Não faltam motivos para exaltar a grandiosidade da Copa Libertadores da América. A tradição, os grandes esquadrões, as particularidades. E um dos motivos que fazem o torneio ser único é seu próprio nome. Afinal, se a Conmebol quase sempre é criticada, merece todos os elogios pela homenagem que fez a partir de 1965 – até então, o certame se chamava ‘Copa Campeones de América’, enlatado do homônimo europeu. Um resgate histórico importante para exaltar grandes personagens como Simon Bolívar, José de San Martín, José Artigas, Bernardo O’Higgins e tantos outros que lutaram pela independência dos países sul-americanos – incluindo Dom Pedro I que, apesar do caráter diferente da luta no Brasil, também foi um libertador.

E nenhuma Libertadores da América foi tão fiel à memória de seus patronos quanto a deste ano. Pela primeira vez, quatro clubes com nomes de libertadores entraram na disputa: Bolívar, O’Higgins, Deportivo Anzoátegui e Morelia – que não se chama exatamente José María Morelos, mas é uma derivação do sobrenome do herói mexicano e que o celebra em seu estádio. E, se quisessem puxar referências históricas, daria até para incluir o Nacional. No mesmo local em que foi erguido o Estádio Gran Parque Central, o ícone uruguaio José Artigas foi nomeado ‘Jefe de los Orientales’ quase um século antes.

Até então, no máximo dois ‘times libertadores’ haviam disputado uma mesma edição do torneio continental. O episódio mais interessante vem de 1984. Naquele ano, Bolívar e O’Higgins fizeram dois confrontos que seriam épicos ao menos para os livros de história. E aquela competição ainda contava com El Nacional, do Equador, que em seus três primeiros anos se chamou Club Mariscal Sucre, outra figura notável do continente.

São muitos os clubes que homenageiam aqueles que batalharam pela independência dos países latinos. Muitos deles estão longe do protagonismo ou são mesmo semiamadores, mas não deixam de fazer a contribuição para a história dos libertadores. Curiosamente, no Brasil, o único a receber a honraria é José Bonifacio, na quarta divisão do Paulistão. O Esporte Clube Dom Pedro Bandeirante, do Distrito Federal, na verdade faz referência a Dom Pedro II.

Nas próximas linhas, listamos os principais clubes que relembram os libertadores em seus nomes. Alguns heróis possuem mais de um homenagem, mas levamos em conta as equipes de maior importância. Além disso, para que um time fosse incluído, consideramos ao menos alguma filiação às principais entidades de seus países. É difícil imaginar uma competição que consiga reunir todos esses clubes. Mas, se existisse, não haveria maneira melhor de honrar a alcunha de ‘Libertadores da América’.

A imagem genial que abre o post foi retirada do site “Tudo sim é história”. Vamos à escalação. Em pé: Pedro I (BRA), O’ Higgins (CHI), Bolívar (VEN), San Martín (ARG), Artigas (URU) e Yegros (PAR). Agachados: Francisco de Miranda (técnico, VEN), Tupac Amaru (PER), Espejo (EQU), Santa Cruz (BOL), Sucre (VEN) y Nariño (COL).

*****

Observação: caso você se conheça algum time que não está na lista, é só dar um toque nos comentários. Acrescentaremos assim que possível.

*****

1 (1)

Club Bolívar (Bolívia)

Quem foi Simon Bolívar: A maior referência entre os libertadores da América. O líder político e militar encabeçou a independência de praticamente todo o norte do continente, herói em Peru, Venezuela, Bolívia, Colômbia, Equador e Panamá. Chegou a ser presidente de todos esses países em meados da década de 1820, com maior influência sobre a Gran Colômbia.

O clube: Nada mais justo que o time para honrar Bolívar seja o mais notável entre todos da lista. La Academia foi fundada em 1925, celebrando o centenário da independência boliviana. Os paceños iniciaram sua trajetória em ligas municipais e logo estabeleceram a rivalidade com o Strongest. Estrelado por Victor Agustín Ugarte, o Bolívar conquistou o primeiro título profissional do país em 1950 e botou a faixa de campeão boliviano 18 vezes. É o clube local com mais participações na Libertadores, 30 vezes, chegando à semifinal em 1986.

Club Deportivo O’Higgins (Chile)

Quem foi Bernardo O’Higgins: O líder da independência chilena era filho de Ambrosio O’Higgins, que governou a Capitania Geral do Chile e foi vice-rei do Peru. No entanto, o herdeiro se distanciou do poder central e se converteu em militar dos rebeldes. Também foi o chefe de Estado dos chilenos durante seis anos.

O clube: El Capo de Provincia surgiu em 1955, a partir da fusão de dois clubes, o O’Higgins Braden e o América de Rancagua. Os celestes logo passaram a disputar a elite do Campeonato Chileno e chegaram a rondar o título em seus primeiros anos. A era de ouro da equipe veio entre o final da década de 1970 e o início dos anos 1980, com a participação em três edições da Libertadores. Com os problemas financeiros da Codelco, companhia de cobre dona do time, o O’Hi viveu altos e baixos até se restabelecer em meados dos anos 2000 e conquistar o inédito título do Apertura em 2013.

Deportivo Anzoátegui Sport Club (Venezuela)

Quem foi José Antonio Anzoátegui y Hernández: Oficial do exército venezuelano durante a Guerra da Independência, era o chefe da guarda de Simon Bolívar. Junto com o líder revolucionário, ajudou a libertar os países da porção norte da América do Sul. No início do Século XX, o Estado de Barcelona foi renomeado em sua lembrança.

O clube: O Deportivo Anzoátegui é um mero novato no futebol venezuelano. Foi fundado em 2002, na cidade de Puerto La Cruz, que fica no Estado de Anzoátegui. Ainda assim, até mesmo o nome do estádio dos aurirrojos lembra o general da independência. A ascensão do clube começou a partir de 2007, quando ascendeu à primeira divisão do Campeonato Venezuelano. Campeão nacional em 2012, disputa a Libertadores pela terceira vez neste ano.

Club Monarcas Morelia (México)

Quem foi José María Morelos: O revolucionário mexicano assumiu a liderança do movimento de Independência após a morte de Miguel Hidalgo y Costilla – que, por sua vez, batiza o estádio do Pachuca. O capitão lutou contra os espanhóis até 1815, seis anos antes do fim da guerra. Um dos estados do país emancipado foi batizado em sua honra.

O clube: Fundado em 1924 como Oro Morelia, em referência à cidade que homenageia Morelos. Presente na primeira divisão do Campeonato Mexicano a partir de 1957/58, o clube só foi se tornar protagonista depois de 1996, quando foi comprado pela TV Azteca. Rebatizado de Monarcas em 1996, logo no ano seguinte conquistou seu primeiro título nacional. Também foi vice-campeão da Concachampions por duas vezes no início dos anos 2000. Sua estreia na Libertadores aconteceu em 2002.

belgrano

Club Atlético Belgrano (Argentina)

Quem foi Manuel Belgrano: O multifacetado protagonista da independência argentina foi militar, economista, jornalista, político e advogado. Foi ativo na defesa de Buenos Aires nos primeiros anos dos conflitos, liderando o Exército do Norte. Também foi o responsável pela criação da bandeira albiceleste e participou das libertações no Paraguai e na Bolívia.

O clube: A fundação dos Piratas em 1905 teve pauta bastante nacionalista. O time adotou as cores da bandeira argentina, além de celebrar a figura do general. O clube de Córdoba limitou-se às competições locais até 1968, quando passou a fazer parte do Campeonato Argentino. Já a estreia na primeira divisão aconteceu em 1992. Ascendido após a histórica vitória que culminou também no rebaixamento do River Plate, os albicelestes se mantêm na elite desde 2011. O futebol argentino conta com mais três equipes chamadas Belgrano.

San Martín de San Juan (Argentina)

Quem foi José de San Martín: O general é um dos maiores ícones da Independência da Argentina, mas também tem sua parte nas histórias do Peru e do Chile. Depois de participar das batalhas nas províncias do Rio da Prata, estendeu sua luta também para os Andes. Foi nomeado protetor do Peru logo após a libertação, ficando por cerca de um ano no posto.

O clube: Apesar da confusão que pode ser feita com o apelido do time, ‘El Santo’, o San Martín ganhou esse nome em 1907 em homenagem ao libertador. Os verdinegros disputaram ligas regionais durante boa parte de sua história, tomando lugar nas competições nacionais a partir da década de 1970. O primeiro acesso à primeira divisão, no entanto, só aconteceu em 2007/08. Bicampeão do interior, o San Martín foi rebaixado à segundona na última temporada. Outros quatro clubes com o nome de ‘San Martín’ militam na Argentina, com destaque para o San Martín de Tucumán, que disputou três vezes a primeira divisão.

Sport Boys Warnes (Bolívia)

Quem foi Ignacio Warnes: Nascido em Buenos Aires, o militar participou da Guerra de Independência da Argentina e teve papel destacado nas batalhas que se travaram na região que hoje é a Bolívia. Chegou a liderar a Republiqueta de Santa Cruz, território controlado pelos independentistas.

O clube: A referência ao ícone se faz por conta da cidade do Sport Boys: Warnes, próxima a Santa Cruz de la Sierra. El Toro foi fundado em 1954 e conquistou o inédito acesso à primeira divisão em 2012/13, ao ser vice-campeão da Nacional B. Em seu elenco atual, a equipe conta com Joaquin Botero e Sergio Galarza, de longos serviços prestados à seleção. O time treinado por Néstor Clausen foi o 10º no último Apertura.

Club Mariscal Sucre de Deportes (Peru)

Quem foi Antonio José de Sucre: Um dos principais libertadores, o venezuelano ajudou a liderar as independências de Equador, Peru e Bolívia, além de ter sido chefe de estado dos dois últimos países. Possui departamentos regionais batizados em sua homenagem na Bolívia, na Colômbia, no Equador, no Peru e na Venezuela.

O clube: Los Dinamiteros surgiram em um distrito de Lima como Sucre Football Club, deixando clara a referência ao mariscal apenas a partir da década de 1950. Presente em 31 temporadas na elite do Campeonato Peruano, fez sua estreia em 1933 e sagrou-se campeão em 1944 e 1953 – além de ter três títulos da segundona. Vizinho e rival do Alianza Lima, o clube foi extinto em 1977, já longe da primeira divisão.

Club Almirante Brown (Argentina)

Quem foi Almirante William Brown: O criador da marinha argentina nasceu na Irlanda e lutou nas Guerras Napoleônicas antes de mudar-se para a Argentina. Foi essencial nas vitórias dos argentinos na Guerra de Independência e na Guerra da Cisplatina, além de romper bloqueio do Rio da Prata organizado por ingleses e franceses em 1845.

O clube: La Fragata passou a honrar o nome do herói argentino a partir de 1912, quando foi criada em La Matanza, na província de Buenos Aires. O clube encerrou suas atividades sete anos depois e ressurgiu em 1922, considerada atualmente a data de sua fundação. Os uniformes aurinegros foram herdados do Peñarol, os únicos disponíveis para as primeiras partidas do time. A partir de 1956 os portenhos passaram a disputar o Campeonato Argentino, mas nunca chegaram à elite. São 35 temporadas na segundona, para a qual voltaram em 2010.

baez-e-diaz

Club Mariscal Santa Cruz (Bolívia)

Quem foi Andrés de Santa Cruz: O militar transitou do exército realista para o independentista, sendo um dos líderes das guerras vitoriosas que emanciparam Bolívia e Peru. Chegou a presidir os dois países, assim como estabeleceu a Confederação Peru-Boliviana por três anos.

O clube: Surgiu em 1923 como Northern Football Club, mas acabou adquirido em 1965 pelo exército, quando passou a homenagear o mariscal. A equipe de La Paz participou cinco vezes da primeira divisão nacional, mas acabou extinto em 1976, por ordem do ditador Hugo Banzer. La Academia foi responsável pelo único título continental do futebol boliviano, ao ganhar a antiga Recopa Sul-Americana(com a participação dos vencedores das copas) em 1970, batendo El Nacional na decisão. Jogadores de renome, como Victor Agustín Ugarte e Juan Américo Díaz, também passaram por lá.

Club Mariscal Castilla (Peru)

Quem foi Ramón Castilla: O mariscal participou dos exércitos realistas no início de sua carreira militar, mas resolveu se juntar à luta pela independência pouco tempo depois. Também foi presidente do Peru por quatro mandatos, considerado progressista e inovador – entre suas ações, libertou os escravos, encerrou o tributo indígena e reformou a educação.

O clube: O maior momento da equipe da capital peruana aconteceu durante os anos 1950. Os verdolagas conquistaram em anos seguidos um torneio regional de Lima e a segunda divisão, que lhe deram o direito de disputar a elite do Campeonato Peruano entre 1958 e 1960. Desapareceu na década seguinte e, recentemente, foi refundado para disputar ligas distritais.

Centro Deportivo y Social Lord Cochrane (Chile)

Quem foi Thomas Cochrane: Almirante escocês e protagonista nas Guerras Napoleônicas, Cochrane recebeu o apelido de ‘Sea Wolf’. Liderou a esquadra chilena durante a guerra de independência contra as forças reais e também participou de batalhas no Brasil. Lutou contra tropas portuguesas na Bahia e no Maranhão, além de combater a Confederação do Equador.

O clube: A equipe semiamadora da cidade de Concepção foi estabelecida em 1916, promovendo também a criação do Deportes Concepción em 1966. Potência nas competições regionais, El Lord teve sua maior glória em 2008, com o título do Campeonato Amador de Clubes Campeões, que lhe rendeu uma vaga na Copa do Chile.

José Bonifácio Esporte Clube (Brasil)

Quem foi José Bonifácio: O ‘Patriarca da Independência’ articulou a cisão com o Império Português em 1822. Apoiando Dom Pedro I, ajudou a organizar a resistência militar contra as tropas portuguesas e participou da reorganização política do país. Também foi o tutor de Dom Pedro II durante sua infância.

O clube: A Serpente do Vale surgiu em 1961, denominada por causa do município de José Bonifácio, no interior de São Paulo. O clube nunca foi além da segunda divisão estadual, com a conquista da Série A3 de 1972 no currículo. Após superar os problemas financeiros que o fizeram fechar as portas há 15 anos, o clube milita na quarta divisão paulista.

artigas

Artigas Sportivo Club (Uruguai)

Quem foi José Gervásio Artigas: O militar nascido em Montevidéu se tornou ‘El Jefe de los Orientales’, fundamental na luta pela independência contra as monarquias de Espanha e Portugal, que exerciam domínio sobre a Banda Oriental. Contribuiu de forma indireta para que a autonomia e a democracia fossem estabelecidas no Uruguai e no norte da Argentina. Possui uma placa em sua homenagem na entrada do Gran Parque Central, estádio do Nacional (foto).

O clube: Fundado dois dias depois do aniversário de Artigas, o clube da cidade de Melo resolveu homenagear o herói nacional. Disputa os campeonatos departamentais em Cerro Largo e conquistou a Copa El País em 1993, considerado o título de ‘campeão do interior’ no Uruguai. Em junho, completa 102 anos de história.

Club Atlético Güemes (Argentina)

Quem foi Martín Miguel Güemes: O general foi um dos líderes do Exército do Norte na Guerra de Independência da Argentina. Foi governador da província de Salta e também formou a resistência contra as invasões realistas no interior do país.

O clube: Fundado em 1932, decidiu emprestar o nome de Güemes para exaltar as virtudes do herói nacional. O próprio apelido de ‘El Gaúcho’ faz referência ao libertador. Sediado em Santiago del Estero, cidade próxima a Rosário, a equipe possui vários títulos regionais e hoje milita na quarta divisão argentina. Entre suas maiores revelações está Omar Pérez, craque do Independiente Santa Fe na Libertadores.

Lavalleja Fútbol Club (Uruguai)

Quem foi Juan Antonio Lavalleja: Capitão de Artigas, liderou posteriormente o grupo dos Treinta y Tres Orientales, cujas ações revolucionárias culminaram na vitória sobre o Império do Brasil e na fundação do Uruguai. Chegou também a governar o país.

O clube: A nomeação em 1915 veio em homenagem ao libertador – que também dá nome ao departamento no qual a cidade de Minas se localiza – justamente porque não se chegava a um consenso sobre como seria batizado o clube. El Lava é frequentador assíduo do Campeonato Minuano de Fútbol, com três títulos, e foi vice-campeão da Copa El País, principal torneio do interior uruguaio.

Club Fulgencio Yegros (Paraguai)

Quem foi Fulgencio Yegros: Chamado de ‘Pai da Pátria’ no Paraguai, o militar participou ativamente das lutas pela independência. Com apenas 31 anos de idade, foi o presidente da junta governativa do país por dois anos e também se tornou cônsul da república.

O clube: A agremiação de 90 anos é sediada na cidade de Ñemby, região metropolitana de Assunção. Seus primeiros uniformes foram do Vélez Sarsfield, trazidos de Buenos Aires. Milita na Primera División C do Campeonato Paraguaio, o equivalente à quarta divisão, na qual foi admitido em 2010. Também possui alguns títulos regionais.

Club Atlético Mariano Moreno (Argentina)

Quem foi Mariano Moreno: O portenho foi advogado e jornalista, com papel central na deposição do representante rela nas Províncias do Rio da Prata. Participou do governo da Primeira Junta, que passou a administrar a região a partir de então, e foi um grande defensor dos direitos dos indígenas.

O clube: Os alvinegros nasceram nos últimos anos do amadorismo no futebol argentino e permanecem assim até os dias atuais. Participa dos campeonatos regionais em Junin, nas proximidades de Buenos Aires. Conquistou 18 vezes a Liga Deportiva del Oeste. Um extinto clube de Buenos Aires, que também homenageava Mariano Moreno, foi o primeiro adversário da história do Boca Juniors, derrotado por 4 a 0.

* O meu muito obrigado a Caio Brandão da Costa e Javier Rivera, por ajudarem a enriquecer a matéria.