Jogadores do Atlético Nacional comemoram o título da LIbertadores 2016 (AP Photo/Dolores Ochoa)

Libertadores o ano todo e com final única: conheça as mudanças no torneio

Dá para chamar de revolução. A Conmebol se reuniu nesta terça-feira e anunciou muitas mudanças na sua principal competição, a Copa Libertadores. A partir de 2017, a competição passará a ser disputada durante o ano inteiro, entre fevereiro e novembro, terá 42 clubes, e não mais 38, e final em jogo único e campo neutro. Uma mudança que parece imitar a Champions League, da Europa, mas não soa bem na América do Sul. Vamos falar de cada uma das mudanças nos tópicos abaixo.

“Estas reformas fazem parte de uma estratégia global para incentivar o desenvolvimento do futebol sul-americano e reforçar a sua competitividade”, afirmou Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, no seu perfil no Twitter. Falaremos sobre cada uma das mudanças nos tópicos abaixo.

LEIA TAMBÉM: Libertadores durante o ano todo e com final única pode acontecer, e por pressão dos clubes

Libertadores o ano todo

A primeira e mais importante mudança se dá na duração da Copa Libertadores. Ao invés das 27 semanas que tinha até a edição de 2016, durante de janeiro a julho, passará a ter 42 semanas, com duração de fevereiro a novembro.

Com isso, a competição deixa de ser disputada em um só semestre e passa ao ano todo. A mudança, segundo a Conmebol, passa por querer valorizar a competição e fazer com que os clubes não tenham que escolher priorizar a competição continental ou nacional.

“Os clubes não deveriam ter que escolher entre competir no torneio nacional ou no continental. Harmonizar os calendários aumenta a qualidade em ambos”, escreveu Alejandro Domínguez em sua conta no Twitter.

Com isso, a Conmebol espera que os times que façam boa campanha na Libertadores não sejam sacrificados nas suas ligas nacionais. Como o calendário da competição era condensado em um semestre, se tornava uma maratona para os times. Ir bem no principal torneio de clubes sul-americano se tornava um peso aos participantes. Tanto que vimos algo comum: os clubes que iam bem na Libertadores e não a venciam acabavam saindo atrás na disputa do Campeonato Brasileiro, por exemplo.

A ideia de alongar a competição por mais meses, deixando a disputa o ano inteiro, acaba sendo boa para evitar esse massacre aos times que façam boa campanha. Além disso, a Libertadores é mais valorizada, com disputas de times mais inteiros fisicamente e se espera que com mais qualidade técnica também, como consequência.

Aumento do número de participantes

Foi confirmado também que haverá um aumento no número de participantes de 38 para 42 clubes. Segundo Martin Charquero, repórter uruguaio, haveria cinco vagas para convidados e é possível que seja usado o ranking de clubes da Conmebol para isso.  A informação, porém, foi desmentida pelo presidente da Conmebol. Alejandro Domínguez disse, no Twitter mais uma vez, que nos 11 países participantes as vagas se ganham.

A Conmebol chegou a ter um ranking de clubes. O ranking da Conmebol leva em conta o desempenho nos últimos 10 anos, o coeficiente histórico (valorizando as conquistas) e também as conquistas de campeonatos nacionais. Pelo atual ranking, Boca Juniors e River Plate lideram. O melhor brasileiro é o Cruzeiro, em quarto lugar, seguido por Internacional, em sexto, Santos, em oitavo, e Corinthians, em nono. O ranking serve, atualmente, para definir quem são os cabeças de chave do torneio.

Ainda não está definida a distribuição destas 42 vagas. Há a expectativa que o México ganhe mais um clube no torneio. Atualmente, os mexicanos têm três vagas, mesmo número de Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. Brasil e Argentina possuem cinco vagas cada um. As discussões sobre essa distribuição será nas próximas três semanas.

O formato de disputa ainda será definido – atualmente, seis clubes participam da fase preliminar, na disputa por três vagas, para totalizar 32 times na fase de grupos. Com 42 clubes, a tendência é que tenhamos mais clubes na fase preliminar, na disputa por vagas na fase de grupos. Desta forma, o torneio manteria o formato, mesmo com mais vagas. Só seria preciso mais jogos na fase preliminar.

Mudança na Sul-Americana

A Sul-Americana também será mais valorizada. O período de disputa será de junho a dezembro. Além disso, 10 clubes que não se classificarem às oitavas de final da Copa Libertadores ganharão vaga na Sul-Americana, assim como acontece na Champions League em relação à Liga Europa.

A ideia é, assim, valorizar também o seu segundo torneio de clubes. Casos como o deste ano, que o Atlético Nacional, campeão da Libertadores, joga a Copa Sul-Americana, não acontecerão mais. Clubes que joguem um torneio não disputarão o outro, algo que se tornou comum nos outros países da América do Sul, exceto pelo Brasil.

Final em jogo único e campo neutro
Torcida do Atlético Nacional faz a festa em Medellín: final única deve acabar com isso (AP Photo/Fernando Vergara)

Torcida do Atlético Nacional faz a festa em Medellín: final única deve acabar com isso (AP Photo/Fernando Vergara)

Este é o ponto mais polêmico entre as mudanças. O anúncio de uma final em jogo único e em campo neutro divide as opiniões. A justificativa dada pelo presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, é o que ele chamou de “justiça esportiva”.

“Analisando a estatística de finais de Copa Libertadores, o time mandante na segunda partida ganhou sete em cada 10 jogos. A justiça esportiva exige uma final única em campo neutro”, disse Domínguez no seu twitter.

O problema é que fazer isso em um continente como o nosso, com tantos desafios geográficos e distâncias continentais, torna esta medida uma tragédia. Para o torcedor, será terrível ver o seu time até a semifinal, mas na final ter que fazer uma viagem que pode ser bem complicada. Por exemplo, se em 2016 já tivéssemos esta regra, poderíamos ter visto uma decisão entre Atlético Nacional, da Colômbia, e Independiente del Valle, do Equador, em Assunção, no histórico estádio Defensores del Chaco. Será que este jogo atrairia público para ficar lotado? Dificilmente.

Além disso, perdemos uma das maiores riquezas da Libertadores: as torcidas locais, os recebimentos dos mandantes e o fator local, algo que é muito mais intenso que na Europa. Por aqui, jogar em casa significa um peso muito maior, mesmo para times que são menores e que não tenham tanto dinheiro. Sem contar que não sabemos ainda como será a definição do campo neutro. Será definido antes do torneio, como na Europa, ou a partir dos finalistas? Seja como for, tende a ser um grande problema ao torcedor.

Mais do que tudo isso, perde-se a identidade de uma final autenticamente sul-americana, com dois jogos, ida e volta, cada clube podendo fazer o seu jogo como visitante. É uma marca do futebol por aqui que será perdida em nome de um evento que, em termos de TV, pode até ser interessante, mas precisará ser muito melhor trabalhado.

Atualmente, as rendas nos estádios são essenciais aos clubes que participam da Copa Libertadores. Com final em jogo único, os times perdem isso. A Conmebol terá que compensar pagando um prêmio muito maior e dividindo mais o bolo que recebe da TV – que, aliás, continua sendo um grande mistério.

A força da Liga Sul-Americana de Clubes

Os dirigentes ratificaram uma mudança que era cobrada pela Liga Sul-Americana de Clubes, grupo formado por clubes da América do Sul para representar seus interesses com o órgão que dirige o futebol do continente.

Vale lembrar que o grupo de clubes chegou a ter os brasileiros, mas os clubes paulistas, por exemplo, deixaram as reuniões depois de Reinaldo Carneiro Bastos, presidente de Federação Paulista de Futebol, assegurar que ele representaria os interesses deles na Conmebol. Um erro em todos os sentidos: de avaliação e político, dando poder a quem não deveria tê-lo.

Os clubes brasileiros, agora, devem ter entendido que o bonde estava passando e quem não subir será atropelado por ele. Os clubes sul-americanos, unidos, possuem todo o poder nas mãos. Algo que sempre se falou também em termos locais.

A tendência é vermos os clubes grandes do continente mais unidos. Incluindo aí os brasileiros. É provável que o bonde das mudanças só tenha começado. O Brasil precisará se adaptar em termos de calendário. Como a CBF fará com os times brasileiros que participam da Copa Libertadores para disputarem também a Copa do Brasil? Como será a definição das vagas à Copa Sul-Americana? Tememos pelo pior – por exemplo, retroceder para os times da Libertadores não jogarem a Copa do Brasil. Analisaremos esta questão nos próximos dias.

Chamada Trivela FC 640X63