Era fevereiro. O Leicester vinha de um conto de fadas que será eternamente lembrado na história do futebol: o título na temporada 2015/16. Os meses passaram, o time estava perigosamente próximo da zona do rebaixamento. Claudio Ranieri, o técnico da façanha, foi demitido. Quase oito meses depois, Craig Shakespeare, o substituto, teve o mesmo destino: a demissão. Uma história que soa como uma síndrome de Araketu para quem se acostumou mal.

LEIA TAMBÉM: O Newcastle é colocado à venda e a torcida solta rojões com a notícia, após uma década de frustração

Síndrome (figurativo): Combinação de características e sinais com uma condição crítica que é suscetível de despertar medo e insegurança.
Do dicionário Michaelis

Antigamente, o formulário a ser preenchido por quem era demitido era da cor azul. Vem daí a expressão “ganhar o bilhete azul”, que virou sinônimo de demissão. Curiosamente, azul é a cor do Leicester, que parece não ter muita paciência com os maus resultados. Vichai Srivaddhanaprabha, dono e presidente do King Power International Group, é também dono do Leicester desde 2011.

Parece que o tailandês (ou seu grupo) não aguentaram o início ruim de temporada. Em oito jogos até aqui, apenas uma vitória, três empates e quatro derrotas. Sim, a campanha é ruim e o time está em 18º, posição que abre a zona do rebaixamento. Claro que é preocupante. A questão, como acontece em vários lugares no mundo e incluindo o Brasil, é: trocar o técnico, depois de oito rodadas, é mesmo o melhor caminho?

A pergunta se torna ainda mais relevante se dimensionarmos qual é a briga do Leicester. Sim, apesar do título em 2015/16, o time precisa, primeira, brigar para não ser rebaixado. Só depois dá para almejar alguma coisa. Tanto que os donos do Leicester estabeleceram uma premiação de £ 100 mil para Claudio Ranieri para cada posição acima do rebaixamento. Bom, deu para calcular o tamanho da bolada que o técnico italiano levou, né?

O próprio Ranieri repetiu insistentemente naquele início de temporada fantástico em 2015/16 que o objetivo do time era não ser rebaixado. A história, claro, mudou completamente, como você pode ler no link, a partir de uma pizza com o elenco. Mas o objetivo era não voltar à Championship.

O sonho do título em maio de 2016 se converteu a uma duríssima realidade de briga contra o rebaixamento em dezembro do mesmo ano, já na temporada 2016/17. Talvez o título tenha mudado o pensamento dos donos, que podem ter imaginado que o time tinha subido de patamar, e não que tenha vivido uma temporada mágica.

Em 23 de fevereiro de 2017, Claudio Ranieri foi demitido. Era o fim do conto de fadas. Ranieri tinha ido da tragédia grega ao título mais improvável da história da Premier League. Voltou ao caos com a demissão. As críticas à decisão da diretoria do Leicester foram muitas. Aparentemente, a diretoria do Leicester parece acreditar que a mudança de técnico terá outro efeito para salvar o time do rebaixamento mais um ano.

Só que demitir depois de oito jogos é só uma demonstração clara de falta de planejamento ou de um planejamento ruim e mal feito. O Leicester anuncia a demissão de Craig Shakespeare quatro meses depois de dar a ele um contrato de três anos. É inacreditável que tenha demorado tão pouco tempo para que os donos do Leicester mudem de opinião.

Não há dúvida que o Leicester tem problemas que devem ir muito além do campo. Ter enfrentado Arsenal, Manchester United, Chelsea e Liverpool nos seus primeiros seis jogos não ajudou, é claro, mas o time também não conseguiu vitórias enfrentando Huddersfield, Bournemouth e West Bromwich nas últimas rodadas.

Outros irão questionar o mercado feito pela Leicester para remontar o time. Tirando a contratação de Adrien Silva, barrada pela Fifa por ter atrasado 14 segundos no sistema de transferências internacional, os jogadores trazidos para os Foxes pareceram boas opções.

Kelechi Iheanacho era um prodígio do Manchester City que não tinha espaço depois da chegada de Gabriel Jesus; Vicente Iborra, capitão do Sevilla, foi outro a chegar com boas credenciais. Além deles, Harry Maguire, zagueiro que veio do Hulll City, se tornou rapidamente titular do time e chegou até à seleção inglesa. A saída de Danny Drinkwater, claro, tem um peso que Adrien Silva deveria suprir, mas o mercado do time não foi ruim. Longe disso.

Curiosamente, Nigel Pearson, ex-técnico do Leicester, foi escolhido pela família Srivaddhanaprabha para ser o treinador do OH Leuven, da Bélgica, time que é também de propriedade do grupo. Seria uma reposição óbvia. Só que talvez o histórico seja um peso contra, não a favor. O time se salvou milagrosamente na temporada 2014/15, com Pearson, demitido por questões além do campo.

Os donos do Leicester têm agora uma nova missão e precisam acertar. Demitir Pearson depois da campanha incrível que salvou o time do rebaixamento foi uma decisão controversa; contratar Ranieri foi motivo de piada, mas se tornou um grande acerto; demitir o italiano foi de partir o coração da torcida, mas talvez tenha salvado o time do rebaixamento. Agora, a decisão de mandar embora Shakespeare é uma nova grande decisão, uma aposta da diretoria.

Segundo a Sky Sports, Thomas Tuchel, ex-Borussia Dortmund, é o principal alvo do Leicester para ser o técnico do time. Até se especula Carlo Ancelotti, mas esse é um sonho irreal para os Foxes. Segundo a ESPN inglesa, Tuchel é o nome no topo da lista da diretoria, mas o próprio já se colocou fora da bruga. Alan Pardew, sem emprego desde a demissão do Crystal Palace em dezembro de 2016, é outro nome que pinta como possível candidato.

O nome mais cotado neste momento é Chris Coleman, técnico de Gales. Ele foi o responsável pela classificação e boa campanha na Eurocopa 2016, além de ter ficado perto da classificação para a Copa 2018. Seja qual for o escolhido, a pressão será enorme em cima da diretoria se o próximo passo não for acertado.

O título talvez tenha dado uma má impressão aos donos tailandeses do Leicester. Será que uma volta de Claudio Ranieri, atualmente no Nantes, é possível? Muito provavelmente não. O que os diretores do clube querem é aquele sucesso. Aquele gostinho de taça, tão enebriante. Tatau cantou um dos grandes sucessos do Araketu, “Mal Acostumado”:

Mal acostumado
Você me deixou
Mal acostumado
Com o seu amor
Então volta
Traz de volta meu sorriso
Sem você não posso ser feliz…(3x)