Depois da confirmação, muito trabalho. Foi assim que Jens Lehmann reagiu ao saber que Jürgen Klinsmann o escolheu para ser o goleiro titular da Alemanha na Copa. O jogador do Arsenal ainda tratou de consolar Oliver Kahn, dono da posição na Copa de 2002.

“Estou contente por a decisão ter sido a meu favor. Vou mergulhar na preparação ainda mais do que fiz até agora. Farei de tudo para justificar a confiança que o treinador depositou em mim”, disse Lehmann em declarações publicadas no site oficial da federação alemã.

Lehmann reconheceu ser difícil para Kahn aceitar a reserva. “Fiquei no banco quatro vezes em Copas ou campeonatos europeus. Sei o que ´não jogar”, disse. O goleiro do Bayern de Munique demonstrou seu desânimo com a escolha de Klinsmann e até cogitou a hipótese de dar um tempo à seleção alemã.

Para tentar evitar uma decisão precipitada de Kahn, Theo Zwanziger, um dos presidentes da federação alemã, tentou apoiar Kahn. “Obviamente é uma grande decepção para alguém que fez muito para o futebol alemão, mas espero que ele não faça nada de forma impetuosa. Espero que ele pense por alguns dias e continue à disposição da seleção”, comentou.