O Leeds United diz ter consultado 10 mil pessoas para elaborar o seu novo escudo, lançado às vésperas da comemoração do centenário. A ousadia dos Whites, no entanto, representou uma reação 10 mil vezes mais audível – e longe de ser boa. A ira dos torcedores foi notável, com uma enxurrada de comentários negativos nas redes sociais e na imprensa inglesa. Pois durou 24 horas a empreitada da diretoria. Nesta quinta, o clube voltou atrás em sua ideia e anunciou que o processo de criação de um novo emblema recomeçará.

“O Leeds United gostaria de agradecer nossos torcedores pelos comentários sobre a nossa proposta de escudo lançada ontem. O volume e a profundidade das opiniões reforçaram o nível de paixão de nossa base de fãs. Enquanto a atual diretoria for tutora do Leeds, os torcedores sempre estarão no coração de tudo o que fizermos, e vocês serão ouvidos. Nós conduzimos uma pesquisa aprofundada, no desejo de uma mudança de emblema que simbolizasse uma nova era ao clube. No entanto, nós também apreciamos a necessidade de estender a consulta entre os torcedores e estamos comprometidos em trabalhar com vocês para criar uma identidade da qual todos nós podemos ter orgulho. Durante a próxima semana, nós divulgaremos mais informações sobre como os torcedores podem se envolver no processo. Marchando juntos”, escreveu o clube.

Além das críticas inflamadas, o Leeds United foi alvo das gozações de outros clubes. A brincadeira mais genial veio do Aston Villa, que indiretamente falou que o escudo estava recobrando os velhos tempos de Winning Eleven – quando, sem os direitos de reproduzir os símbolos ou os nomes, a Konami criava times genéricos como o “West Midlands Village” e o “Yorkshire Whites”. Zenit e Zamalek foram outros que também tiraram sua casquinha da repercussão negativa sobre os Whites.