabes, pelos valores da transferência. É bom lembrar que Corinthians e São Paulo tentaram repatriar o atleta de 25 anos, assim como Napoli, Schalke 04 e Fulham.

Destaques: o comandante é o italiano Walter Zenga, ex-goleiro da seleção entre 1987/92. Ele é treinador desde 1998 e tem um título romeno (Steaua Bucharesti) e um sérvio (Estrela Vermelha). O time também conta com o atacante equatoriano Felipe Caicedo, titular de seu país e provavelmente integrante do elenco no Mundial 2014.

Al Shabab (Arábia Saudita)

Rafinha, do Al Shabab (Arábia Saudita): o habilidoso meia encontrou seu futebol no Coritiba, que defendeu por cerca de quatro temporadas. Aos 30 anos, o atleta não poderia perder a chance de fazer o pé de meia e rumou para a Ásia ainda em julho de 2013.

Compatriota: Fernando Menegazzo, revelado no Juventude e com passagem pelo Bordeaux.

Destaque: o meia-atacante colombiano Macnelly Torres, 29 anos, se destacou no Atlético Nacional, que dominou a liga 2013, com os títulos do Apertura e do Finalización. Acabou se transferindo para o Al Shabab.

Esteghlal (Irã)

Tony, do Esteghlal (Irã): o bom meia ofensivo tem 27 anos e já passou por vários clubes, mas se deu bem mesmo com a camisa do Boavista, do Rio. Habilidoso e com boa finalização, o atleta foi emprestado ao ABC em 2013. Tony está no Irã desde 6 de janeiro deste ano.

Al Rayyan (Catar)

Nathan, do Al Rayyan (Catar): com as saídas de Rodrigo Tabata e Nilmar, apenas o jovem zagueiro, de 23 anos, permaneceu no time. O atleta não jogou profissionalmente no Brasil e está desde 2010 no Catar, tendo jogado duas vezes a LC da Ásia.

Destaque: o veterano meia argentino Lucho González, 33, ex-Porto e Marseille, e o atacante nigeriano Kalu Uche, 31, que jogou por Espanyol e Kasimpasa, da Turquia.

Grupo B

Bunyodkor (Uzbequistão)

Bunyodkor (Uzbequistão): o ex-clube de Rivaldo não tem brasileiros, mas tem o meia sérvio Marko Blazic, vice-campeão da Sérvia com o Estrela Vermelha, em 2009/10

El Jaish (Catar)

Nilmar, do El Jaish (Catar): o atacante, que ainda tem apenas 29 anos, deixou o Al Rayyan após duas temporadas, mas continuou na liga catariana. Na fase eliminatória, o brasileiro marcou duas vezes.

Compatriotas: Ivanildo dos Santos, Anderson Martins (ex-Vitória e Vasco) e Wagner Ribeiro (ex-Ituano, há cinco anos no Catar e naturalizado).

Foolad (Irã)

Chimba, do Foolad (Irã): o desconhecido atacante começou no Dom Pedro II, do DF, mas se destacou no Linense. No Foolad há dois anos, Chimba atualmente disputa a artilharia da liga iraniana e vive ótimo momento na carreira, aos 30 anos.

Compatriotas: Padovani (ex-Brasiliense), Serjão (ex-Pelotas) e Leandro Chaves (ex-Duque de Caxias, Boavista RJ e Ceará).

Al Fateh (Arábia Saudita)

Élton, do Al Fateh (Arábia Saudita): revelado no Corinthians, o meia de 27 anos não se firmou no Brasil, mas encontrou seu lugar no exterior, principalmente na Ásia. Está no Al Fateh há quatro anos.

Grupo C

Al Ittihad (Arábia Saudita)

Jóbson, do Al Ittihad: o polêmico jogador de 26 anos vem se dando muito bem na Arábia Saudita. São cinco gols em 13 partidas, oito como titular. Só que o time não está bem na liga nacional, o que em tese o fará apostar na Liga dos Campeões.

Compatriota: Leandro Bonfim, que passou por Cruzeiro, São Paulo, Vasco, entre outros. Estava no Audax Rio e tem a chance de ganhar uns trocados no fim de carreira, aos 30 anos.

Lekhwiya (Catar)

Luiz Júnior, do Lekhwiya (Catar): totalmente desconhecido no Brasil, o cearense de Jaguaruana tem 25 anos e só atuou por aqui no Uniclinic, do Ceará. Está desde 2010 no Catar e é naturalizado, tendo jogado uma partida pela seleção B do país asiático.

Destaque: o zagueiro argelino Madjid Bougherra, 31 anos, está na terceira temporada pelo time. Ele participou da Copa do Mundo 2010, embora tenha nascido na França.

Al Ain (Emirados Árabes)

Al Ain (Emirados Árabes): não há brasileiros depois da saída de Michel Bastos para a Roma.

Destaques: ainda assim, o Al Ain vem forte, pois conta com o ganês Asamoah Gyan e o australiano Alex Brosque, que devem estar na Copa do Mundo 2014.

Tractor Sazi (Irã)

Rodrigo Pimpão, do Tractor Sazi (Irã): quem não se recorda do velocista e atrapalhado atacante, que teve algum destaque no Vasco. Sem se firmar, rodou por Ponte Preta, América Mineiro e era do América de Natal, até que o time iraniano teve a insanidade de contratá-lo.

Destaque: coisas do futebol, mas Rodrigo Pimpão é companheiro do mito iraniano Ali Karimi. Mais respeitado atleta do país na atualidade, o meia já jogou no Bayern Munique e tinha se aposentado no Persepolis, em 2013. Voltou à ativa com 35 anos nas costas.

Grupo D

Al Sadd (Catar)

Rodrigo Tabata, do Al Sadd (Catar): fora do Brasil desde 2008, o meia já tem 33 anos, mas resolveu sair do Al Rayyan após quatro temporadas e terá função importante no meio-campo.

Destaques: Tabata terá que municiar simplesmente o espanhol Raúl González, que dispensa comentários, e o senegalês Mamadou Niang, ex-Marseille. O argelino Nadir Belhadj, da Copa do Mundo 2010, completa o trio de destaques estrangeiros.

Al Ahli (Emirados Árabes)

Grafite, do Al Ahli (Emirados Árabes): o atacante já tem 34 anos e não joga no Brasil desde que deixou o São Paulo, em 2006. Há três anos no Al Ahli, Grafite não tem a mesma resistência do passado, mas é importante para o time. Ele usa a braçadeira de capitão.

Compatriota: o atacante Ciel, 31, começou no Santa Cruz, mas jogou melhor por Ceará e ASA de Arapiraca, quando foi para o exterior. Há quatro temporadas nos Emirados Árabes, este será o primeiro ano do atleta no Al Ahli, que ganha experiência na LC da Ásia.

Destaques: além de Grafite, as outras estrelas do Al Ahli são o meia português Hugo Viana (ex-Valencia e Braga) e o meia chileno Luis Jímenez, ex-Lazio e Internazionale de Milão.

Al Hilal (Arábia Saudita)

Thiago Neves, do Al Hilal (Arábia Saudita): o habilidoso meia e exímio cobrador de faltas só tem 28 anos e ainda pode contribuir com o Al Hilal. Sem maiores aspirações na carreira, melhor ganhar um dinheiro a mais na Ásia do que receber pressão no Fluminense, não é?

Compatriota: em sua primeira temporada no exterior, o zagueiro Digão, ex-Fluminense, terá a chance de jogar a Liga dos Campeões da Ásia. Aos 25 anos, não se pode esperar algo além para o atleta, que vai flutuar entre o futebol asiático e o brasileiro.

Destaque: mesmo aos 31 anos, o atacante equatoriano Segundo Castillo ainda pode contribuir com a seleção no Mundial 2014. Ele participou de 11 dos 18 jogos nas eliminatórias, tem a experiência de 78 partidas internacionais e deve receber os lançamentos de Thiago Neves.

Sepahan (Irã)

Sepahan (Irã): o time não tem brasileiros e nenhum destaque internacional, embora tenha dois jovens atuantes na seleção principal e o experiente goleiro Rahman Ahmadi, 33 anos, que estará na Copa do Mundo do Brasil.

Grupo E

Pohang Steelers (Coreia do Sul)

Pohang Steelers (Coreia do Sul): O meia Jae-Sung Kim atuou 16 vezes pela seleção sul-coreana

Buriram United (Tailândia)

Buriram United (Tailândia): o atacante inglês Jay Simpson, reserva do Arsenal e ex-Hull City, não chega a ser um destaque

Shandong Luneng (China)

Vágner Love, do Shandong Luneng (China): com 29 anos, ainda não é momento de Love retornar ao Brasil, ainda mais se tem time chinês querendo colocar um bom dinheiro nos bolsos dele. O Shandong começa a temporada como um dos postulantes ao título continental.

Compatriotas: Aloísio, o Boi Bandido (ex-São Paulo), e o volante Júnior Urso, ex-Coritiba.

Outros destaques: não é qualquer um que pode tirar Wálter Montillo, que não estava muito bem no Santos, mas pode melhorar jogando no futebol asiático.

Cerezo Osaka (Japão)

Cerezo Osaka (Japão): o time não tem brasileiros, mas conta com um atacante que recentemente jogou no Brasil. Trata-se do melhor atleta do Mundial 2010, o uruguaio Diego Forlán. Não com a mesma força física de três anos e meio atrás, é verdade.

Grupo F

FC Seoul (Coreia do Sul)

Rafael Costa, FC Seoul (Coreia do Sul): os 14 gols em 30 jogos no Brasileirão Série B pelo Figueirense, que acabou subindo, foram suficientes para Rafael Costa ter sua primeira chance no exterior, aos 26 anos. E ele começou bem, com gols nos amistosos de pré-temporada.

Destaques: o colombiano Mauricio Molina, ex-Santos, continua comandando o meio-campo do Seoul. O atacante argentino/japonês Sergio Escudero também se destaca, ao lado do lateral sul-coreano Cha Du-ri, que já atuou no futebol alemão e na seleção local.

Beijing Guoan (China)

Beijing Guoan (China): os chineses não têm brasileiros, mas bem que o atacante equatoriano Joffre Guerrón conhece bem o futebol de nosso país. O atleta já jogou por Atlético Paranaense e Cruzeiro e está em seu terceiro ano no clube.

Sanfrecce Hiroshima (Japão)

Sanfreece Hiroshima (Japão): o estrangeiro do time é o croata Mihael Mikic, de 34 anos, desde 2009 no Japão

Central Coast Mariners (Austrália)

Central Coast Mariners (Austrália): sem brasileiros e destaques internacionais.

Grupo G

Yokohama F Marinos (Japão)

Dutra, Yokohama F. Marinos (Japão): o lateral esquerdo iniciou a carreira no Paysandu, no ano do tetracampeonato. Com 40, Dutra ainda está ativo e é importante no Yokohama, na terceira temporada desde seu retorno ao clube, e 2012 – atuou lá entre 2001/06.

Compatriota: o desconhecido Fábio Aguiar, 24, começou a carreira no Tigres do Brasil e passou pelo Duque de Caxias, antes de ir jogar no Japão. Está no Yokohama desde 2013.

Melbourne Victory (Austrália)

Guilherme Finkler, Melbourne Victory (Austrália): com dupla cidadania alemã, o meia de Caxias do Sul começou no Juventude, foi à Europa e voltou ao Brasil. Estava no ABC, quando teve a chance de jogar na Austrália, aos 28 anos.

Destaques: o lateral direito chileno Pablo Contreras é veterano, com 35 anos, tendo jogado o Mundial 2010. Aposentado da seleção desde 2012, o atleta aproveita o fim da carreira e curte Melbourne. Outro veterano, o atacante Archie Thompson nunca foi famoso na Europa (já jogou por PSV e Lierse), mas detém o recorde de mais gols numa única partida oficial envolvendo seleções: 13 dos 31 da Austrália sobre Samoa Americana, em 2001.

Guangzhou Evergrande (China)

Muriqui, Guangzhou Evergrande (China): ele não é conhecido pela qualidade técnica, mas está desde 2010 no time e tem carreira consolidada na Ásia. Vai fazer seus golzinhos durante a LC da Ásia.

Compatriotas: Elkeson (Botafogo), Cléo (Atlético Paranaense e Partizan Belgrado, naturalizado sérvio) e Renê Júnior (Santos).

Destaques: se não tem Darío Conca, o Guangzhou contratou Alessandro Diamanti, ex-Bolgona, para não perder espaço em China e Ásia. Não é a mesma coisa, mas o italiano é reforço.

Jeonbuk Motors (Coreia do Sul)

Marcos Aurélio, Jeonbuk (Coreia do Sul): a bela temporada com a camisa do Sport, pelo qual fez 30 gols em 53 jogos oficiais, deu a chance ao atleta de 30 anos terminar de alcançar a independência financeira. E o Jeonbuk ainda tem um ótimo reforço.

Compatriotas: desconhecidos, o meia Leonardo só jogou na Desportiva Capixaba profissionalmente no Brasil, enquanto o atacante Kaio vestiu a camisa do Atlético Paranaense, mas tem experiência no futebol japonês.

Grupo H

Ulsan Hyundai (Coreia do Sul)

Caíque, Ulsan Hyundai (Coreia do Sul): o meia defendeu Avaí, Vasco e Atlético Paranaense, sem se destacar. Saiu do Avaí em 2011 e está na Coreia do Sul desde então, com 27 anos.

Compatriotas: Almir Neto (Campinense, Icasa e América TO/MG) e Rafinha (emprestado pelo Nacional de São Paulo).

Guizhou Renhe (China)

Hyuri, Guizhou Renhe (China): a carreira do jovem atacante de 22 anos começou bem no Audax Rio e o Botafogo deu-lhe chance. O início avassalador no Campeonato Brasileiro 2013 chamou a atenção dos chineses.

Destaques: um dos craques da Bósnia Herzegovina, o meia Zvjezdan Misimović, 31, nunca deu certo no Bayern Munique, mas se encontrou no Wolfsburg. Deve jogar o Mundial 2014. Outra peça curiosa é o belga naturalizado taiwanês Xavier Chen, que só está aqui por ter história singular: foi convocado para a seleção de Taiwan após ser descoberto num jogo de videogame!

Kawasaki Frontale (Japão)

Jeci, Kawasaki Frontale (Japão): o zagueiro de 33 anos tem passagens por Palmeiras e Coritiba, clube que defendia antes de ir para o Japão, em 2012. São três temporadas na Ásia.

Compatriotas: Renatinho, ex-atacante do Coritiba, e Paulinho, ex-Metropolitano e Vasco.

Western Sydney Wanderers (Austrália)

Western Sydney (Austrália): brasileiro não tem, mas o meia japonês Shinji Ono, de 34 anos, é o grande destaque. Ele defendeu Feyenoord e Bochum e jogou as Copas de 1998, 2002 e 2006.